HomeCiência e TecnologiaEx-cientista de dados do Facebook recusou indenização de $ 64 milhões em...

Ex-cientista de dados do Facebook recusou indenização de $ 64 milhões em troca de seu silêncio

Essa é o tipo de matéria que certamente ninguém verá na timeline do Facebook, Intagram ou qualquer outra rede social atual, muito menos na grande maioria das redes de TV.

A ex- cientista de dados do Facebook que se tornou denunciante de práticas e omissões políticas do Facebook, Sophie Zhang, que foi demitida da gigante das mídias sociais no ano passado, recusou um pacote de indenização de US $ 64 milhões que poderia ter comprado seu silêncio , de acordo com um novo relatório divulgado em reportagem da Fox News nos EUA hoje.

A cientista de dados Sophie Zhang disse que encontrou o que é classificado pelo Facebook como “um comportamento coordenado e inautêntico vinculado a governos em vários países”.

Em uma rara entrevista com o MIT Technology Review , uma publicação independente de propriedade do Massachusetts Institute of Technology, Zhang revelou novos detalhes sobre a troca de sua carreira por suas crenças pessoais, para expor suas denúncias de manipulações da política mundial pelas redes sociais.

“Eu era a única nesta posição de responsabilidade desde o início”, disse ela à revista. “E alguém tinha que assumir a responsabilidade e fazer o máximo para proteger as pessoas.”

“Mas embora fosse seu trabalho descobrir tal atividade, ela não tinha como reprimir uma vez que a encontrasse”, disse ela.

“Todos concordaram que foi terrível”, disse ela à publicação. “Ninguém poderia concordar sobre quem deveria ser o responsável, ou mesmo o que deveria ser feito.”

“Não tenho talento para persuasão e convencimento”, disse ela. “Se eu nascesse com mais poder de persuasão e sedução, talvez pudesse ter feito mudanças.”

“Eu sei que tenho sangue em minhas mãos agora”, ela escreveu no memorando.

Em um memorando explosivo relatado pela primeira vez pelo Buzzfeed News em setembro de 2020, ela afirmou que muitos líderes mundiais usaram contas falsas para ganho político enquanto o Facebook ignorou, enganando seus próprios cidadãos e abafando os críticos.

O extenso relatório detalha muitas outras alegações de Zhang, que vão desde “uma rede de contas falsas em  escala gigantesca, usadas para amplificar e manipular informações sobre  a pandemia do COVID-19” inflacionando números e causando pânico, até o Facebook supostamente ignorando atividades inautênticas na ocasião.

Ela escreveu que encontrou evidências que mostram que legisladores brasileiros e indianos receberam milhões de interações falsas durante a temporada de eleições. O governo do Azerbaijão usou milhares de páginas falsas para combater a oposição. E o Ministério da Saúde espanhol e o governo da França se beneficiaram da manipulação colaborativa durante a pandemia de coronavírus, embora não esteja claro quem foi o responsável. E esses foram apenas alguns exemplos.

O Facebook obviamente negou as acusações

“Construímos equipes especializadas, trabalhando com os principais especialistas, para impedir que malfeitores abusem de nossos sistemas, resultando na remoção de mais de 100 redes por comportamento coordenado não autêntico… “É um trabalho altamente envolvido que essas equipes realizam em tempo integral. Trabalhar contra o comportamento não autêntico coordenado é nossa prioridade, mas também estamos abordando os problemas de spam e engajamento falso. Investigamos cada problema com cuidado, incluindo aqueles que a Sra. Sra. Zhang levanta, antes de agirmos ou sair e fazer reivindicações publicamente como uma empresa. “; declarou o Facebook na época (setembro de 2020).

Após sua demissão, Zhang republicou seu relatório em seu site pessoal, mas tornou-o visível por meio de uma senha que só foi fornecida aos funcionários do Facebook. Ela disse à Technology Review que o Facebook pediu que ela o retirasse. Ela recusou. Então, seu serviço de hospedagem fechou seu site após supostamente receber uma reclamação do gigante da mídia social.

Ela disse à FOX Business na noite de quinta-feira que seu site pessoal permanece fechado até hoje, e o memorando permanece offline desde 7 de setembro de 2020.

O Facebook não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre o fato.

A empresa fornece regularmente atualizações sobre seus esforços contra o que chama de comportamento inautêntico coordenado, ou CIB.

Isso pode incluir o uso de redes de contas falsas para compartilhar, curtir ou comentar postagens, aumentando artificialmente suas métricas de engajamento e ampliando seu alcance.

A empresa geralmente proíbe centenas ou milhares de contas do Facebook e do Instagram ao mesmo tempo para o envolvimento em tais atividades. Muitos deles estão ligados à Rússia e ao Irã, mas outros se originaram em todo o mundo.

Dra. Sophie Zhang afirma que líderes mundiais usaram milhares de contas falsas para obter ganhos políticos enquanto o Facebook “ignora”, de acordo com o BuzzFeed

A Dra. Sophie Zhang afirma que o Facebook ignorou evidências de que contas falsas foram usadas para minar eleições e assuntos políticos em todo o mundo, com funcionários subalternos politicamente comprometidos ou corruptos deixados para policiar arbitrariamente atividades malévolas, de acordo com o BuzzFeed News .

Citando “um memorando explosivo enviado por um funcionário do Facebook recentemente demitido”, o BuzzFeed News informou na terça-feira que a agora ex-cientista de dados do Facebook Sophie Zhang tem “exemplos concretos de chefes de governo e partidos políticos no Oriente Médio e América Latina usando exércitos de contas falsas para influenciar a opinião pública. ”

O relatório bombástico, intitulado “’Tenho sangue em minhas mãos’: Facebook ignorou a manipulação política global”, foi escrito pelos repórteres Craig Silverman, Ryan Mac e Pranav Dixit depois que obtiveram o relatório da Dra. Zhang.

Em países como Índia, Ucrânia, Espanha, Brasil, Bolívia e Equador, ela encontrou provas de campanhas coordenadas de vários tamanhos para impulsionar ou prejudicar candidatos ou resultados políticos, embora nem sempre concluísse quem estava por trás deles”, disse o relatório .

A porta-voz do Facebook, Liz Bourgeois, declarou ao BuzzFeed em um comunicado:

“Construímos equipes especializadas, trabalhando com os principais especialistas, para impedir que atores mal-intencionados abusem de nossos sistemas, resultando na remoção de mais de 100 redes por comportamento inautêntico coordenado”, envolveu o trabalho que essas equipes realizam em tempo integral. Trabalhar contra o comportamento não autêntico coordenado é nossa prioridade, mas também estamos tratando dos problemas de spam e engajamento falso. Investigamos cada questão cuidadosamente, incluindo aquelas levantadas pela Sra. Zhang, antes de agirmos ou sairmos e fazer reivindicações publicamente como uma empresa. “

O Facebook não respondeu imediatamente a um pedido de comentário adicional da Fox News.

Zhang supostamente escreveu que ela encontrou “várias tentativas flagrantes de governos nacionais estrangeiros de abusar de nossa plataforma em grandes escalas para enganar seus próprios cidadãos” e “manipularam notícias internacionais em várias ocasiões”.

Ela afirmou que seu papel no Facebook permitiu que ela tomasse “decisões que afetaram presidentes de alguns países, incluíndo EUA e Europa, sem supervisão” e aplicou ações contra tantos políticos “proeminentes” em todo o mundo que ela perdeu a conta.

“Em seu relatório, Zhang disse que não queria que fosse a público por medo de interromper os esforços do Facebook para evitar problemas em torno da próxima eleição presidencial de 2020 nos Estados Unidos e por preocupações com sua própria segurança. O BuzzFeed News está publicando partes de seu memorando que são claramente de interesse público ”, escreveu o BuzzFeed.

O BuzzFeed não publicou o memorando inteiro porque continha informações pessoais, de acordo com o relatório.

“Eu sei que agora tenho sangue nas mãos”, escreveu Zhang. O memorando é um relato condenatório das falhas do Facebook. É a história do Facebook abdicando da responsabilidade por atividades malignas em sua plataforma que poderiam afetar o destino político de nações fora dos Estados Unidos ou da Europa Ocidental. É também a história de um funcionário júnior exercendo poderes de moderação extraordinários que afetaram milhões de pessoas sem qualquer apoio institucional real, e o tormento pessoal que se seguiu ”, acrescentaram os repórteres do BuzzFeed antes de listar algumas das“ maiores revelações ”no memorando de Zhang.

A lista de Zhang inclui afirmações de que:

– Os executivos do Facebook levaram nove meses para agir em uma campanha coordenada usando perfis falsos para impulsionar o presidente Juan Orlando Hernandez, de Honduras
– O partido no poder no Azerbaijão utilizou milhares de perfis falsos … para “assediar a oposição em massa”.
– O Facebook removeu “10,5 milhões de reações falsas e fãs de políticos de destaque no Brasil e nos EUA nas eleições de 2018
– Um pesquisador da OTAN informou ao Facebook que ele “obteve atividade russa inautêntica em uma figura política norte-americana de alto perfil que não pegamos”.

O memorando de Zhang supostamente se refere a “atividade inautêntica” como “um termo do Facebook para o envolvimento de contas de bot e contas manuais coordenadas”.

O BuzzFeed também observou que o memorando de Zhang incluía alegações de que atividade inautêntica foi descoberta na Bolívia e no Equador, mas não foi priorizada pelo Facebook. O Facebook do Ministério da Saúde espanhol usou “manipulação coordenada” durante a pandemia de coronavírus e ela ajudou a impedir “uma rede politicamente sofisticada de mais de mil atores trabalhando para influenciar “as eleições locais na Índia.

Zhang disse que recusou um pacote de indenização de US $ 64 milhões do Facebook para evitar a assinatura de um acordo de não divulgação, de acordo com o BuzzFeed.

“Havia tantos comportamentos de violação em todo o mundo que cabia à minha avaliação pessoal de quais casos investigar, arquivar tarefas e escalar para priorização depois”, escreveu Zhang no memorando, de acordo com o BuzzFeed.

“Sem supervisão alguma, fui deixado em uma situação em que me confiava uma imensa influência em meu tempo livre … Um gerente da Strategic Response refletiu para mim mesmo que a maior parte do mundo fora do Ocidente era efetivamente o Velho Oeste comigo como o ditador de meio período – ele considerou a declaração um elogio, mas ilustrou as imensas pressões sobre mim ”, ela continuou.

O extenso relatório detalha muitas outras alegações de Zhang, que vão desde “uma rede de contas falsas em grande escala usada para amplificar e manipular informações sobre COVID-19” até o Facebook supostamente ignorando atividades inautênticas na ocasião.

Ela também teria criticado o Facebook por gastar muito tempo focado em spam e foi informada que os recursos eram limitados quando ela instou o Facebook a reprimir “atividades maliciosas relacionadas a eleições” e outras questões semelhantes.

“Disseram-me que o Facebook não teria mais necessidade de meus serviços se eu recusasse”, escreveu Zhang.

Ela foi demitida no início deste mês e compartilhou o memorando em seu último dia, de acordo com o BuzzFeed.

Abaixo alguns vídeos sobre o assunto nos EUA:


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!