HomeAmérica do Norte"A potência global China ROMPE economias!", diz chanceler canadense

“A potência global China ROMPE economias!”, diz chanceler canadense

Mélanie Joly sugere nova estratégia do Indo-Pacífico e pede às empresas que sejam lúcidas nos negócios com a China

A ministra das Relações Exteriores do Canadá , Mélanie Joly, disse que a China se tornou “cada vez mais disruptiva” no cenário mundial, ou seja, se tornou uma nação que rompe economias pelo mundo, ao sugerir em um discurso uma nova estratégia do Indo-Pacífico que deve ser lançada este mês.

Seus comentários vêm antes de várias cúpulas que o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, deve participar, incluindo a Associação das Nações do Sudeste Asiático no Camboja, o G20 na Indonésia e a Cooperação Econômica Ásia-Pacífico na Tailândia.

“A China é uma potência global cada vez mais disruptiva”, disse Joly a uma plateia de Toronto. “Ele procura moldar o ambiente global em um ambiente mais permissivo para interesses e valores que se afastam cada vez mais dos nossos”.

“E a ascensão da China como ator global está reformulando a perspectiva estratégica de todos os estados da região, incluindo o Canadá”.

Em um esboço da nova estratégia política de Ottawa, que deve ser divulgada nas próximas semanas, Joly disse que seria fundamental expandir as relações com a Índia e outros países da região, além de Taiwan, exatamente o mesmo cenário dos norte-americanos.

Este gráfico morta as exportações canadenses para a China de janeiro a junho de 2022 em comparação ao mesmo período do ano passado (2021). Trade Data Online (Statistics Canada – Customs Data)

Ela não desencorajou o comércio com a China, que se tornou o segundo maior parceiro comercial do Canadá, apesar dos laços diplomáticos tensos. Mas ela alertou as empresas canadenses de que “precisam ter olhos claros” sobre como fazer negócios na e com a China.

Seus comentários vieram dias depois que Trudeau disse que a China está “jogando jogos agressivos” para minar as instituições democráticas em meio a relatos de que Pequim interferiu ativamente nas eleições federais do Canadá.

Seus comentários na segunda-feira vieram após relatos de que Pequim financiou uma rede clandestina de candidatos nas eleições de 2019 no Canadá e apenas alguns dias depois que a polícia federal disse que estava investigando uma rede secreta de delegacias ilegais chinesas em Toronto.

Presidente da Huawei, Meng Wanzhou, que foi presa no Canadá. DARRYL DYCK.AP

As relações bilaterais azedaram após a prisão do Canadá em 2018 de um executivo da Huawei sob um mandado dos EUA e a detenção de dois canadenses por Pequim em aparente retaliação. Todos os três foram libertados no ano passado como parte de um acordo com promotores americanos.

Joly disse que o Canadá deve continuar a lidar com a China em questões globais como a crise climática. Notavelmente, a China presidirá uma conferência sobre biodiversidade da ONU em Montreal em dezembro.

A china emite mais gases de efeito estufa do que todo o mundo desenvolvido combinado, segundo um relatório do Rhodium Group, destacando que os asiáticos emitiram 27% dos gases em 2019, seguido pelos EUA, Índia, União Europeia, Indonésia e Rússia.

Mas ela prometeu que Ottawa falaria sobre o mau tratamento da China aos uigures e outras minorias, o esmagamento da liberdade de expressão em Hong Kong, as ameaças militares contra Taiwan e quaisquer medidas para restringir os direitos de navegação internacional na região.

Ainda de acordo com Joly, o Canadá desafiará a China quando for necessário, e deve também deve cooperar quando for necessário.

“A região do Indo-Pacífico é o epicentro de uma mudança global geracional”, acrescentou, prevendo que representará metade da economia global até 2040.

Joly também observou um aumento da presença militar canadense no Pacífico e prometeu mais funcionários em suas embaixadas encarregados de analisar o impacto das políticas chinesas.

Em fóruns globais, ela disse que o Canadá e seus aliados estarão “recusando comportamentos que minam as normas internacionais”.

Boicote tecnológico à China

O governo alemão bloqueou a venda de uma de suas fábricas de semicondutores para uma empresa de tecnologia de propriedade chinesa por questões de segurança.

O Ministério da Economia da Alemanha disse em comunicado que proibiu a Elmos Semiconductor, que fabrica chips para a indústria automotiva, de vender sua fábrica em Dortmund para a Silex, uma subsidiária sueca da chinesa Sai Microelectronics.

Guerra de Chips: China e EUA

Na semana passada, o chanceler alemão Olaf Scholz se encontrou com o líder chinês Xi Jinping na primeira visita de um líder do G7 a Pequim em cerca de três anos, uma viagem projetada para fortalecer os mercados de exportação como os laços da Alemanha com a Rússia – que já foi seu maior fornecedor de gás natural – continuar a desvendar.

A visita aconteceu apenas um mês depois que os Estados Unidos introduziram controles rigorosos sobre as exportações de chips para a China, uma medida destinada a proteger sua segurança nacional e reforçar sua indústria doméstica de semicondutores.

No início de outubro, o governo Biden proibiu as empresas chinesas de comprar chips avançados e equipamentos de fabricação de chips sem licença.

A temível Lei Chips+ dos EUA

Muitos analistas aguardavam a execução pelo presidente dos EUA, Joe Biden, do projeto de lei Chips +, que visa aumentar a competitividade da indústria de microchips dos EUA, aliviar a dependência da Grande China e a escassez de microchips sentida globalmente.

O projeto Chips + havia sido aprovado no Senado Americano em um esforço bipartidário com vários republicanos se juntando aos democratas em sua votação à medida que os temores de um confronto com a China aumentam, uma negociação sobre o projeto que durou mais de um ano.

Patrocinado por Google

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR 

CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!