A viagem de Elon Musk à Índia: aprovações Starlink, fábricas Tesla e muito mais na agenda

O bilionário da tecnologia Elon Musk deve visitar a Índia enquanto seus negócios buscam novos mercados no país mais populoso do mundo, com a montadora de carros elétricos Tesla – sofrendo uma queda nas vendas nos Estados Unidos – supostamente explorando locais de fábricas.

Outra empresa de propriedade de Musk, a operadora de internet via satélite Starlink, deverá receber aprovações iniciais para operar na Índia, disse uma fonte governamental à AFP.

Também provavelmente estará na agenda do autodenominado “absolutista da liberdade de expressão” o grande número de ordens de remoção de conteúdo que o governo da Índia impõe à X, a plataforma de mídia social que ele assumiu em 2022.

“Ansioso para me encontrar com o primeiro-ministro Narendra Modi na Índia!” Musk escreveu no X na semana passada sem informar a data da visita.

Relatos da mídia indiana sugerem que a viagem começará no domingo e durará dois dias, após meses de namoro agressivo entre o bilionário e Modi.

Os dois reuniram-se em junho passado em Nova Iorque, após o que Musk disse que Modi pressionou o empresário a “fazer investimentos significativos na Índia” – algo que ele disse que as suas empresas pretendiam fazer.

A Tesla está atualmente lutando contra o aumento da concorrência chinesa e uma queda na demanda nos Estados Unidos, com relatos afirmando que a empresa planeja reduzir sua força de trabalho.

Musk, que se descreve como fã de Modi, também disse que a Índia “é mais promissora do que qualquer grande país do mundo”.

Mas a Índia tem muitas vezes dificuldades em atrair investimento directo estrangeiro, mesmo quando as empresas multinacionais procuram alternativas à China, e a admiração de Musk ainda não se traduziu em compromissos multibilionários.

Os elevados impostos de importação de veículos eléctricos da Índia – Musk certa vez queixou-se de que estavam entre os “mais altos do mundo” – impediram a Tesla de fazer incursões na ausência de produção local.

E em 2021, o Ministério das Comunicações fez uma rara repreensão pública à Starlink quando alegou que a empresa havia começado a “pré-venda” de seus serviços na Índia sem licença para operar.

– Tapete vermelho –

Este ano, porém, o governo flexibilizou as regulamentações na esperança de atrair maior investimento estrangeiro antes das eleições nacionais que durarão seis semanas, começando na sexta-feira.

No mês passado, reduziu os impostos de importação de veículos eléctricos para os fabricantes de automóveis globais que se comprometeram a investir 500 milhões de dólares e a iniciar a produção local dentro de três anos.

A nova política permite que as empresas importem até 8.000 veículos eléctricos com preços iguais ou superiores a 35.000 dólares todos os anos, com direitos de importação bastante reduzidos de 15 por cento.

O Financial Times informou no início deste mês que a Tesla enviaria uma equipe para explorar locais em pelo menos três estados em busca de uma fábrica.

A mídia indiana informou que a Tesla procurará primeiro importar carros de sua fábrica em Berlim até tomar uma decisão final sobre onde instalar uma linha de produção.

Especialistas dizem que é improvável que o mercado indiano seja um tiro no braço imediato para a empresa, principalmente devido ao alto preço dos seus carros.

O modelo mais barato da Tesla no momento é o sedã Modelo 3, que é vendido por cerca de US$ 39 mil nos Estados Unidos.

“Carros que custam mais do que $$20 lakh (US$ 23.900) têm apenas 5% de participação de mercado na Índia”, disse Soumen Mandal, analista sênior da empresa de pesquisa de mercado Counterpoint, à AFP.

Ele acrescentou, no entanto, que a Tesla estaria procurando se posicionar para um ponto de inflexão que veria uma maior demanda à medida que a renda disponível aumentasse e os custos de produção de veículos elétricos caíssem.

A Counterpoint projeta que a percentagem de veículos elétricos em todas as vendas de automóveis saltará de 2% no ano passado para quase 30% em 2030.

– Postando batalhas –

O atual interesse comercial de Musk na Índia limita-se àquele que ele herdou – a plataforma de mídia social X, antigo Twitter.

Ele continua uma batalha legal que antecede a sua propriedade para contestar as ordens de remoção que determinam a remoção de tweets e contas críticas ao governo de Modi.

A Índia, que viu um declínio vertiginoso na liberdade de imprensa desde que Modi assumiu o cargo, há uma década, solicita a X remoção de conteúdo mais do que quase qualquer outro país.

O ex-chefe do X, Jack Dorsey, afirmou no ano passado que funcionários do governo ameaçaram fechar a plataforma na Índia, a menos que ela cedesse às suas exigências – uma afirmação que o ministro da tecnologia da informação, Rajeev Chandrasekhar, disse ser uma “mentira descarada”.

Sob seu novo proprietário, X está apelando de um veredicto judicial do ano passado que ordena que a plataforma cumpra os pedidos de remoção do governo.

Mas Musk está otimista quanto às restrições enfrentadas pela empresa na Índia.

“As regras na Índia sobre o que pode aparecer nas redes sociais são bastante rigorosas e não podemos ir além das leis”, disse ele a um jornalista da BBC no ano passado.

“Se tivermos a opção de o nosso povo ir para a prisão ou cumprirmos as leis, cumpriremos as leis.”

Mais uma coisa! Agora estamos nos canais do WhatsApp! Siga-nos lá para nunca perder nenhuma atualização do mundo da tecnologia. ?Para acompanhar o canal HT Tech no WhatsApp, clique aqui para aderir agora!

Patrocinado por Google

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS