Força Aérea Brasileira – FAB realiza complexa coordenação aérea na Operação Taquari II

O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), Organização Militar (OM) da Força Aérea Brasileira (FAB), sediado em Brasília (DF), atua na condução dos meios empregados na Operação Taquari II. Além das aeronaves das Forças Armadas, estão envolvidas aeronaves de outros órgãos públicos, como Polícias Militares de diferentes Estados e Defesa Civil, totalizando 36 aparelhos sob coordenação da Força Aérea Componente (FAC) do Comando Operacional Conjunto Ativado.

De uma maneira integrada, os militares da FAB efetuam o planejamento, o acompanhamento e o controle de todas as operações aéreas efetuadas nas áreas de enchente. “O COMAE  dá o suporte operacional e de infraestrutura à Força Aérea Componente (FAC) do Comando Conjunto Ativado. Desta forma, tanto em Brasília, quanto em Porto Alegre, a arquitetura de Comando e Controle da FAB permite planejar, programar e controlar todas as operações aeroespaciais destinadas ao atendimento imediato na área afetada pelas inundações”, explica o Comandante da Força Aérea Componente, Brigadeiro do Ar Alessandro Cramer.

Desde o início da operação, na quarta-feira (01/05), a FAC foi responsável pela coordenação de 699 movimentos aéreos em Canoas (RS) e mais de 70 em Santa Maria (RS).

Controle de tráfego aéreo

Houve um aumento de 60% no número de movimentos aéreos diários em Santa Maria, uma vez que só as aeronaves de Busca e Salvamento somaram mais de 70 movimentos desde que iniciaram os resgates. O controle de tráfego aéreo está sendo realizado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por meio do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Santa Maria (DTCEA-SM), Unidade subordinada ao Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II).

Em Porto Alegre, o Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Canoas (DTCEA-CO) executa o controle de tráfego aéreo da região de Porto Alegre. Saiba mais aqui.

Apenas no sábado (04), foram registrados 184 movimentos aéreos de aeronaves que auxiliam no resgate de pessoas. “Estamos trabalhando diuturnamente para possibilitar a operação segura e eficiente das aeronaves envolvidas nos resgates em apoio às vítimas da tragédia. Nossos militares atuam 24 horas por dia no Controle de Aproximação (APP-PA) e Rádio Canoas (AFIS-CO)”, ressalta o Comandante do DTCEA-PA, Capitão Aviador Carlos Emilião Pinto. Saiba mais aqui.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS