HomeÁsiaForça Aérea Indiana; a principal interessada no Su-75 Stealth "CheckMate" descartado Rafales...

Força Aérea Indiana; a principal interessada no Su-75 Stealth “CheckMate” descartado Rafales e Gripens

Dias depois que a Rússia revelou um novo caça ‘stealth’, o Su-75 ‘CheckMate’, os analistas de defesa indianos vêem uma grande possibilidade de a Índia adquirir a aeronave, argumentando que isso não afetará o desenvolvimento do jato AMCA de quinta geração do país .

Não somente pelo preço, mas pela óbvia necessidade frente a China. Depois dos EUA, da Aliança Japão-Países do Mar do Sul da China & Austrália, a India é o país que mais causa preocupações ao expansionismo chinês…

A Rússia apresentou o jato ‘stealth’ de quinta geração na MAKS 21 International Aviation and Space Expo. Um jato de combate supersônico monomotor, o Su-75 possui uma avançada tecnologia stealth , algo que falta ao outro jato stealth russo, o Su-57.

A Rússia afirmou anteriormente que países como Índia, China e Vietnã estão entre os compradores potenciais do novo jato de combate leve.

“Em primeiro lugar, a aeronave será orientada para países africanos, Índia e Vietnã”… O fabricante planeja produzir 300 caças táticos leves monomotores nos próximos 15 anos, com base na demanda“; disse o vice-primeiro-ministro Yuri Borisova repórteres após a apresentação da aeronave na MAKS21 International Aviation Expo.

O EurAsian Times relatou que, por US $ 25-30 milhões por modelo, o CheckMate custaria menos da metade do Saab Gripen (US $ 85 milhões), além de ser substancialmente mais barato do que o F-35 americano (US $ 115 milhões) francês Dassault Rafale (US $ 115 milhões) e Su-57 da Rússia (US $ 100 milhões).

Este desenvolvimento levantou questões sobre o futuro das aeronaves de caça de quinta geração cultivadas na Índia, sob o programa Advanced Medium Combat Aircraft (AMCA) .

A relativa “decadência” da Força de caça da IAF

De acordo com o World Air Force Directory 2021 , a Força Indiana é a quarta maior do mundo, com 672 aeronaves de combate em serviço ativo.

Os jatos russos MiG-21, MiG-29 e Su-30 dominam a frota da IAF. Outros caças são o Dassault Mirage 2000 e o Dassault Rafales, que foram adquiridos da França, o avião de combate anglo-francês SEPECAT Jaguar e os jatos leves indígenas Tejas.

A Força Aérea Indiana (IAF) opera jatos russos desde 1960, quando o MiG-21 foi importado pela primeira vez em 1963. Desde então, mais de 800 MiG-21 foram adquiridos pela Índia, formando a espinha dorsal da Força Aérea Indiana.

Embora cem MiG-21 ainda permaneçam em serviço, toda a frota deve ser aposentada até 2025, devido ao número de acidentes em que estiveram envolvidos. De acordo com estimativas do governo, mais de 200 pilotos perderam a vida enquanto voavam jatos considerados “doentes” devido a diversos problemas que iam de indisponibilidade de manutenção por falta de peças e fadiga estrutural.

Jatos de combate IAF Sukhoi Su-30. (Imagem: IAF)

A Índia também opera três esquadrões de MiG-29, a primeira entrega dos quais foi recebida em 2012. O país aprovou recentemente a aquisição de outros 21 caças MiG-29 da Rússia por US $ 900 milhões.

A Índia é o único país que ainda opera mais de cem aeronaves Jaguar combinadas em uma força de seis esquadrões. Em 2019, a IAF arquivou o plano de atualização da frota investindo em novos motores devido aos altos custos em meio a relatos de que “pelo preço de duas dessas atualizações, podemos obter um Rafale básico”.

O processo de eliminação está previsto para começar em 2023-2024.

Dos três esquadrões (total de 50 jatos) da história de sucesso da Kargil, Mirage 2000s, dois foram atualizados para a versão mais recente do Mirage 2000-5 Mk, aumentando a vida útil dos jatos até 2030.

Na última década, especialistas militares alertaram contra o envelhecimento da frota de jatos da IAF e a necessidade de obter mais números para substituir adequadamente os que estavam se aposentando.

A Índia fez um pedido de 36 Rafales de 4 gerações, abaixo dos 126 que o governo indiano decidiu comprar. Porém o que circula nos bastidores é que o governo do ex-presidente François Hollande e do atual presidente Macron cederam as pressões da China e criaram dificuldades para fornecer mais caças Rafale à India…

Rafales indianos deixando o espaço aéreo francês em 21 de abril de 2021. (Imagem: IAF)

A Índia também fechou um negócio de US $ 6,58 bilhões para 83 jatos indianos Tejas, 73 deles sendo a versão Mark 1A Light melhorada, com a fabricante estatal de defesa, Hindustan Aeronautics Limited, completando o pedido inicial de 40 jatos.

Indo por números puros, a força combinada de Tejas e Rafales não é nem a metade do número necessário para substituir os caças Jaguar, Mirage e MiG-21 antigos e obsoletos.

Parte dos esforços da Índia para induzir mais caças é aumentar o atual esquadrão de 28 na linha de frente para 42, um número autorizado da IAF que Nova Déli considera adequado para lutar contra o Paquistão e a China ao mesmo tempo.

Em 2017, oficiais da Força Aérea disseram que a Índia alcançará a força de esquadrão desejada até 2042. Mas essa avaliação veio antes do impasse Índia-China, que injetou uma urgência renovada nas forças armadas e dita muitas aquisições futuras.

Abhijit Iyer-Mitra, pesquisador sênior do Instituto de Estudos sobre Paz e Conflitos (IPCS), com sede em Nova Delhi, disse que há grandes chances de a Índia optar pelo novo jato russo.

“A IAF planeja adquirir um jato monomotor que está na bigorna há 20 anos. A competição MMRCA em que a Índia teve que adquirir 126 caças, inicialmente era para um jato monomotor, mas mais tarde foi desviada porque os Sukhoi Su-30s estavam falhando tanto que a Índia queria outro jato bimotor ”, disse ele ao The EurAsian Times.

“Na segunda vez, eles fizeram isso de novo com MMRCA 2.0 porque os russos não tinham um jato monomotor para oferecer”.

“ Agora que os russos têm um jato monomotor, eles podem entrar na nova competição e eu pessoalmente acho que há uma chance muito boa de ganhar o contrato com a Índia ”, acrescentou Iyer-Mitra.

Quando questionado se a aquisição do novo jato russo teria alguma consequência no programa AMCA da Índia, Iyer-Mitra disse que o programa AMCA permanecerá à tona por muitos anos, independentemente de a Índia adquirir o CheckMate ou não .

Em sua opinião, comparar o desenvolvimento de caças indíanos com compras externas é inútil, uma vez que os jatos fabricados na India atualmente em desenvolvimento não serão usados ​​para combates sérios, mas apenas como uma função suplementar.

“ Há uma dicotomia entre o que a IAF diz em público e em privado. Em particular, a IAF sabe que o programa AMCA levará mais 50 anos antes de decolar, mas em público, eles continuarão a agregar mais recursos ao programa para seu apelo ‘Make-in-India’ ”, observou ele.

Opções da Índia

Delineando as opções da Índia, Iyer-Mitra listou três aeronaves monomotoras no mercado internacional que poderiam competir pela exigência da Índia de um caça leve, essencialmente uma substituição dos MiG-21s. Eles são – US F-16, sueco Saab Gripen e russo Su-75.

“ Embora o F-16 também seja operado pelo Paquistão e esteja perto do fim de sua vida útil, o problema com o Gripen é que ele tem um motor americano, então a Índia não receberá nenhuma tecnologia de motor ”, disse ele, acrescentando que, apesar dos motores ruins e eletrônicos, a Índia ainda pode ir com o jato russo por causa de sua utilidade furtiva e uma mercadoria conhecida.

Iyer-Mitra concordou com a visão de que o CheckMate russo é uma barganha benéfica contra a ameaça iminente da China, como vários especialistas militares sugeriram.

“ A única outra opção que a Índia tem é o F-35, mas ele ainda não foi oferecido. Além disso, não há como a um país com mísseis S-400 ser oferecido. Isso deixa a Índia com o Su-75, pois é a única aeronave visualmente furtiva a que teremos acesso por muito tempo ”, disse ele.

Fazendo uma crítica à suposta falta de previsão da IAF, ele disse: “ A IAF carece de planejamento e previsões futuras. Mesmo algo tão básico como olhar para a aeronave emergente e, em seguida, fazer um cálculo retroativo do que a força precisa, a IAF não fez isso ”, disse ele ao referir-se à opção que a Índia poderia ter adotado, que é combinar o eletrônica avançada do Gripen com tecnologia stealth, mas a Índia também não fez isso.

Chamando-o de um “vencedor” de um avião, Iyer-Mitra olhou para trás e viu como a Rússia não produzia jatos monomotores por muito tempo, pois não tinha certeza do desempenho do motor.

“Agora que eles superaram o medo dos monomotores, tudo vai depender da qualidade. Se o motor for comprovadamente confiável, os russos estão em um lugar muito bom ”, disse ele.

Ao ser questionado sobre como o jato russo se compara aos chineses J-20 e FC-31, ele disse que a aeronave é, na verdade, uma boa aposta contra a China .

“ Em primeiro lugar, aerodinamicamente, é um design muito melhor e muito mais furtivo em termos de furtividade do radar. Em termos de invisibilidade infravermelha também [que é para ver a emissão de calor], suspeito que seja um avião melhor . ”

“Em segundo lugar, apesar de todas as falhas nos motores russos, eles ainda são melhores do que os chineses … No entanto, a eletrônica do jato chinês é um pouco melhor do que a eletrônica russa, dado o melhor domínio que eles têm sobre o mercado de eletrônicos. Mas, mesmo assim, é um território cinzento. Por exemplo, o Paquistão prefere a eletrônica russa à chinesa ”.

“Os eletrônicos militares russos são melhores do que os chineses, nas capacidades de interface humana, como tela sensível ao toque”, observou Iyer-Mitra.

Ele lembrou que os EUA já testaram um protótipo de seu caça de sexta geração. Por outro lado, a Índia já está operacionalizando seu primeiro jato de quarta geração e nem mesmo tem o primeiro protótipo de quinta geração.

  • Com informações The India Times, Eurasian Times, Jane’s Defense e France Inter, via redação Orbis Defense Europe.


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!