Ciência e Tecnologia – Uma ilha tropical de 45 milhões de anos foi encontrada no oceano: por que não se sabia antes (foto)

Os pesquisadores acreditam ter descoberto uma próspera ilha tropical na costa do Brasil que estava submersa há cerca de 45 milhões de anos.

Em 2018, uma equipe de cientistas brasileiros e britânicos examinou o fundo do mar em torno de um planalto vulcânico conhecido como Rio Grande Rise. Então os cientistas descobriram algo que parecia incrivelmente estranho – as pedras no fundo do mar pareciam pertencer à terra, escreve Ciência Viva.

Durante o estudo, os cientistas usaram um veículo subaquático operado remotamente para mergulhar cerca de 650 metros abaixo da superfície do oceano. Então a atenção dos cientistas foi atraída por camadas incomuns de argila vermelha. De acordo com o coautor do estudo, Bramley Merton, geólogo marinho do Centro Nacional de Oceanografia em Southampton, ele e seus colegas descobriram que esses sedimentos marinhos na verdade pareciam solos tropicais.

Em foco. Surgiram tecnologias Canal de telegrama. Inscreva-se para não perder as últimas e emocionantes notícias do mundo da ciência!

No estudo recente, a equipe deu continuidade ao trabalho anterior e se concentrou no estudo da composição mineral característica da argila, que só poderia ter se formado por meio do intemperismo externo em calor e umidade tropicais. Os cientistas acreditam agora que este trecho do oceano, localizado a 1.200 km da costa do Brasil, já foi uma ilha.

Tela cheia

Argila vermelha, sugerindo que a área já existiu como uma ilha, projeta-se sob a lava basáltica negra.

Foto de : Luigi Jovane

Merton e os seus colegas continuaram o seu trabalho e chegaram à conclusão de que a antiga ilha era semelhante em tamanho à Islândia. Acredita-se que a história da Ascensão do Rio Grande tenha começado há cerca de 80 milhões de anos, quando uma enorme pluma de manto estava sob a dorsal meso-oceânica do Atlântico Sul. Isso levou a um surto de vulcanismo intenso, que resultou na ascensão. Com o tempo, à medida que a atividade vulcânica diminuiu, o planalto moveu-se para oeste através do Atlântico e ficou submerso.

No entanto, há cerca de 40 milhões de anos, a pluma do manto sofreu uma nova e última explosão de vulcanismo, isolada da parte ocidental da elevação. Mais tarde, foi nesta área que os cientistas descobriram argilas vermelhas imprensadas entre lavas – os resultados mostram que a sua idade é de cerca de 45 milhões de anos.

oceano da ilha do brasil

Tela cheia

Este mapa batimétrico mostra características do fundo do mar ao longo da margem continental meridional do Brasil, incluindo a Elevação do Rio Grande

Foto de : Ana Alberoni

O coautor do estudo, Luigi Giovane, geólogo marinho da Universidade de São Paulo, disse que os resultados do estudo foram “excelentes”. Na verdade, as argilas vermelhas fornecem fortes evidências de que o local já foi uma ilha.

Observe que esta pesquisa foi o culminar de um trabalho iniciado em 2018. Logo nos primeiros mergulhos, os cientistas descobriram um cânion íngreme de 30 quilômetros de extensão, dividindo a subida ao meio, além de antigos terraços, plataformas submersas e cachoeiras. Mais tarde, a equipe retornou ao local para continuar a exploração e fez uma descoberta surpreendente: na costa do Brasil havia realmente uma ilha tropical exuberante que já havia sido visível na superfície do oceano.

A análise dos cientistas mostrou que as argilas vermelhas encontradas na ilha são química e mineralogicamente iguais à terra vermelha ou terra roxa que os pesquisadores encontram em todo o Brasil. E esta é uma forte evidência de suas conclusões.

Anteriormente Foco escreveu que um futuro brilhante estava previsto para a nova ilha no Oceano Pacífico.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading