HomeAlemanhaApós comentários pró-Rússia e anti-China o Vice-Almirante Schönbach deixa cargo de chefe...

Após comentários pró-Rússia e anti-China o Vice-Almirante Schönbach deixa cargo de chefe da Marinha Alemã

Após uma controvérsia diplomática sem precedentes na Alemanha, o vice-almirante-chefe da Marinha alemã, Kay-Achim Schönbach, pediu demissão na noite de sábado por causa de seus comentários em Nova Délhi de que “a Ucrânia nunca poderá recuperar a Crimeia e o presidente russo, Vladimir Putin, merecia respeito.”

O esclarecimento do vice-almirante, dizendo que seus comentários eram sua ‘visão pessoal’ e não do Ministério da Defesa alemão, e expressá-los foi um ‘erro’, não parece muito convicente, pois é de conhecinmento extraoficial dos bastidores militares da OTAN que grande parte do oficialato dos países da aliança é contra uma guerra com a Rússia por diversos motivos que vão desde a evidente má condução das políticas diplomáticas do ocidente dominadas pelo globalismo progressita e pelas ingerências que acontecem a muito tempo na OTAN por parte dos políticos europeus em suas disputas entre governos de orientação socialista e progressista.

Outra informação extraoficial de fontes militares anônimas ligadas à OTAN e as forças armadas alemãs que mantém contato autorizado com a comunidade de especialistas geopolíticos é que na realidade, o Contra-Almirante foi “pressionado a pedir sua demissão para evitar enfrentar um “desligamento à bem da diciplina” (expulsão)”, e assim poupar ambas as partes de mais desgastes e polêmicas.

“Pedi à ministra da Defesa, Christine Lambrecht, para me dispensar de minhas funções com efeito imediato,” disse o vice-almirante Schoenbach em comunicado oficial. “O ministro aceitou meu pedido”, declarou o Contra-Almirante.

O vice-almirante Schoenbach também se desculpou publicamente por seus comentários, a agência de notícias disse: “Meus comentários precipitados na Índia… forças armadas e, em particular, a República Federal da Alemanha”.

O Ministério da Defesa alemão em Berlim se distanciou de seus comentários afirmando que a declaração do chefe da Marinha “de forma alguma correspondia à posição do governo alemão em termos de conteúdo e escolha de palavras”. Ele também teve a oportunidade de fazer uma declaração ao inspetor-geral das forças armadas alemãs, segundo o jornal alemão Bild.

Schonbach, que estava visitando a Índia junto com o navio de guerra alemão ‘Bayern’, disse que a Alemanha estava enviando navios de guerra para a região do Indo-Pacífico porque apoia uma ordem internacional baseada em regras.

Proferindo uma palestra sobre ‘Estratégia Indo-Pacífica da Alemanha’ no Instituto Manohar Parrikar de Estudos e Análises de Defesa em Nova Délhi, ele disse, a Rússia planejava “dividir” a Europa planejando invadir a Ucrânia.

“A Rússia está realmente interessada em ter uma pequena faixa de solo ucraniano e se integrar a esse país? Não. Isso é um absurdo. Acho que Putin provavelmente está pressionando isso porque ele pode fazer isso e sabe que isso divide a União Europeia. Mas (o que) ele realmente quer é respeito”, disse ele.

“Dar algum respeito é de baixo custo, até mesmo nenhum custo”, disse ele, sublinhando que Putin não apenas “exige, mas provavelmente também merece” respeito. “A Rússia em um país antigo. A Rússia é um país importante. Até nós (Índia e Alemanha) precisamos da Rússia. Porque precisamos da Rússia contra a China”, acrescentou.

Ele disse que: “embora seja católico romano e crente no cristianismo e Putin seja ateu e a Rússia não seja uma democracia, “é fácil” respeitar a Rússia como um parceiro bilateral, mantê-la “longe da China porque a China precisa recursos da Rússia”.

Levantando a questão nas redes sociais, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que a Ucrânia é grata à Alemanha pelo apoio que já forneceu desde 2014, bem como pelos esforços diplomáticos para resolver o conflito armado russo-ucraniano. “Mas as declarações atuais da Alemanha são decepcionantes e vão contra esse apoio e esforço”, disse ele no Twitter.

Os comentários do vice-almirante Schoenbach vieram em um momento em que o novo chanceler alemão Olaf Scholz está tentando desempenhar um papel crítico na redução das tensões sobre o acúmulo russo ao longo da fronteira com a Ucrânia e a decisão dos EUA e de alguns membros da OTAN de reforçar armas e fornecimento de munição para o exército ucraniano para combater qualquer possível invasão russa.

Explodindo projetos chineses no Indo-Pacífico

“A China não é aquele país legal que pensávamos. A Alemanha, desde 1945, (e) especialmente desde a sua unificação, acreditou (como os chineses) no senso de harmonia”, disse. Ele acrescentou que a política de Segurança e Crescimento para Todos na Região (SAGAR) da Índia é muito semelhante à da China, mas Pequim tem uma “agenda oculta”.

Enumerando as intenções e experiências da Alemanha adquiridas na região do Indo-Pacífico, ele disse que Berlim está ciente de que “a China construiu ilhas artificiais no Mar da China Meridional … e, portanto, até mesmo Berlim é agora obrigada a enviar “navios de guerra para o Indo-Pacífico como um compromisso de engajamento em apoio à ordem internacional baseada em regras e à liberdade de navegação”.

Ele disse que a Alemanha e a Índia devem explorar caminhos para fortalecer a cooperação naval e aumentar o engajamento estratégico, e ressaltou que o comportamento assertivo da China pressionou a ordem internacional.

‘China ajudando ditadores, assassinos e criminosos’

Ele também disse que enquanto as democracias desta região estão se unindo contra a China, “administrar uma democracia não é fácil… mas corações do povo, para que nos sigam”.

No entanto, disse ele, a China está conquistando a confiança das pessoas hoje com a Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), e é capaz de fazê-lo em países mais pobres, mesmo que estejam endividados.

“Então, acredito, temos que fazer mais… A China está dando dinheiro a ditadores, assassinos, criminosos, desde que eles dêem os recursos à China”, disse ele. “Quem está trabalhando na infraestrutura? trabalhadores chineses. Quem está controlando essas infraestruturas? Chinês. Quem está instalando câmeras de CFTV para sociedades controladoras? É a China.

  • Com informações AFP, France Inter, Eurasian Times, DW Germany, The Conservative, Voice of Europe, via redação Orbis Defense Europe/Genebra.

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

1 COMMENT

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!