HomeChina25 aviões da China efetuam nova incursão em espaço aéreo ADIZ de...

25 aviões da China efetuam nova incursão em espaço aéreo ADIZ de Taiwan

Nesse dia 12 de abril, a aviação do Exército de Libertação Popular da China efetuou voo com 25 aviões na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan (ADIZ). Esta é a maior “incursão” já feita por Pequim.

De acordo com o ministério da defesa de Taiwan, os aviões militares da PLA que efetuaram o voo são: 14 caças Jian-16, quatro Jian-10s, quatro bombardeiros H-6K, dois aviões de guerra anti-submarino Y-8 e um avião de controle e alerta antecipado KJ-500 aerotransportado.

“A Força Aérea de Taiwan enviou sua força de patrulha aérea para segui-los, emitiu avisos de rádio e acionou o monitoramento de baterias de mísseis para monitorar seus movimentos”, disse o ministério em um comunicado.

Nesse dia 13/04, outras cinco aeronaves efetuaram nova incursão:

Os últimos voos ocorreram um dia depois de o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, alertar Pequim contra a “invasão” de Taiwan.

“O que vimos, e o que realmente nos preocupa, são as ações cada vez mais agressivas do governo em Pequim contra Taiwan, aumentando as tensões no estreito”, disse Blinken.

Blinken enfatizou que Washington tem um compromisso de longa data sob a Lei de Relações de Taiwan de garantir que a ilha “tenha a capacidade de se defender” e de assegurar que os EUA mantenham a paz e a segurança no Pacífico Ocidental.
“Apoiamos esses compromissos”, acrescentou.

Em 26 março, 20 aviões de guerra PLA voou para a zona pouco depois de Taipei e Washington assinaram seu primeiro acordo sob a administração Biden para a cooperação guarda costeira. Isso se seguiu à promulgação de uma nova lei em Pequim que permite que sua guarda costeira atire em navios estrangeiros.

Em 2020, Taiwan contabilizou 380 “incursões” de jatos chineses em sua zona de defesa aérea, de acordo com as autoridades de Taipei.

Anteriormente, em 07 abril, porta-voz do Departamento de Estado Ned Preço expressou “grande preocupação” com o que chamou de padrão de esforços chineses para outros Intimidar na região, incluindo Taiwan.

Os Estados Unidos mantêm a capacidade de resistir a qualquer recurso à força ou a qualquer outra forma de coerção que coloque em risco a segurança ou o sistema social ou econômico do povo de Taiwan”, disse Price.

Esse acúmulo de preocupações se confunde com a visão do governo de que a China é um desafio da linha de frente para os Estados Unidos e que mais deve ser feito em breve – militar, diplomaticamente e por outros meios – para deter Pequim, que busca suplantar os Estados Unidos como potência predominante. Na ásia. Alguns líderes militares americanos vêem Taiwan como potencialmente o ponto de inflamação mais imediato.

No mesmo dia, o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, disse que a ameaça militar contra seu país está aumentando e, embora ele tenha dito que ainda não era “particularmente alarmante”, os militares chineses nos últimos anos têm conduzido o que ele chamou de “real exercícios de combate ”mais perto da ilha.

“Estamos dispostos a nos defender, sem dúvida”, disse Wu a repórteres. “Vamos travar uma guerra se precisarmos travar uma guerra e se precisarmos nos defender até o último dia, então nos defenderemos até o último dia.”

  • Com informações do Taiwan MoD e STF Analysis & Intelligence, via redação Orbis Defense Europe.

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!