Guerra na Ucrânia – Cúpula do G7 abre com acordo para usar ativos russos congelados para a Ucrânia

A cimeira do G7 em Itália começou na quinta-feira com um acordo alcançado sobre uma proposta dos EUA para apoiar um empréstimo de 50 mil milhões de dólares (39 mil milhões de libras) à Ucrânia, utilizando activos russos congelados como garantia, dando a Kiev uma forte demonstração de apoio, mesmo quando o tabuleiro de xadrez político da Europa muda para o certo.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que o acordo para aproveitar os lucros extraordinários de cerca de 280 mil milhões de dólares (219 mil milhões de libras) em activos russos congelados detidos na Europa colocaria esse dinheiro a trabalhar para a Ucrânia.

“Outro lembrete para (Vladimir) Putin: não vamos recuar. Na verdade, estamos unidos contra esta agressão ilegal”, disse Biden numa conferência de imprensa à noite, com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky ao seu lado.

O acordo foi discutido horas antes da primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, abrir a cimeira num resort de luxo no sul de Itália, dizendo que queria que a mensagem da reunião fosse de diálogo com o sul global e de unidade.

Ela comparou o G7 às antigas oliveiras que são um símbolo da região de Puglia, “com raízes sólidas e ramos projetados para o futuro”.

Para além da guerra na Ucrânia, o Papa Francisco tornar-se-á o primeiro pontífice a discursar numa cimeira do G7, acrescentando uma pitada de celebridade e autoridade moral ao encontro anual.

Ele falará na sexta-feira sobre as promessas e os perigos da inteligência artificial, mas deverá também renovar o seu apelo por um fim pacífico à invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia e à guerra Israel-Hamas em Gaza.

O G7 é composto por Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos.

Policiais paramilitares italianos patrulham perto de Borgo Egnazia, local da cúpula do G7 no sul da Itália (Gregorio Borgia/AP)

A Itália, que acolhe a cimeira, convidou vários líderes africanos – o presidente argelino Abdelmadjid Tebboune, o presidente queniano William Ruto e o presidente tunisino Kais Saied – para pressionarem as iniciativas de desenvolvimento e migração da Itália no continente.

Outros convidados incluem o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, recém-eleito, e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

Com Biden, o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, e o agora presidente francês, Emmanuel Macron, enfrentando eleições nos próximos meses, a pressão recai sobre o G7 para que faça o que puder enquanto durar o status quo.

A proposta dos EUA envolve a concepção de um empréstimo de 50 mil milhões de dólares (39 mil milhões de libras) para ajudar a Ucrânia na sua luta contra a Rússia, que usaria como garantia os juros obtidos sobre os lucros dos activos congelados do banco central da Rússia, a maioria deles detidos na União Europeia.

Uma autoridade francesa, informando os repórteres na quarta-feira, disse que uma decisão política dos líderes foi alcançada, mas que os detalhes técnicos e legais do mecanismo para explorar os ativos ainda precisam ser elaborados.

A questão é complicada porque se os activos russos forem eventualmente descongelados – por exemplo, se a guerra terminar – então os lucros extraordinários deixarão de poder ser utilizados para pagar o empréstimo, exigindo um acordo de partilha de encargos com outros países.

Zelensky listou o acordo de activos como um dos muitos acordos que esperava ver finalizados durante a cimeira, incluindo o acordo bilateral de segurança com os EUA.

“Sou grato aos nossos parceiros por acreditarem em nós e na nossa vitória”, disse ele em uma postagem na plataforma de mídia social X, antigo Twitter.

Itália G7
A cúpula será realizada no luxuoso complexo Borgo Egnazia, na região italiana de Puglia (Luca Bruno/AP)

Além do acordo, Sunak anunciou até 242 milhões de libras (310 milhões de dólares) em ajuda não militar à Ucrânia para necessidades humanitárias, energéticas e de estabilização.

Washington também enviou fortes sinais de apoio, com sanções ampliadas contra a Rússia para atingir empresas chinesas que estão a ajudar a sua máquina de guerra.

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, entra na reunião fortalecida a nível interno e externo, depois de o seu partido de extrema-direita ter tido um desempenho ainda mais forte nas eleições para o Parlamento Europeu do que nas eleições gerais nacionais de 2022, que a tornaram na primeira mulher primeira-ministra italiana.

Conhecida pelos seus governos de portas giratórias, a Itália encontra-se agora na posição invulgar de ser a potência mais estável da UE.

Itália G7
O partido de extrema direita do primeiro-ministro italiano, Giorgia Meloni, teve uma forte presença nas eleições para o Parlamento Europeu (Luca Bruno/AP)

Os líderes dos outros dois membros da UE do G7, Alemanha e França, não se saíram tão bem, abalados depois que os partidos de extrema-direita tiveram fortes resultados na votação.

Macron convocou eleições antecipadas e o chanceler alemão, Olaf Scholz, viu os seus social-democratas terminarem atrás dos conservadores tradicionais e da Alternativa para a Alemanha, de extrema-direita.

Como resultado, é provável que Meloni consiga orientar a reunião de três dias para os seus principais pontos prioritários, à medida que consolida ainda mais o seu papel no cenário mundial, disseram os analistas.

Num sinal dos seus músculos de extrema-direita flexionados, o gabinete de Meloni negou relatos dos meios de comunicação social de que a Itália está a tentar suavizar a linguagem sobre o acesso ao aborto no comunicado final.

Itália G7
O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, participam numa mesa redonda intitulada África, alterações climáticas e desenvolvimento na cimeira do G7 (Christopher Furlong/Pool/AP)

Uma autoridade francesa disse que há opiniões divergentes com os negociadores italianos sobre alguns temas, incluindo saúde sexual e reprodutiva e vacinas.

O ministro das Relações Exteriores italiano, Antonio Tajani, confirmou que o aborto está sendo discutido, mas disse que as negociações continuam.

Nick O’Connell, vice-diretor do Conselho do Atlântico, afirmou: “Embora seja improvável que os resultados recentes mudem radicalmente o foco da próxima cimeira do G7, esta vitória eleitoral oferece ao Primeiro-Ministro Meloni uma vantagem adicional para enquadrar esta como uma essencialmente ‘Cimeira Mediterrânica’. ”

Isso inclui impulsionar a sua agenda de migração enquanto ela procura alavancar o seu programa para uma relação não exploratória com África para impulsionar o desenvolvimento, ao mesmo tempo que restringe a migração ilegal para a Europa.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading