HomeEUACongresso americano pressiona por aumento no orçamento da Agência de Defesa de...

Congresso americano pressiona por aumento no orçamento da Agência de Defesa de Mísseis pelo segundo ano seguido

Os legisladores da Câmara e do Senado estão pressionando novamente para aumentar o orçamento da Agência de Defesa de Mísseis depois que o Congresso acrescentou 1,3 bilhão de dólares no ano passado

Lançamento de míssil de uma base no Havaí – Foto da U.S. Navy

A solicitação do MDA (Agência de Defesa de Misseis) em relação ao ano fiscal de 2022 concentra-se na expansão da capacidade, incluindo um novo interceptor de próxima geração para defesa antimísseis, uma proteção de defesa hipersônica e rastreamento baseado no espaço crítico para detectar ameaças.

O pedido de financiamento da agência chega a 8,9 bilhões de dólares, mas os legisladores acreditam que não é suficiente. Essa quantia é um pouco menor do que a solicitação do AF21, de 9,2 bilhões.

Mas depois que o Congresso acrescentou mais de um bilhão de dólares a esse orçamento por acreditar que havia uma desconexão entre o financiamento e a capacidade efetiva de atender aos requisitos da Estratégia de Defesa Nacional, a queda é mais significativa.

Em recentes audiências no Congresso com foco no orçamento de defesa antimísseis, os legisladores expressaram preocupação com o menor pedido de orçamento do MDA para o AF22 (orçamento do ano de 2022).

Além disso, uma carta de 11 de junho do Republicano Mo Brooks em grupo com oito outros legisladores republicanos da Câmara e enviada aos líderes do Comitê de Apropriações da Câmara foi requerido o financiamento total de uma variedade de prioridades e não prioridades da defesa antimísseis.

Ele destacou especificamente a necessidade de financiar um Homeland Defense Radar no Havaí, ou HDR-H, e um sistema de defesa de 360 ​​graus em Guam, projetado para protegê-la de ameaças balísticas e de mísseis hipersônicos.

O MDA optou por não financiar o HDR-H no AF22, mesmo depois que o Congresso pressionou por financiamento no ano passado.

Em uma audiência do Subcomitê das Forças Estratégicas da Câmara em 15 de junho, o chefe do Comando Norte dos Estados Unidos, General Glen VanHerck, disse que apoia o HDR-H porque “ele nos dá capacidade adicional para uma camada inferior que apoiaria a defesa do Havaí”. No entanto, ele acrescentou que “neste momento, estou confortável com minha capacidade de defender o Havaí”.

Uma lista de requisitos não financiados que o chefe do Comando Indo-Pacífico dos EUA enviou ao Congresso neste mês incluiu o financiamento do HDR-H e pediu mais dinheiro, um adicional de 231,7 milhões, com o intuito de financiar uma capacidade de defesa antimísseis persistente para Guam.

O MDA planeja usar 78,3 milhões em seu orçamento básico para o EF22 para examinar sistemas que possam apoiar a defesa de Guam, e outros 40 milhões para adquirir itens de longo prazo para os sistemas mais abrangentes.

A agência não detalhou como construiria o sistema em questão, mas disse que usará recursos maduros, como os navios do Aegis Combat System e o Terminal High Altitude Area Defense System. O Exército implantou uma presença rotativa THAAD em Guam em 2014.

O vice-almirante diretor do MDA, Jon Hill, testemunhou na audiência de 15 de junho que a agência está no caminho para entregar seu plano para Guam ao escritório de Avaliação de Custos e Programa e manterá discussões com a liderança do INDOPACOM nas próximas semanas.

Hill reconheceu que havia prometido um relatório ao Congresso em junho, “mas, dada a complexidade do mesmo, isso vai nos levar um pouco mais de tempo para chegar lá.”

O desenvolvimento da proteção desejada para Guam está em “um cronograma muito agressivo, dado onde estamos”, acrescentou.

O membro da classificação do Subcomitê de Forças Estratégicas, o Republicano Mike Turner, disse na audiência que está “decepcionado com a linha superior do orçamento do presidente”, acrescentando que “o orçamento de defesa antimísseis é apenas um exemplo de onde a defesa de Biden o orçamento é insuficiente.”

Além da falta de financiamento para defesa antimísseis no Pacífico, Turner destacou um radar elevado para defesa antimísseis de cruzeiro da pátria e “proliferação de comunicações árticas da Órbita Terrestre Baixa (LEO)” como outras áreas que deveriam receber apoio monetário no AF22.

No início deste mês, o principal republicano do Comitê de Serviços Armados do Senado na carteira de defesa antimísseis, a senadora Deb Fischer disse aos funcionários do Pentágono que está profundamente preocupada, à luz dos adversários desenvolvendo novos sistemas de mísseis hipersônicos e de cruzeiro, que o pedido de orçamento do presidente Joe Biden financia o MDA “no que seria o nível mais baixo desde 2016”.

“Eu entendo que essas são parte das escolhas difíceis feitas em todo o orçamento de defesa e o resultado da adoção de uma linha superior que, em última análise, reduz os gastos com a defesa”, disse Fischer.

“No entanto, estou preocupada que este nível de financiamento, especialmente se sustentado no futuro, será insignificante – será insuficiente para acompanhar as crescentes ameaças que nossa nação enfrenta – e seremos deixados em uma situação precária como nação.”

Na mesma audiência, o senador republicano Dan Sullivan lamentou que cerca de 70% dos programas administrados pelo MDA enfrentariam um corte, incluindo o Programa de Defesa do Meio do Percurso Baseado em Terra, baseado em Fort Greely em seu estado. Em uma troca com Sullivan, Hill reconheceu que teve que reduzir os interceptores.

“Há uma redução de receita, então tivemos que priorizar, e acho que fizemos certo”, disse Hill. “Quando você vê nossa lista de prioridades não financiadas, onde tínhamos que correr nosso risco estava na produção, então você verá no topo da lista a necessidade de obter mais interceptores, porque é aí que eu tive que arriscar para não ver o queda de disponibilidade, confiabilidade da frota atual [de interceptores baseados em terra]. Na verdade, garantimos que o programa seja sólido como uma rocha e que avance com uma extensão da vida útil. ”

Sullivan interrompeu, perguntando se ele preferia não levar o corte de 15% em seu orçamento no EF22.

“Eu sempre prefiro ter um equilíbrio completo entre desenvolvimento de ciência e tecnologia, testes e sustentação para dar suporte aos serviços”, disse Hill.

-Jen Judson, Defense News, via Redação Área Militar

Patrocinado por Google

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR 

CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!