Guerra na Ucrânia – Alemanha permite que a Ucrânia use armas fornecidas contra alvos na Rússia

A Ucrânia pode usar armas fornecidas pela Alemanha para se defender contra ataques russos a partir de posições logo além da sua fronteira conjunta, disseram autoridades em Berlim.

A medida marca uma mudança política significativa que ocorreu um dia depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, deu luz verde a Kiev para contra-atacar com armas americanas contra ativos militares russos que visavam a segunda maior cidade do país, Kharkiv.

Uma declaração do governo alemão observou que nas últimas semanas a Rússia preparou, coordenou e realizou ataques na região nordeste de Kharkiv da Ucrânia, em particular a partir de áreas logo além da fronteira com a Rússia.

“Juntos estamos convencidos de que a Ucrânia tem o direito, ao abrigo do direito internacional, de se defender contra estes ataques”, afirmou o comunicado. “Para isso, também pode utilizar as armas entregues para esse fim, de acordo com os seus compromissos jurídicos internacionais, incluindo as que foram entregues por nós.”

Pessoas reagem após ataque com mísseis russos em Kharkiv (Andrii Marienko/AP)

Um ataque russo este mês na região nordeste de Kharkiv, incluindo um ataque aéreo russo com bomba a uma grande loja de materiais de construção que matou 18 pessoas em 25 de maio, forçou a evacuação de milhares de pessoas e sobrecarregou as forças esgotadas da Ucrânia.

O maior e mais bem equipado exército do Kremlin está a explorar a escassez de tropas e munições na Ucrânia, após um longo atraso na ajuda militar dos EUA. A produção militar inadequada da Europa Ocidental também atrasou o fornecimento crucial de ajuda militar à Ucrânia.

A decisão de Biden permite que armas fornecidas pelos EUA sejam usadas para “fins de contra-fogo na região de Kharkiv, para que a Ucrânia possa revidar contra as forças russas que os estão atacando ou se preparando para atacá-los”, disse um funcionário de Washington à Associated Press.

Mas as autoridades sublinharam que a política dos EUA que apela à Ucrânia para não utilizar ATACMS fornecidos pelos EUA ou mísseis de longo alcance e outras munições para atacar ofensivamente dentro da Rússia não mudou.

O anúncio alemão ocorreu horas depois de mísseis balísticos russos atingirem um bloco de apartamentos em Kharkiv e matarem pelo menos quatro pessoas.

A Rússia lançou cinco mísseis balísticos S-300/S-400 em Kharkiv durante a noite, informou a Força Aérea da Ucrânia.

Guerra Rússia Ucrânia
Bombeiros responderam após ataque com míssil (Andrii Marienko/AP)

Um deles atingiu um prédio residencial perto da meia-noite e foi seguido por outro míssil 25 minutos depois, que atingiu os socorristas, segundo o governador regional Oleh Syniehubov. Pelo menos 25 pessoas ficaram feridas, disse ele.

Autoridades ucranianas já acusaram a Rússia de ter como alvo equipes de resgate ao atingir edifícios residenciais com dois mísseis consecutivos – o primeiro para atrair equipes de emergência ao local e o segundo para feri-los ou matá-los.

A tática é chamada de “toque duplo” no jargão militar. A Rússia utilizou o mesmo método na guerra civil da Síria.

Além de Kharkiv, as tropas de Moscovo estão a pressionar a região de Donetsk, mais a sul, e a reunir uma força para um esperado ataque na região de Sumy, mais a norte, segundo autoridades ucranianas.

As restrições até agora ao uso de armas ocidentais frustraram as autoridades ucranianas, uma vez que os militares não conseguiram ordenar ataques às tropas russas concentradas na fronteira – a cidade de Kharkiv fica a apenas 19 quilómetros da Rússia – ou às bases russas usadas para lançar ataques com mísseis.

A questão de permitir que a Ucrânia atinja alvos em solo russo com armamento fornecido pelo Ocidente tem sido uma questão delicada desde que Moscovo lançou a sua invasão em grande escala em 24 de Fevereiro de 2022.

Os líderes ocidentais hesitaram em tomar esta medida porque correm o risco de provocar o presidente russo, Vladimir Putin, que alertou repetidamente que o envolvimento directo do Ocidente poderia colocar o mundo no caminho do conflito nuclear.

Mas como a Rússia ganhou recentemente a iniciativa do campo de batalha em algumas partes da linha da frente de 600 milhas, alguns líderes ocidentais estão a pressionar por uma mudança política que permita a Kiev atacar bases militares dentro da Rússia com armas sofisticadas de longo alcance fornecidas pelos seus parceiros ocidentais.

O anúncio alemão provocou uma resposta furiosa de Moscovo, com Dmitri Medvedev, vice-chefe do Conselho de Segurança da Rússia, a dizer: “A Ucrânia e os seus aliados da NATO receberão uma resposta tão devastadora que a aliança não será capaz de evitar entrar no conflito. ”

Ele também repetiu as advertências russas de que as medidas tomadas poderiam colocar a OTAN e a Rússia no caminho de um confronto nuclear. “Não é uma tentativa de assustar ou qualquer tipo de blefe nuclear”, acrescentou.

O recém-nomeado ministro da Defesa da Rússia, Andrei Belousov, afirmou na sexta-feira que as tropas russas estão “avançando em todas as direções táticas”, inclusive na região de Kharkiv, onde disse ter empurrado as forças ucranianas para trás em até cinco milhas.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading