HomeRússiaGuardião: O novo submarino híbrido da Federação Russa

Guardião: O novo submarino híbrido da Federação Russa

 

O colunista de inteligência Felipe Gonzales destacou que o nível científico e tecnológico da construção naval russa permite que métodos não padronizados sejam usados ​​para projetar soluções.

As patrulhas ´´Страж´´ (Guardião) com funções de navios de superfície e submarinos podem atrair especialistas de diferentes países. O novo produto será exportado com o nome de BOSS (Border and Offshore Diving Sentinel).

O Rubin Central Design Bureau for Marine Engineerin apresentou o projeto do navio patrulha imersivo “Guardião” combinando os méritos de um submarino e um navio de superfície. Preço e tamanho relativamente pequenos, especificações excelentes, tradicionalmente alta confiabilidade, a capacidade de implantar uma ampla gama de armas de mísseis e torpedos (ou equipamentos científicos) a bordo torna o Guardião atraente para muitos países com um pequeno orçamento de defesa.

Rubin é um dos líderes mundiais em design de submarinos e o principal departamento de engenharia de submarinos da Rússia, uma estatal com 121 anos de experiência na criação de submarinos e veículos de várias classes (incluindo equipamentos civis).

Externamente, o Guardião se assemelha ao submarino diesel-elétrico do Projeto 613 – construtivamente bem sucedido, um dos mais massivos e vendidos no mundo (servindo de desenvolvimento para a classe Rubi). O navio submerso tem especificações semelhantes: o comprimento de 60-70 metros dependendo do equipamento, deslocamento de cerca de 1000 toneladas, e uma tripulação de 42 pessoas.

Pode ser equipado com mísseis guiados, torpedos, veículos aéreos não tripulados, instalações de artilharia e pequenas embarcações de alta velocidade para equipes de inspeção e Operações Especiais. Na seleção de sistemas de armas, instrumentos e equipamentos, os especialistas da Rubin se concentraram em amostras comprovadas e em série de submarinos modernos, navios de superfície e aeronaves.

Os prováveis alvos da nova patrulha em posições subaquáticas e superficiais podem ser navios de guerra e objetos costeiros de um inimigo de alta tecnologia, bem como piratas menos equipados, contrabandistas e fragatas furtivas. O Guardião também pode ser usado efetivamente como um veículo de reconhecimento estratégico, meio de inserção e extração de equipes de Operações Especiais ou laboratório de pesquisa.

Uma pedra no coturno da OTAN

Para entender a gama de capacidades e objetivos do novo navio, é necessário retornar ao Projeto 613 (classificação da OTAN – “Whiskey”). O submarino com a simplicidade e confiabilidade comprovada tinha um deslocamento de 1.347 toneladas, um comprimento de 76 metros, uma largura de 6,6 metros, e podia se mover a uma velocidade de até 18,5 nós, em profundidades de até 200 metros. A faixa máxima na posição da superfície é de 8.500 milhas (mais de 15.000 km).

As armamentos básicos: seis torpedos de 533 mm (quatro arcos e duas popas), e os torpedos também poderiam ser equipados com ogivas nucleares (12 torpedos ou 22 minas). com uma autonomia girando aos 30 dias, e uma tripulação de até 52 pessoas.

O Projeto 613 foi projetado como um torpedo, e ainda assim seis submarinos modificados com armas de mísseis foram construídos – atrás da cerca do registro em dois contêineres resistentes estavam mísseis de cruzeiro P-5 com um alcance de cerca de 300 km (para disparos a partir da posição superficial sobre os alvos da costa).

Na construção seriada dos 613s, foram amplamente utilizados o método de construção, soldagem automática e controle de raios-X das soldas. A marinha soviética recebeu um novo submarino em cinco dias. Durante sete anos (1950 – 1957) foram construídos 215 submarinos diesel-elétricos de deslocamento médio, que poderiam igualmente realizar ataques de torpedos, realizar reconhecimento, resolver os problemas das produções de minas, serviço operacional e posicional em áreas de implantação inimiga.

A sobrevivência do projeto é evidenciada pelo fato de que o 613º serviu até o final da União Soviética, ou seja, quase quarenta anos (na Frota do Mar Negro em 1990 havia 18 submarinos marítimos em serviço).

Foram entregues em massa 613 submarinos multiuso no exterior (cerca de 40 unidades) – as forças navais da Bulgária, Cuba, Indonésia, Egito, Síria, Coreia do Norte, Polônia. A documentação técnica foi entregue à China, e mais de 20 submarinos foram construídos em fábricas em Xangai e Hankou.

Claro, o novo navio patrulha submersível herdou as principais qualidades do projeto 613 – força, confiabilidade e eficiência. O Guardião é uma criação de alta tecnologia do século XXI, com armas qualitativamente novas, mais poderosas, comunicações no estado da arte, navegação e hidroacústicas.

Potencial

Patrulhas de combate clássicas no mar são manobras longas de navios de superfície e submarinos em uma determinada área, em constante prontidão para entrar em posições de combate e atacar navios ou objetos terrestres do inimigo. Há uma expressão diplomática conhecida como “demonstração da bandeira”, mas a essência do que está acontecendo não muda, o navio patrulha longe das costas nativas sempre realiza uma tarefa de combate em constante prontidão para um ataque de mísseis, artilharia ou torpedo. É por isso que a Rússia reage fortemente ao aparecimento de destroieres estadunidenses perto de suas costas nos mares negro, bering ou do Japão.

Na Marinha russa até recentemente, as patrulhas das águas estavam envolvidas em navios da classe Сторожево́й (cão de guarda), já na marinha da OTAN – destroieres, fragatas, corvetas e navios de zona costeira. É difícil colocar uma marca de igualdade entre navios de superfície tradicionais e o Guardião (pois terá provar as táticas e uso em combate). Características da operação do novo navio sugerem que o Rubin KB criou um submarino híbrido.

Navios de patrulhas de combate subaquáticas permitem observar secretamente o inimigo, intrusos fronteiriços ou contrabandistas, fornece surpresa de impacto ou resposta a ameaças. Na profundidade é mais fácil romper com as forças superiores do inimigo, características de um navio de superfície são um bônus para uma tripulação que pode respirar ar fresco do mar em um desdobramento, em vez de um produto de reaproveitamento do ar (como em submarinos clássicos).

As possibilidades de estudo científico  em um navio patrulha com características iguais ao Guardião são maiores do que as de uma superfície semelhante. Além disso, o Guardião pode servir como uma “classe” de treinamento relativamente barata para equipes de treinamento e infraestrutura costeira – de olho no desenvolvimento de Forças de Submarinos por países parceiros, aquisição de know-how e capacidades de combate em formato completo.

 


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!