HomeAeroespacialComo é feito um teste de Míssil Balístico Interceptor americano?

Como é feito um teste de Míssil Balístico Interceptor americano?

Do lançamento do alvo à interceptação, conduzimos você por um teste de voo de defesa antimísseis

Em 16 de novembro de 2020, um míssil interceptor SM-3 Block IIA é lançado do USS John Finn (DDG-113), um destróier equipado com o Sistema de Mísseis Balísticos Aegis, como parte do Flight Test Aegis Weapon System-44 da Agência de Defesa de Mísseis Americana (DARPA) em pleno Oceano Pacífico.

Lançamento do ICBM do Atol de Kwajalein. Reprodução

Um primeiro míssil a ser lançado estava desempenhando o papel de uma ameaça na função de míssil balístico intercontinental. Do Atol Kwajalein na República das Ilhas Marshall, as autoridades americanas dispararam o míssil inimigo para cima e para fora da atmosfera da Terra.

Flight Test Aegis Weapons System-44 (FTM-44). MDA

Em seguida, veio seu oponente, o míssil interceptor SM-3 Block IIA lançado do convés do USS John Finn (DDG-113), a nordeste do Havaí. Seu trabalho era: encontrar a ameaça balística ICBM e destruí-la durante o voo.

Como esses dois mísseis se encontrariam em um choque explosivo e exoatmosférico é uma história que se estende do Alabama ao Oceano Pacífico, ao espaço, ao Colorado e vice-versa.

A responsável pela condução do teste foi a desenvolvedora do interceptor, a Raytheon Technologies, a empresa americana que participa das inovações em ação em cada etapa dos testes de voo como este, conhecido como Flight Test Aegis Weapon System-44 ou FTM-44.

Segundo a empresa, “aqui, especialistas de toda a Raytheon Technologies, explicam como esses testes funcionam, e como eles ajudam a manter a segurança nacional.

Assim como toda história precisa de um vilão, todo teste de defesa antimísseis precisa de um alvo. Para o FTM-44, o objetivo do teste era mostrar como o interceptor funcionava, mas lançar e rastrear o alvo com segurança era tão importante quanto.

SM-3 Block IIA. Raytheon

Esse é o trabalho da RGNext, uma joint venture entre a General Dynamics Information Technology e a Raytheon Intelligence & Space, uma empresa da Raytheon Technologies. O trabalho da RGNext era operar o sistema de radar de missão que rastreou e relatou a trajetória do alvo e avaliação de voo, incluindo telemetria, rastreamento óptico, coleta de dados e segurança de voo.

Para Sandy Brown, presidente da RGNext, “definitivamente estamos nos bastidores, mas desempenhamos um papel muito importante e crítico na manutenção da arquitetura de comunicações necessária para garantir a segurança do ICBM na função de ameaça em todos os momentos”. Sandy Brown também ajuda comercialmente a lançar suprimentos para a Estação Espacial Internacional (ISS).

Lançamento do SM-3. US NAVY

Assim, quando o alvo entrou na fase de impulso, dois sensores de satélite construídos pela Raytheon Intelligence & Space observam esse evento acontecer.

De lá, ele foi encaminhado para o Centro de Integração e Operações de Defesa de Mísseis, ou MDIOC, na Base Aérea Schriever, em Colorado Springs. O centro é a principal instalação dos EUA para o Centro de Comando e Controle de Defesa contra mísseis balísticos, também conhecido como C2BMC, para comando e controle, gerenciamento de batalha e comunicações.

Em cenários do mundo real, os dados de rastreamento de destino informam as respostas das autoridades até o presidente da nação. Mas seja real ou um teste de voo, o Comando e Controle Superior vai além da decisão de implantar um interceptor.

Os dados de rastreamento chegam aos lançamentos USS John Finn e SM-3 IIA. À medida que avança em direção ao alvo, a embarcação retransmite dados de rastreamento para ajudá-la a identificar o que atingir.

Mas para os funcionários da Raytheon Missiles & Defense, o trabalho começou bem antes de o SM-3 IIA iluminar a plataforma de lançamento.

“Isso foi todo o planejamento, integração de mísseis e testes que tínhamos antes de conduzir a missão”, disse Rob Carey da Raytheon Missiles & Defense, que serviu como líder da equipe de teste de voo.

Centro de informações de combate do USS JOHN S. MC CAIN (DDG-56)

Esse trabalho incluiu saber o que aconteceria antes de ser executado, também conhecido como modelagem e simulação. A análise de pré-voo começou quase um ano antes, quando a equipe SM-3 IIA recebeu seus dados iniciais de destino.

“Fazemos as previsões de alta fidelidade que nos dizem como o míssil vai se comportar durante o voo, até o ponto exato no alvo em que o interceptador vai acertar, e estávamos certos”, disse Doug Fiehler, membro da equipe de teste de voo de mísseis e defesa da Raytheon no Centro de Integração e Operações de Defesa.

Quando o interceptor deixou a atmosfera e o motor do foguete de terceiro estágio se separou, a ogiva cinética voou em direção ao alvo, usando informações de rastreamento ao vivo do C2B para manobrar conforme necessário.

Antigo Centro de Integração e Operações de Defesa de Mísseis (MDIOC)

Então, um sucesso histórico. Exatamente como as simulações previam. A destruição total do ICBM inimigo.

Após atingir o alvo, quer um teste de voo seja bem-sucedido ou não, todos eles rendem algo extremamente valioso: dados. As equipes o validam e processam para ajudar no próximo teste e no desenvolvimento de futuras inovações de defesa contra mísseis.

No mundo real, os membros do serviço não receberão um aviso prévio de um ano se um inimigo lançar um ICBM armado, nem receberão meses para modelar e simular sua resposta. Mas testes como o FTM-44 ajudam a garantir que eles estejam prontos se chegar a hora, e que eles terão a tecnologia defensiva de que precisam para proteger a pátria americana.

Este vídeo abaixo mostra o processo real do teste balístico com início do lançamento do ICBM inimigo e posteriormente do SM-3 Block IIA.

Raytheon Missiles and Defense, via Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!