HomeJapãoAlta Cúpula do Japão pretende proibir Vladimir Putin de comparecer ao funeral...

Alta Cúpula do Japão pretende proibir Vladimir Putin de comparecer ao funeral de Estado de Shinzo Abe

A proibição da visita de Putin ao Japão para a última homenagem a Shinzo Abe marca o ranco japonês diante da disputada ilhas de Curilas.

Várias publicações japonesas relataram, citando fontes do governo, que a Alta Cúpula de Tóquio pretende proibir o presidente russo, Vladimir Putin, de comparecer ao funeral de Estado do ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, assassinato por ato terrorista em 8 de julho deste ano. Uma cerimônia fúnebre de estado será realizada em Tóquio em 27 de setembro.

Segundo fontes, a decisão de proibir o presidente russo de cruzar a fronteira japonesa foi tomada em conexão com a condução da Rússia na Guerra na Ucrânia, também conhecida na Rússia de Operação Militar Especial, e sanções pessoais impostas por Tóquio, inclusive contra Vladimir Putin.

O ex-primeiro-ministro japonês foi morto a tiros por uma arma caseira em 8 de julho. Seu funeral ocorreu em 12 de julho, e apenas pessoas próximas a Abe e seus associados participaram da cerimônia.

O próximo “funeral de estado” em setembro é uma tradição estabelecida que é realizada em homenagem a pessoas que tiveram importância nacional. Durante o funeral de Estado, todos aqueles que quiserem prestar homenagem à memória do ex-primeiro-ministro poderão despedir-se de Abe.

Quando era primeiro-ministro, Abe se encontrou repetidamente com Putin, acreditava-se que os líderes dos dois países tinham relações amistosas. Naquela época, as relações entre os dois países eram, ainda que tensas, mas bastante construtivas.

Não está claro por que o governo japonês precisou dessa diligência para proibir o presidente russo de entrar no país. Atualmente, o Japão está incluído na lista de países hostis à Rússia e apoia quase todas as sanções anti-russas do Ocidente.

Todas as negociações anteriores sobre a conclusão de um tratado de paz entre nossos países e as Ilhas Curilas foram encerradas. É duvidoso que em tal situação Vladimir Putin expressasse o desejo de ir a Tóquio.

Ao acompanhar os EUA e a Europa na imposição de duras sanções para punir a Rússia por invadir sua vizinha Ucrânia, o Japão jogou combustível na fogueira entre as duras relações com a Rússia, em relação ao desacordo sobre as quatro pequenas ilhas, a Iturup, Kunashir, Shikotan e Habomai, que compõe o arquipélago das Curilas entre a ilha japonesa de Hokkaido, no extremo sul, e a península russa de Kamchatka, no extremo norte, nas mãos russas desde o final da Segunda Guerra Mundial, impedindo-os de encerrar formalmente as hostilidades.

Em 2018, o presidente Vladimir Putin e o então primeiro-ministro Shinzo Abe concordaram que as negociações deveriam se basear em uma declaração conjunta de 1956 que se refere à transferência de duas das quatro ilhas para o Japão após a conclusão de um tratado de paz.

O então líder japonês Shinzo Abe, cujo falecido pai, o ex-ministro das Relações Exteriores Shintaro Abe, também tentou repetidamente encerrar a disputa, expressou otimismo na época por um acordo, mas a Rússia insistiu que Tóquio primeiro reconheça a soberania russa sobre as ilhas, talvez uma emboscada.

O que parecia ser uma perspectiva escassa de colonização mais tarde se tornou ainda mais remota. O parlamento russo em 2020 apoiou uma postura mais dura sobre quaisquer concessões territoriais, e as mudanças na constituição russa também tornaram ilegal a entrega de qualquer parte da Rússia.

A eclosão da guerra no Leste Europeu transformou as tensões crescentes em antagonismo absoluto, com a Rússia, no final de março, dizendo que interromperia as negociações sobre um acordo de paz devido às sanções que Tóquio impôs contra ela.

Além disso, o presidente anterior, Dmitry Peskov, disse que Putin não iria à cerimônia de despedida do falecido, e a presença de outros representantes oficiais da Rússia dependia das regras do protocolo.

Para saber mais sobre os problemas do arquipélago das Curilas acesse ao vídeo do canal:

Com informações via Redação Área Militar

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!