HomeÁfricaBurkina Faso: Grupos islâmicos visam civis em "ciclo de vinganças"

Burkina Faso: Grupos islâmicos visam civis em “ciclo de vinganças”

Pelo menos 160 civis, incluindo combatentes antiterrorismo voluntários, foram mortos no norte de Burkina Faso na última sexta-feira no ataque islâmico mais mortal no país desde 2015, mergulhando o país mais uma vez no luto

Burkina Faso está pagando um alto preço por seu papel na guerra contra o jihadismo. Ataques gêmeos na volátil região norte do país da África Ocidental na sexta-feira, lançados no espaço de algumas horas, mataram pelo menos 160 pessoas, incluindo cerca de 120 crianças.

O governo declarou três dias de luto nacional após o ataque islâmico mais mortal desde o início da insurgência em 2015.

O maior massacre ocorreu em Solhan, capital da região com o mesmo nome, perto da fronteira com o Mali e o Níger, na chamada zona das “três fronteiras”. A cidade é conhecida como uma encruzilhada para milhares de prospectivos mineradores de ouro.

Os agressores entraram na cidade em cerca de 20 motocicletas por volta das 2h da manhã de sábado. A princípio, visaram um posto avançado dos Voluntários para a Defesa da Pátria (VDP), forças auxiliares das Forças Armadas na luta contra o terrorismo.

Em seguida, os terroristas se dirigiram para as casas onde massacraram civis indiscriminadamente.

As vítimas eram em sua maioria jovens, com idades entre 8 meses e 45 anos, de acordo com fontes de segurança citadas pela estação irmã do FRANCE 24, Radio France Internationale (RFI).

Os agressores também saquearam, incendiaram lojas e incendiaram veículos antes de fugir.

Ninguém ainda assumiu a responsabilidade pelo ataque.

No entanto, dois grupos principais que operam na área foram identificados como possíveis instigadores: um afiliado local da Al Qaeda e o grupo do Estado Islâmico no Grande Saara (EIGS).

Grupos locais como o Ansarul Islam, movimento fundado no final de 2016 pelo imã radical Ibrahim Malam Dicko, cuja maior parte das tropas se juntou ao EIGS, também operam na área.

Esforços de socorro atrasados

As forças armadas teriam chegado uma a duas horas após a partida dos jihadistas. “As unidades militares estão supostamente a cerca de 20 km de distância, mas os agressores conseguiram realizar sua matança sem serem interceptados”, disse o jornalista Vincent Hugeux em uma entrevista à FRANCE 24.

Na verdade, as forças armadas estão estacionadas em Sebba, localizada a cerca de 10 km de Solhan, na mesma província de Yagha. Mas a região possui poucos pontos de passagem seguros.

“O acesso a Solhan é difícil, não há estrada”, disse Mahamoudou Savadogo, especialista em questões de segurança de Burkinabe, à FRANÇA 24. “É essencialmente uma pista. Você também deve ter muito cuidado com as minas que os terroristas colocam na rota, que também é usado pelas forças de segurança.”

Três civis morreram após o ataque quando a carroça que os transportava atingiu uma mina improvisada na estrada Solhan-Sebba, segundo um político local entrevistado pela AFP.

“O exército burquinense não está suficientemente equipado”, disse Tanguy Quidelleur, pesquisador de política e ciências sociais do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS) em Paris.

“Além disso, intervir à noite é extremamente perigoso. Mesmo durante o dia, eles hesitam em patrulhar certas áreas e preferem se proteger.”

O ataque ocorre apenas algumas semanas após uma visita à região do ministro da Defesa de Burkinabe, Chérif Sy, cuja visita visava mostrar o retorno da autoridade governamental após meses de invasão jihadista.

“Foi na hora errada”, disse Hugeux. “O ministro da Defesa havia visitado o destacamento de Sebba naquela ocasião e imprudentemente declarado o retorno à normalidade.”

Savadogo, que conduz pesquisas sobre grupos extremistas, disse acreditar que os ataques foram uma reação às reivindicações do governo de vitória, embora pequena, em sua luta contra os insurgentes e é parte de uma “guerra de comunicação” de ambos os lados.

O derramamento de sangue em Solhan parece ser uma nova etapa na campanha dos insurgentes para desestabilizar o estado de Burkinabe, que já está enfraquecido e incapaz de fornecer segurança para seus habitantes nas áreas rurais.

Civis em perigo

As primeiras vítimas do massacre eram membros do VDP, um grupo formado por voluntários civis que recebem treinamento militar de duas semanas e são destacados para apoiar o contra-ataque.

“Vários grupos de autodefesa díspares surgiram depois que a situação de segurança começou a se deteriorar em 2015”, explicou Quidelleur. “Esses grupos foram institucionalizados em 2020 com a criação do VDP e foram encarregados de apoiar o exército regular em missões de inteligência e operacionais.”

Embora o VDP tenha obtido um sucesso significativo em algumas regiões, muitos analistas dizem que também expôs a população civil a represálias. “Desde fevereiro, os jihadistas têm travado uma guerra aberta contra o VDP”, disse Savadogo.

“Podemos pensar nisso como um ciclo de vendetas. Em Solhan, o posto do VDP foi atacado e, em seguida, civis massacrados porque foram considerados cúmplices”, acrescentou Quidelleur. “Alguns VDPs podem ter sido culpados de atos contra as populações acusadas de colaborar ou ter laços familiares com jihadistas”.

-France24, via Redação Área Militar

Patrocinado por Google

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR 

CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!