HomeChinaA ameaça chamada China: Nova Era Nuclear

A ameaça chamada China: Nova Era Nuclear

O quadro de potências nucleares foi reformulado neste momento, a China se tornou a mais nova potência e a principal ameaça para EUA e Rússia.

No final de junho de 2021, imagens de satélite revelaram que a China estava construindo 120 silos de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) na beira do deserto de Gobi. Isso foi seguido pela revelação algumas semanas depois de que outros 110 silos de mísseis estavam em construção em Hami, na província de Xinjiang, onde também se localizam os campos de trabalho forçado contra os uigures muçulmanos.

Juntamente com outras expansões planejadas, esses locais representam uma mudança dramática na abordagem do país às armas nucleares.

Por décadas, a China manteve uma força nuclear relativamente pequena, mas de acordo com as estimativas atuais da inteligência dos EUA, esse arsenal está agora a caminho de quase quadruplicar, para 1.000 armas, até 2030, um número que colocará a China muito acima de qualquer outra energia nuclear, exceto a Rússia e os Estados Unidos.

Tampouco parece provável que Pequim pare por aí, dado o compromisso do presidente Xi Jinping de construir um exército de “classe mundial” até 2049 e sua recusa em entrar em negociações sobre controle de armas.

É difícil exagerar a importância desse esforço. Ao desenvolver um arsenal nuclear que em breve rivalizará com os da Rússia e dos Estados Unidos, a China não está apenas se afastando de seu status de décadas de estado nuclear menor; também está derrubando o sistema de energia nuclear bipolar. Nos 73 anos desde o primeiro teste nuclear da União Soviética, esse sistema bipolar, com todas as suas falhas e momentos de terror, evitou a guerra nuclear.

Agora, aproximando-se da paridade com as duas grandes potências nucleares existentes, a China está anunciando uma mudança de paradigma para algo muito menos estável: um sistema nuclear tripolar.

Nesse mundo, haverá um risco maior de uma corrida armamentista nuclear e maiores incentivos para os Estados recorrerem a armas nucleares em uma crise. Com três grandes potências nucleares concorrentes, muitas das características que melhoraram a estabilidade no sistema bipolar se tornarão discutíveis ou muito menos confiáveis.

Não há nada que os Estados Unidos possam fazer para impedir a China, tão pouco a Rússia, a nação vermelha já é uma das principais potências nucleares do mundo, mas há coisas que os estrategistas e planejadores de defesa dos EUA podem fazer para mitigar as consequências.

Para começar, Washington precisará modernizar sua dissuasão nuclear. Mas também precisará se engajar em novas maneiras de pensar sobre o equilíbrio de poder nuclear e como, em um ambiente estratégico muito mais complexo, pode manter a dissuasão e manter a paz nuclear.

Esta bela análise é do especialista sênior e muito respeitado internacionalmente Andrew Krepinevich, destaca que durante a Guerra Fria, tanto a União Soviética quanto os Estados Unidos foram capazes de concentrar suas estratégias nucleares quase inteiramente uma na outra.

As duas superpotências construíram arsenais nucleares superiores a 20.000 armas cada, permitindo-lhes descontar em grande parte os arsenais dos estados nucleares menores – China, França, Israel e Reino Unido – cujos estoques não excediam as centenas.

Após a Guerra Fria, a Rússia e os Estados Unidos se sentiram confortáveis ​​em concordar em reduzir suas forças estratégicas desdobradas para 1.550 armas nucleares através de muitos acordos, pois continuavam a manter uma grande vantagem sobre qualquer outro estado com armas nucleares.

Embora o sistema bipolar não eliminasse o risco de uma guerra nuclear, funcionou bem o suficiente para evitar o Armagedom da época. Duas características do sistema de duas potências são a paridade e a destruição mutuamente assegurada.

Desde que iniciaram as Conversações sobre Limitação de Armas Estratégicas, em 1969, tanto Moscou quanto Washington enfatizaram a manutenção da paridade, ou arsenais de tamanho semelhante, como forma de aumentar a dissuasão e a estabilidade da crise – uma situação em que há fortes desincentivos para recorrer a armas nucleares, mesmo sob condições de grande estresse.

Para ambas as potências, estabelecer forças nucleares semelhantes em tamanho e muito maiores do que a de qualquer outro estado nuclear as colocou em pé de igualdade. Isso foi especialmente importante para os Estados Unidos, que buscavam desencorajar os ataques soviéticos não apenas contra si mesmos, mas também contra aliados e parceiros de segurança, a quem Washington havia oferecido abrigo sob seu “guarda-chuva nuclear” por meio de dissuasão prolongada.

Consequentemente, Washington fez questão de evitar criar a percepção entre esses estados de que suas forças nucleares eram de alguma forma inferiores às de Moscou. Do lado soviético, fluía a mesma percepção, o alto escalão mostrava à suas Repúblicas que tinha poder suficiente para evitar um colapso de extinção por guerra nuclear, e também a guerra nuclear, é claro.

Desta maneira, nos dias atuais, não cabe aos russos julgarem a China, tão pouco os americanos, os únicos até o momento a matarem dezenas de milhares de pessoas instantaneamente com o uso de armas nucleares de alta destruição em massa.

Na época, os estrategistas americanos criaram o termo “destruição mutuamente assegurada” para descrever a situação em que ambos os rivais possuíam essa capacidade. Esse impasse apocalíptico foi notoriamente caracterizado pelo físico Robert Oppenheimer, que liderou o desenvolvimento da bomba atômica, como o estado de dois escorpiões presos em uma garrafa, cada um capaz de matar o outro.

Porém, não são mais dois insetos peçonhentos, são três escorpiões presos numa garrafa ainda mais estreita amarrados em cada canto por cordas finas do globalismo.

A conquista da China do status de grande potência nuclear perturbará dramaticamente esse delicado equilíbrio. Até recentemente, o governo chinês parecia satisfeito com uma força de “dissuasão mínima” de apenas algumas centenas de armas.

Agora, no entanto, está se movendo em uma direção totalmente diferente. Junto com sua farra de construção de silos, desenvolveu um novo ICBM capaz de ser armado com até dez ogivas nucleares correspondentes a mísseis de Reentrada Múltipla Independente Direcionadas, capaz de atingir várias metrópoles ao mesmo tempo.

Essa combinação de proliferação de silos de lançamento e mísseis com cabeça de hidra, referência a um monstro com corpo de dragão e várias cabeças de serpente na mitologia, o que permitirá que os militares chineses expandam ainda mais seu arsenal terrestre, para até 3.000 armas, simplesmente enchendo seus silos com esses mísseis.

A China também vem modernizando sua força de mísseis balísticos lançados por submarinos e sua frota de bombardeiros de longo alcance com o objetivo de colocar em campo uma tríade robusta de sistemas de entrega nuclear – terra, mar e ar – uma capacidade que até agora apenas a Rússia e os Estados Unidos possuía.

Abordar a estratégia nuclear em um sistema nuclear tripolar, e não mais bipolar, traz à mente os desafios associados ao chamado problema dos três corpos em astrofísica. Este é o problema de tentar prever o movimento de três corpos celestes com base em suas posições e velocidades iniciais.

Em um sistema de dois corpos celestes, tal previsão pode ser feita prontamente. Mas quando há três, nenhuma solução geral ainda foi identificada (exceto quando pelo menos um dos corpos tem uma atração gravitacional minúscula em relação aos outros dois).

Como as posições futuras dos três corpos desafiam uma solução fácil, um sistema de três corpos é descrito como “caótico”. Da mesma forma, com o surgimento de três potências nucleares rivais, várias características-chave do sistema bipolar entrarão em colapso, e o “medo de ser uma segunda potência ruim” por não atacar primeiro provavelmente aumentará.

Para começar, uma vez que China, Rússia e Estados Unidos tenham grandes arsenais nucleares, cada potência terá que trabalhar para restringir o comportamento não de um, mas de dois adversários diferentes.

O conceito usado pelos chineses para dissuasão, “weishe”, serve para deixar claro. É mais abrangente do que a definição ocidental tradicional de “dissuasão” e inclui dois objetivos diferentes.

A primeira, semelhante ao conceito ocidental, envolve desencorajar, ou dissuadir, um oponente de seguir um determinado curso de ação. Mas o segundo objetivo do weishe é coagir um oponente a seguir um curso de ação que de outra forma ele não empreenderia. Assim, weishe também inclui o conceito ocidental de competência.

Isso sugere que os chineses têm metas mais ambiciosas para suas forças nucleares do que os formuladores de políticas dos EUA têm para as suas próprias instituições. Isso levanta a questão de como o Partido Comunista Chinês usaria sua capacidade nuclear para fins coercitivos, na certeza de que os aliados de Washington são os alvos óbvios, seguido dos EUA e da própria Rússia.

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

1 COMMENT

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Felipe Moretti
Analista militar com foco em mídia de streaming, com experiência superior a 4 anos em plataformas como o YouTube e Revistas Eletrônicas, no qual é fundador e administrador do canal Área Militar. Possui capacidade técnica para a colaboração e análises em assuntos que envolvam os meios de preservação e manutenção da vida humana, em cenários de paz ou conflito.
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!