HomeEuropaEx-Cmdte da Legião Estrangeira critica duramente Chefe do Estado Maior das Forças...

Ex-Cmdte da Legião Estrangeira critica duramente Chefe do Estado Maior das Forças Armadas Francesas

General da reserva Christian Piquemal, que foi ex-comandante da Legião Estrangeira, critica em carta aberta o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas francesas pela polêmica da decisão de punição aos militares que assinaram uma carta aberta ao governo francês, conclamando à reorganização do Estado contra o terrorismo islâmico na França, e que foi interpretada como “ameaça de golpe militar e guerra civil” contra o governo.

O General Piquemal, muito conhecido e prestigiado ex-comandate da Legião Estrangeira, ficou ainda mais conhecido e prestigiado quando foi afastado do Armée de Terre (Exército Francês) em 2016, a pretexto de “violação do dever de discrição e reserva” por ter denunciado a situação de evidente ligação entre a imigração ilegal de origem afro-islâmica na França e a elevadíssima situação da criminalidade e pricipalmente do terrorismo islâmico.

As ameaças de severas punições do atual chefe do Estado-Maior das Forças Armadas contra os militares da ativa e da reserva que assinaram a plataforma em Valeurs Actuelles o fizeram reagir fortemente.

Marcando assim a sua apresentação ao actual Ministro da Defesa, o General Lecointre anunciou efectivamente sanções contra os militares da ativa, bem como a sua intenção de enviar uma carta ao General Piquemal.

Este acaba de lhe dar uma resposta mordaz e particularmente bem formulada. E diversas mídias da França e da Europa tiveram a liberdade de divulgar a carta do General Piquemal em sua totalidade, que segue abaixo:

Meu general,

Você é o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e, como tal, seu primeiro dever é defender e apoiar os soldados ativos e aposentados. Obviamente, você prefere a caça às bruxas.

Por sua disciplina intelectual servil e impecável, seu carreirismo apavorante, sua lamentável submissão ao poder político, você faz o oposto e está pronto, por complacência e baixeza, para “cortar a cabeça” (leia-se; perseguir e punir) de todos os seus pares e veteranos. Lamentável!

Você sabe, o dever de um líder digno desse nome é proteger seus subordinados, seus irmãos de armas, seus veteranos, em vez de entregá-los como alimento para a vingança de um poder político à distância.

Sem dúvida, tem medo de desagradar ao Ministro das Forças Armadas, a quem serve com um zelo ímpar e comportamento como um capacho!

Por estar no topo da hierarquia militar, o que você está esperando? As estrelas do Marechal da França?

Já se passou muito tempo desde junho, De Lattre, Leclerc, Bigeard adorado por seus homens e falando em pé de igualdade com o poder político. Em vez disso, sua autoridade moral serve apenas para colocar o joelho no chão e o dedo mínimo na costura da calça. Ainda tem um pouco de orgulho?

Como muitos franceses e soldados, tenho um desprezo imenso por você.

Sim, fui destituído dos executivos (serviço ativo) por decreto do Presidente da República de 23 de agosto de 2016 na sequência do parecer do Conselho Superior do Exército Terrestre (CSAT) reunido disciplinarmente (seis oficiais generais ativos tendo, na maioria dos votos, pediu a minha destituição dos executivos) mas não me arrependo de nada. Diante do desrespeito ao Estado de Direito em Calais, fui denunciante que permitiu ao Estado mudar a situação na Selva.

Atreveu-se a escrever no Fígaro , a meu respeito: vou enviar-lhe uma carta a dizer-lhe que é indigno, suja o exército, enfraquece-o tornando-o objecto de polémica nacional .

General, não se canse, não perca tempo escrevendo, não vou nem abrir o seu pano de prato. Quem difama o exército é você, só você, não me entenda mal. Os franceses que o conhecem escolheram o seu campo e não se enganam.

Sim, prefiro estar na minha própria pele do que na sua. Saiba disso, a opinião e o julgamento de seus colegas e subordinados não são lisonjeiros, para dizer o mínimo! Posso me olhar no espelho, temo que não.

Você prefere “cortar cabeças”, sancionar colegas, curvar-se e servir ao poder político com zelo incomparável. Não, no dia da sua partida saiba que não se arrependerá.

Por fim, vou lembrá-lo de duas citações que ilustram perfeitamente o seu comportamento!

‘Quando a prudência está em toda parte, a coragem não está em lugar nenhum’, Cardeal Mercier.

“Na França, deixamos descansar aqueles que atearam fogo e perseguimos aqueles que tocam a tocha”, Nicolas de Chamfort.

Com sua submissão e subjugação ao poder político, seu comportamento é mais o de um tecnocrata do que de um militar. A verdadeira desonra de um general é sua.

Com meu profundo desprezo.

General de Corps d’Armées(ER) Christian Piquemal. ”

Link para a publicação original: https://www.place-armes.fr/post/le-g%C3%A9n%C3%A9ral-piquemal-%C3%A9crit-au-g%C3%A9n%C3%A9ral-lecointre-1

Nada a acrescentar, exceto talvez esta palavra de um internauta no Facebook : “O General Lecointre nos lembra que, entre alguns soldados de carreira, a palavra importante é ‘carreira’ ”.

  • Fontes: Place d’Armes, com informações e textos adicionais; TVLibertes.com, FL24 news e revista Valeurs Actueles, via redação Orbis Defense Europe.


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!