HomeÚLTIMASCom final da narrativa pandêmica, invasão da Rússia é o tema das...

Com final da narrativa pandêmica, invasão da Rússia é o tema das grandes mídias

“Se eu fosse o autor de um crime que poderia acabar em tribunais penais internacionais por, sei lá… Por exemplo; ter inoculado algo indevido nas pessoas, me seria uma grande vantagem colocar o mundo em caos por um motivo inusitado, como… Um conflito iniciado no Leste Europeu.” (reflexão via Casando o Verbo)

Durante a semana passada, o mundo viu como a narrativa da mídia tradicional COVID-19, agora com dois anos de duração, entrou em colapso quase instantaneamente.

Em um momento que não pode ser descrito como nada menos que suspeito, na mesma semana em que o Fórum Econômico Mundial realizou seu evento virtual da Agenda de Davos , Irlanda e Grã-Bretanha anunciaram o fim repentino e imediato de praticamente todas as medidas de Covid e a Organização Mundial da Saúde pediu a fim das restrições de viagens relacionadas com o Covid, com a organização a afirmar também que o fim da ‘Pandemia’ pode estar à vista, em forte contraste com um anúncio recente de que tal previsão era prematura.

Com o tema da cúpula anual do Fórum Econômico Mundial de 2022, prevista para maio e a primeira reunião presencial do fórum desde 2019, sendo ‘Trabalhando Juntos, Restaurando a Confiança’, os otimistas entre nós podem dizer que houve uma aceitação entre a elite global de que a crescente conscientização em todo o mundo sobre a apropriação do poder corporativo sobre a vida pública que os últimos dois anos implicou, bem como a marcha constante em direção a um sistema de identificação digital, conforme previsto no conceito de Klaus Schwab da quarta revolução industrial através do uso de passaportes de vacinas, tornou-se tão difundido que não é mais viável continuar a atual narrativa da mídia COVID-19.

No entanto, a queda repentina do COVID-19 pela mídia corporativa também apresenta o momento oportuno para mudar imediatamente seu foco para outra coisa – um ataque de bandeira falsa possivelmente iminente na Ucrânia, usado como pretexto para o governo de Kiev, apoiado pelo Ocidente, lançar um ataque às repúblicas pró-Rússia separatistas de Donetsk e Luhansk, no leste do país, desencadeando assim um conflito armado entre a Ucrânia e Moscou, que tem forte possibilidade de ramificações em todo o mundo.

Desde o final de novembro, a mídia ocidental, em sincronia, promoveu a narrativa de que a Rússia está planejando uma invasão militar ‘iminente’ de seu vizinho ocidental menor – com Kiev sob controle dos governos apoiados pelos EUA e pela UE de Petro Poroshenko e Volodymyr Zelensky desde a revolução de cores Euromaidan orquestrada pela CIA em 2014 e pelo MI6 foi lançada em resposta ao então presidente Viktor Yanukovych em novembro de 2013 para suspender um acordo comercial da UE em favor da busca de laços mais estreitos com Moscou.

Apesar da única ‘evidência’ oferecida até agora nos últimos dois meses de tal incursão ser o movimento legítimo de tropas russas dentro das próprias fronteiras da Rússia, a mídia ocidental influenciada pelos neoconservadores ainda promete com determinação que uma invasão russa da Ucrânia é apenas uma questão de dias de acontecer – de uma maneira não muito diferente de suas afirmações anteriores de que Saddam Hussein tinha a capacidade de lançar armas de destruição em massa em 45 minutos no período que antecedeu a invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003.

As alegações de uma invasão russa da Ucrânia também ocorrem em um momento de tensões mais amplas na Europa Oriental com o presidente russo Vladimir Putin, ao lado de seu colega bielorrusso e único aliado europeu Alexander Lukashenko, sendo acusado de tentar desestabilizar a União Europeia por meio de um aumento de migrantes africanos e do Oriente Médio na fronteira Bielorrússia-Polônia – o fato de que muitos desses migrantes estão fugindo das guerras e revoluções coloridas impostas em ambas as regiões pela hegemonia EUA-OTAN sendo convenientemente ignorado pela mídia ocidental.

Se um ataque de bandeira falsa fosse lançado em breve para desencadear um conflito entre Moscou e Kiev, no entanto, seria uma tática com uso anterior recente pelo lobby da mudança de regime que, como uma guerra teórica entre a Rússia e a Ucrânia, também quase resultou em um confronto armado mais amplo entre Moscou e a OTAN – Em 2017 e 2018, dois ataques químicos foram lançados contra a cidade síria e Khan Shaykhun e a cidade de Douma, respectivamente, ambos os ataques sendo atribuídos pelo Ocidente ao governo aliado de Moscou de Bashar al-Assad e ambos resultaram no lançamento de mísseis de cruzeiro e ataques aéreos dos EUA contra alvos do governo sírio – apenas parando antes de uma intervenção militar em grande escala.

De fato, o uso de uma provocação com armas químicas foi descrito como tal pelo ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, apenas no mês passado – um ataque de bandeira falsa que a grande mídia ocidental, com sua repentina queda da narrativa do COVID-19, pode em breve estar concentrando sua atenção no lugar da crise santària.

Por Gavin O’Reilly para o Southfront.org em 24/01/2022.

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!