HomeCiência e TecnologiaComandante do SOUTHCOM não recomenda uso do Whatsapp para comunicações operacionais

Comandante do SOUTHCOM não recomenda uso do Whatsapp para comunicações operacionais

Por que os parceiros latino-americanos precisam de uma maneira melhor de compartilhar informações do que o WhatsApp?

O assunto sobre as vulnerabilidades do Whatsapp não é novo e vem desde meados de 2018 diversas denúncias de especialistas confirmaram as grandes falhas de segurança  do aplicativo que é ligado a redes sociais de qualidade duvidosa, e que também infelizmente ainda é usado por pessoas e entidades privadas e governamentais para suas comunicações interpessoais de base.

Na Europa o exemplo mais evidente foi o escândalo do “caso Pégasus”, que colocou em xeque até mesmo redes mais aperfeiçadas utilizadas pelo governo francês e alemão, expondo informações que comprometaram a imagem de mais de 50 mil personalidades políticas, assim como assuntos sigilosos restritos aos meios militares e policiais que foram de grande interesse do terrorismo islâmico e crime organizado…

Vários parceiros dos EUA na América Latina caçam narcoterroristas, o crime organizado, e, combatem a influência do governo russo e chinês compartilham seus dados confidenciais se comunicando por meio do aplicativo de mensagens WhatsApp .

O principal general de operações especiais dos EUA quer mudar isso

Existem ferramentas de comunicação segura, análise de dados e software em uso generalizado em muitas partes do globo para combater o terrorismo e rastrear adversários do ocidente com parceiros regionais. Mas essas ferramentas caras não são uma opção para países carentes de dinheiro na América Central e do Sul , disse o contra-almirante Keith Davids, comandante de Operações Especiais do Comando Sul dos EUA.

Davids teve um público focado de alguns milhares de fornecedores de tais ferramentas quando compartilhou essa informação enquanto falava aqui em um painel na quarta-feira na Conferência da Indústria das Forças de Operações Especiais realizada pela Associação Industrial de Defesa Nacional.

O contra-almirante Keith Davids observou que 60% a 70% da interdição de drogas na região é feita por parceiros. Mas eles são capazes de fazer isso por causa do compartilhamento de inteligência que os Estados Unidos podem fornecer.

No entanto, o contra-almirante Keith Davids disse que os meios como todos estão transmitindo isso cria vulnerabilidades e o comandante de Operações Especiais do Comando Sul dos EUA está procurando a ferramenta certa na indústria.

“Muitas informações são compartilhadas entre nossos parceiros e até policiais no WhatsApp”, disse ele. “Provavelmente não onde queremos estar no século 21. Qualquer coisa que seja acessível e segura o suficiente que me permita pegar o telefone e ligar para meus companheiros de equipe, meus parceiros estrangeiros e compartilhar nossas preocupações de segurança pode habilitá-los enormemente”, disse ele.

O problema do dinheiro não melhorou. Davids disse que os impactos econômicos da pandemia do vírus chinês atingiram muitos países sul-americanos de forma desproporcional e levará anos para se recuperar.

Ao mesmo tempo, agentes da República Popular da China na região estão intermediando acordos para acesso à navegação, acesso à pesca e petróleo e minerais.

E eles estão oferecendo tecnologia com um grande desconto subsidiado, disse Davids, acrescentando que ele ou outros funcionários precisam dizer aos países sul-americanos que eles podem não ser capazes de compartilhar informações tão prontamente se estiverem em uma rede do governo chinês.

“Imediatamente me perguntam: ‘Qual é a sua alternativa?’”, disse Davids. Isso porque, como seus parceiros lhe dizem, “um homem se afogando vai pegar um colete salva-vidas de qualquer um”.

As forças precisam de ferramentas para um quadro operacional comum, especialmente para espaços não governados, como linhas costeiras, rios ou fronteiras.

Davids chamou os operadores especiais e outras forças norte-americanas, especialmente aqueles que trabalham com assuntos civis e operações psicológicas na região, de “olheiros” para outras entidades norte-americanas, como o Departamento de Estado dos EUA, permitindo que eles entendessem melhor o que está acontecendo na região.

A partir de 2019, o Comando Sul dos EUA começou a revigorar os exercícios militares com parceiros latino-americanos.

Em 2018, o então chefe da Marinha do SOUTHCOM, o almirante Kurt W. Tidd, apresentou cinco desafios principais , incluindo os esforços iranianos para penetrar na região, informou o Military Times.

“O Hezbollah está lá há muito tempo”, disse Tidd na época. Eles usaram “atividades criminosas em larga escala para financiar o terrorismo em outras partes do mundo”.

Tudo isso vem entre as preocupações sobre as potenciais vulnerabilidades das armas de destruição em massa ao longo da fronteira sul dos EUA, o tráfico de drogas em andamento para os Estados Unidos e as crescentes preocupações de segurança da migração em massa. Assim como a influência do governo chinês e russo nesse espaço.

“Esta é uma frente global – o que a RPC está fazendo”, disse Davids. “Eles estão tentando isolar politicamente Taiwan.”

O governo chinês está fazendo isso em parte reduzindo o apoio a Taiwan na América Latina. Atualmente, oito das 14 nações que reconhecem Taiwan como país estão na região.

“O que vemos é que a RPC está tentando mudar isso de forma muito agressiva”, disse Davids.

Eles estão fazendo isso por meio de financiamento de infraestrutura, financiamento da cadeia de suprimentos e consolidando seus interesses em ambos os lados do Canal do Panamá. Esses movimentos ajudam a criar força de votos contra as políticas de Taiwan nas Nações Unidas.

O canal produz seu próprio conjunto de preocupações além da política, disse Davids. Ele chamou o espaço de “ponto de estrangulamento global” para as cadeias de suprimentos.

“Para aqueles de vocês que não estiveram lá e viram a fila interminável de navios porta-contêineres que estão esperando para transitar, e você pensa ‘como no mundo eu vou encontrar uma agulha no palheiro? disse Davis. “Esse é um problema realmente perverso que implora por soluções tecnológicas.”

Melhores ferramentas de análise de dados podem ajudar com isso e mesmo com os problemas de narcotráfico que a região enfrenta há décadas.

A mão de obra é limitada à medida que os Estados Unidos reforçam sua presença no Pacífico, continuam sua missão de contraterrorismo no Oriente Médio e apoiam a Europa durante a recente crise na Ucrânia. E muito do que eles precisam saber está em espaços não governados e não monitorados, incluindo regiões fronteiriças, selvas densas, rios e costas.

Ao estruturar e compartilhar melhor os dados, as forças da região podem saber melhor o que está acontecendo. No momento, isso está nos ombros de pequenas equipes de tropas, como os Boinas Verdes que trabalham na Colômbia para combater grupos rebeldes e traficantes de drogas.

Mas vai além dos operadores que ajudam as tropas a reunir melhor as informações e está ligado à forma como os Estados Unidos enviam mensagens sobre sua intenção e como podem ajudar.

“Os relacionamentos são moldados pela história, então certamente há alguns desafios a serem superados”, disse Davids.

Mas o nativo de Miami, Flórida, observou que os laços culturais compartilhados de governança democrática, regras de direito, relações comerciais e remessas econômicas dos Estados Unidos para o sul unem a região de várias maneiras.

Ao tentar divulgar sua mensagem, Davids disse que tem sido mais eficaz trabalhar com aliados locais confiáveis.

“O que eu encontrei no SOUTHCOM [área de responsabilidade] é se vem dos Estados Unidos e parece uma mensagem contra a RPC, às vezes isso cai em ouvidos surdos”, disse ele. “Então, o que tem sido realmente eficaz é trabalhar com nossos parceiros estrangeiros para fornecer a eles as informações e, em seguida, eles se tornam a voz.”

Embora a China possa ganhar as manchetes, a Rússia tem uma história mais profunda na região e continua reforçando isso, disse ele. Desde seus longos laços com Cuba, que remontam às origens do governo comunista da nação insular, até seu atual apoio ao regime do presidente venezuelano Nicolás Maduro, a Rússia é um grande influenciador estrangeiro na região.

Mas o índice de aprovação da Rússia caiu 9% após a invasão da Ucrânia. Isso dá aos Estados Unidos a oportunidade de fortalecer seus laços e, esperançosamente, influenciar os líderes latino-americanos que se inclinam para a Rússia.

Davids disse que adoraria mostrar aos parceiros vídeos das ações e desempenho da Rússia na Ucrânia agora e fazer algumas perguntas.

“Esse é o parceiro militar de escolha? Como isso está funcionando? Como está o funcionamento do equipamento? Como está a tática?” ele disse. “Eu não gostaria de fazer parceria com essa organização.”

  • Com informações do U.S. SOUTHCOM (Comando de Operações Especiais do Comando Sul dos EUA) e textos parciais de Todd South para o Defense News, via redação Orbis Defense Europe.
Patrocinado por Google

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR 

CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!