Cimeira da Paz apela ao diálogo com a Rússia e apoia a “integridade territorial” da Ucrânia

Dezenas de países reunidos para uma cimeira internacional histórica sobre a paz na Ucrânia concordaram no domingo que Kiev deveria iniciar um diálogo com Moscovo sobre o fim da guerra, ao mesmo tempo que apoiavam fortemente a independência e a integridade territorial da Ucrânia.

Mais de dois anos depois de a Rússia ter lançado a sua invasão em grande escala, líderes e altos funcionários de mais de 90 países passaram o fim de semana num resort nas montanhas suíças para uma cimeira de dois dias dedicada a pôr fim à guerra.

“Acreditamos que alcançar a paz requer o envolvimento e o diálogo entre todas as partes”, dizia um comunicado final, que foi apoiado pela grande maioria dos países que participaram na cimeira no complexo de Burgenstock, com vista para o Lago Lucerna.

O documento reafirmou o compromisso com a “integridade territorial de todos os Estados, incluindo a Ucrânia”, ao mesmo tempo que apelava à troca plena de prisioneiros de guerra e ao regresso das crianças deportadas.

Mas nem todos os participantes apoiaram o documento, estando a Índia, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos entre os que não foram incluídos numa lista de Estados apoiantes exibida nos ecrãs da cimeira.

No dia anterior, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que esperava angariar apoio internacional para uma proposta para acabar com a guerra que pudesse eventualmente apresentar a Moscovo.

Kremlin reitera apelo de Putin

A parte da cimeira de domingo centrou-se na segurança alimentar, em evitar um desastre nuclear e no regresso das crianças deportadas da Rússia, enquanto os países delineavam os blocos de construção para acabar com a guerra.

A cimeira, desprezada pela Rússia e pela sua aliada China, ocorre num momento em que os militares ucranianos enfrentam uma pressão crescente no campo de batalha, com a Rússia a lançar no mês passado uma nova ofensiva terrestre contra a região nordeste de Kharkiv.

Na sexta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, exigiu a rendição efetiva de Kiev como base para negociações de paz.

O apelo de Putin à retirada da Ucrânia do sul e do leste do país foi amplamente rejeitado na cimeira.

Mas o Kremlin insistiu no domingo que a Ucrânia deveria “refletir” sobre as exigências de Putin, citando a situação militar no terreno.

“A actual dinâmica da situação na frente mostra-nos claramente que continua a piorar para os ucranianos”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

“É provável que um político que coloca os interesses do seu país acima dos seus e dos seus amos reflita sobre tal proposta.”

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading