HomeChinaApesar da pandemia, Pequim continua a perseguir os praticantes do Falun Gong

Apesar da pandemia, Pequim continua a perseguir os praticantes do Falun Gong

Mesmo enquanto tentava conter a pandemia na China, o regime comunista continuou a perseguir adeptos do grupo espiritual Falun Gong, mostra um documento interno que vazou em 2020.

O documento oficial, de um distrito no leste da China, listou uma campanha para suprimir os praticantes do Falun Gong entre as principais realizações nessa área em 2020, juntamente com outras tarefas, como controlar a pandemia e “manter a estabilidade social”.

Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática espiritual que se originou no nordeste da China em 1992, apresentando cinco exercícios lentos e ensinamentos morais baseados nos princípios da veracidade, compaixão e tolerância.

dois policiais chineses prendem uma praticante do Falun Gong na Praça Tiananmen, em Pequim, em 10 de janeiro de 2000. (Chien-Min Chung / AP Photo)

Dados oficiais relataram que 70-100 milhões de adeptos haviam praticado na China em 1999. No entanto, depois que o regime chinês se sentiu ameaçado pela popularidade e independência da prática, ele começou a perseguir o Falun Gong em julho de 1999 e milhões foram detidos em prisões, campos de trabalho e outras instalações, de acordo com o Centro de Informações do Falun Dafa.

Um dos casos marcantes e famosos é o da escritora chinesa Jennifer Zeng, há 20 anos foi liberada do Campo de Concentração Feminino de Pequim após ser torturada por 1 ano por praticar a arte espiritual Falun Gong. Zeng escreveu um livro detalhado sobre o caso chamado “Witnessing History: One woman’s fight for freedom and Falun Gong”.

O Epoch Times obteve recentemente um documento interno, “Resumo do Trabalho para 2020 e Plano de Trabalho para 2021 do CAPL distrital”, emitido pela Comissão de Assuntos Políticos e Jurídicos do distrito de Wuzhong (CAPL) do Partido Comunista Chinês (PCC) em novembro de 2020.

Wuzhong é um distrito localizado na cidade de Suzhou, na província de Jiangsu, uma província costeira do centro-leste da China. O PLAC, uma agência comunista que supervisiona a polícia, tribunais e prisões do país, tem filiais em cada província, cidade e município.

Em seu resumo de trabalho para 2020, o CAPL distrital disse que havia lançado uma campanha de 100 dias para reprimir ainda mais o Falun Gong e seus adeptos, realizando a chamada “transformação educacional”.

“Transformação”, um nome dado pelo PCCh, significa forçar os praticantes do Falun Gong a denunciar a crença por meio de assédio, lavagem cerebral e tortura. Milhares foram confirmados como tendo sido brutalmente perseguidos até a morte.

NTD e The Epoch Times, via Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!