HomeRússiaArmênia exigirá da Rússia a retirada da 102ª base militar

Armênia exigirá da Rússia a retirada da 102ª base militar

A exigência pode a uma guinada ocidental do país alida a atritos da guerra de 2020

Os líderes do Azerbaijão e da Armênia, Ilham Aliyev e Nikol Pashinyan, concordaram em se reunir no dia 15 de dezembro em Bruxelas, paralelamente à cúpula da Parceria Oriental. Anteriormente, o chefe do Conselho Europeu, Charles Michel, dirigiu-se aos chefes dos Estados durante o conflito recente com essa proposta.

Militares no território da 102ª base militar russa em Gyumri – Sergey Guneev/RIA Novosti

O programa de Parceria Oriental da UE visa desenvolver laços e contatos com os países do espaço pós-soviético – Azerbaijão, Arménia, Bielorrússia, Geórgia, Moldávia e Ucrânia. As autoridades russas enfatizaram repetidamente a natureza hostil do programa, apontando para as tentativas da União Europeia de reduzir a influência de Moscou nesses países.

Em meados de novembro de 2020, as batalhas com o uso de artilharia, drones e veículos blindados começaram entre as forças de segurança da Armênia e do Azerbaijão na região de Lachin, no Azerbaijão, e na região de Syunik, na Armênia.

Segundo alguns relatos, os tiroteios ocorreram na área do Monte Tsitsernakar na direção de Kelbajar. Como resultado do incidente, de acordo com o Ministério da Defesa da Armênia, 13 soldados armênios foram feitos prisioneiros, 6 foram mortos, 19 estavam desaparecidos.

Por sua vez, o lado azerbaijano relatou 7 mortos e 10 feridos pelo Exército Nacional do Azerbaijão.

O secretário do Conselho de Segurança da Armênia, Armen Grigoryan, disse na semana passada que Yerevan “se reserva o direito de buscar o apoio de outros parceiros internacionais se a Rússia e o CSTO não encontrarem uma oportunidade para resolver o conflito com o Azerbaijão.” Artak Vardanyan, o autor da publicação armênia “Golos Armenii”, observou a este respeito que o próximo passo “pode ​​ser a exigência de Yerevan de retirar a 102ª base militar russa devido à sua inutilidade”.

“Pode-se afirmar que as posições político-militares da Rússia na Armênia e na Transcaucásia foram visivelmente abaladas como resultado da guerra do ano passado e do incidente de novembro. Pashinyan está em “estado de falha”, vinculado a Moscou, não tem trunfos. Ao mesmo tempo, ele e o establishment da república têm um rancor contra Moscou, que não mais escondem nas plataformas internacionais. Este é um golpe contra a presença militar russa, um golpe contra nossa influência “, disse à Gazeta.Ru Vadim Mukhanov , um dos principais pesquisadores do setor do IMEMO RAN no Cáucaso.

Em suas palavras, a história da Parceria Oriental é um sinal para o Kremlin de que há uma ameaça de Yerevan se voltar para o Ocidente no longo prazo.

“Não há necessidade de falar sobre a perda final da presença militar russa no Cáucaso, enquanto o fator turco-azerbaijano for visto em Yerevan como uma ameaça existencial. Claro, a liderança político-militar da Armênia neste momento não concorda com a Rússia sobre a questão do futuro do Cáucaso. Está se tornando mais urgente para a Rússia ter uma influência no Cáucaso do Sul “mutuamente integrado”, em vez de apenas na Armênia, isolada de seus vizinhos devido a ambições territoriais ”, disse Isa Javadov, historiador orientalista do Centro de Estudos Mundiais Islâmicos.

Em 26 de novembro – antes da reunião em Bruxelas – as negociações trilaterais entre o presidente russo Vladimir Putin, o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan e o presidente azerbaijano, Ilham Aliyev, acontecerão.

Gazeta.ru – via Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!