Boxeador ucraniano sacrificou sonhos olímpicos para lutar contra a invasão da Rússia

Maksym Halinichev conquistou a prata nas Olimpíadas da Juventude em Buenos Aires, em uma partida descrita na época como “dois dos melhores jovens lutadores em busca da glória”. Ele considerou a luta uma derrota – afinal, não foi o ouro – mas lhe deu um mapa para o futuro.

Então Halinichev fez planos: ele derrotaria aquele boxeador na próxima vez. Ele ensinaria à filha os fundamentos do esporte para que ela pudesse se defender. E ganharia uma medalha para a Ucrânia nas Olimpíadas de Paris.

Halinchev descreveu essas ambições como atleta numa entrevista para o site da Federação Ucraniana de Boxe em dezembro de 2021, quando as tropas russas já estavam concentradas nas fronteiras da Ucrânia.

Questionado se tinha medo antes de uma briga, ele descreveu seu pensamento.

“O medo pode influenciar as pessoas de várias maneiras. Algumas pessoas ficam paralisadas por isso. Alguns reagem tornando-se mais liberados”, disse ele então. “Se você puder controlar a si mesmo e ao seu corpo e se definir o caminho certo, o medo diminuirá.”

Ele não conseguirá provar essa filosofia no ringue olímpico de Paris.

Halinichev alistou-se como soldado e foi morto no front em março de 2023, aos 22 anos, um dos mais de 400 atletas mortos desde o início da guerra. Seu corpo ainda não foi recuperado.

Como uma das perspectivas mais promissoras do boxe da Ucrânia, Halinichev poderia ter sido protegido da guerra. A Ucrânia enviou muitos dos seus candidatos olímpicos para treinar no estrangeiro antes dos Jogos Olímpicos de Verão. Mas nem todos querem ser salvos. Alguns optam por defender a honra do seu país no campo de batalha em vez da arena desportiva.

A atitude de Halinichev face ao medo permaneceu intacta após a invasão russa em grande escala, mas as suas prioridades mudaram.

Aconteceu durante uma viagem em abril de 2022 de sua região natal, Sumy, a Kiev, onde ele planejava treinar para o próximo campeonato europeu. A Rússia tinha acabado de se retirar da região e, ao longo da estrada, viu cidades e aldeias destruídas pelas tropas russas durante a sua breve ocupação, disse o seu treinador, Bohdan Dmytrenko.

“Eu tenho um filho pequeno. Não quero que ela viva ocupada entre o agressor, entre os russos”, disse Halinichev a outro de seus treinadores, Volodymyr Vinnikov.

“Eu disse: ‘Maksym, por favor, me escute, você ainda é um representante do boxe ucraniano, você também defende a honra da Ucrânia. A bandeira, o hino – também é muito importante’”, contou Vinnikov.

“Você não vai me convencer. Eu tomei essa decisão. Vou aprender a atirar”, disse-lhe Halinichev.

O boxe ainda era importante para ele, mas ele queria mais, disse sua companheira de vida, Polina Ihrak. Sumy, uma região fronteiriça, ainda estava sob ataque, apesar da retirada russa. Kherson, onde treinou, estava sob ocupação russa e relatos sobre o sofrimento dos ucranianos estavam chegando.

“Ele não conseguia entender como seus amigos, treinadores que estavam em Kherson, ficaram sem condições de viver, muito menos de treinar, e ele iria para algum lugar na Europa”, disse Ihrak. “Ele não podia se permitir fazer isso. Isso importava para ele.

Em maio de 2022, aos 21 anos, Halinichev juntou-se às tropas de assalto aerotransportadas, segundo a Federação de Boxe da Ucrânia. Ele foi ferido antes do final do ano, perto de Bakhmut, com um ferimento no pé e estilhaços cravados tão profundamente na perna que os médicos não conseguiram removê-lo.

Durante a recuperação, Halinichev passou algum tempo com seu treinador, mas evitou discutir o que viu na guerra. Todos esperavam que ele abandonasse o exército, mas Halinichev voltou ao campo de batalha com os ferimentos não curados.

“Ele acreditava que tinha que voltar para seus irmãos de armas porque era necessário”, disse Ihrak, a mãe de sua filha, Vasilisa.

Halinichev e Ihrak conversaram pela última vez por videochamada em 9 de março de 2023. Os dias sem contato tornaram-se semanas. Ela tentou ligar para Halinichev e seu comandante. Nenhum dos dois respondeu.

Ela começou a percorrer os canais russos do Telegram, procurando o rosto dele entre as fotos dos mortos e feridos no campo de batalha. Uma foto se destacou, de um corpo na floresta.

“A mãe dele o reconheceu imediatamente, mas eu não, porque acho que me recusei a reconhecê-lo”, disse Ihrak. Ele foi morto em 10 de março de 2023, em Luhansk, uma região agora quase inteiramente sob controle russo.

Em uma recente comemoração em homenagem ao pai na academia onde ele treinava, Vasilisa, de 4 anos, saltava alegremente pelo ringue de boxe, usando luvas enormes que diminuíam suas mãos pequenas.

Não será seu pai quem a ensinará a lutar, mas Ihrak não poderia imaginar que Halinichev faria algo diferente.

“As pessoas vão lá (para a frente) não para se arrepender, mas para mudar alguma coisa”, disse Ihrak. “Ele voltou sem dúvida.”

Entre outros que morreram lutando pela Ucrânia: os atiradores Ivan Bidnyak, que ganhou a prata no Campeonato Europeu, e Yehor Kihitov, membro da seleção ucraniana; Stanislav Hulenkov, um judoca de 22 anos cujo corpo foi identificado 10 meses depois de ter sido morto; e o levantador de peso Oleksandr Pielieshenko, que representou a Ucrânia nas Olimpíadas do Rio em 2016. Um ataque com mísseis russos no Dnipro matou a treinadora de acrobacias Anastasia Ihnatenko, seu marido e seu filho de 18 meses.

Vinnikov, que treinou Halinichev em 2017, não tem dúvidas de que o jovem estaria representando seu país nos Jogos de Paris, que começam em 26 de julho, se a invasão não tivesse atrapalhado seus planos.

“Ele teria ganho uma medalha para o seu país”, disse o treinador enfaticamente.

Ele tinha um enorme potencial: medalha de ouro no Campeonato Europeu Juvenil de 2017, medalha de prata nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018, medalha de prata no Campeonato Europeu Sub-22 de 2021.

No seu apartamento vazio na cidade de Shostka, os seus pais encheram uma sala com provas do que ele já tinha conquistado: troféus e medalhas de 2010 a 2021, cuidadosamente arrumados numa prateleira.

Sua fotografia fica no canto junto com uma vela, fotos de sua infância, um ícone religioso e flores. Suas luvas de boxe estão próximas.

Mas os pais de Halinichev não moram mais lá. Desde a guerra, eles refizeram as suas vidas na República Checa. Ihrak está pensando em se mudar para a Alemanha.

Dmytrenko, seu treinador, mantém as fotos de Halinichev bem organizadas em pastas e ainda mantém o arquivo das mensagens trocadas. Ele se lembrou de um momento pouco antes da guerra em que elogiava as conquistas de Halinichev.

Halinichev respondeu simplesmente: “Tudo ainda está por vir”.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading