Guerra na Ucrânia – Quase 80 países concordam que a integridade territorial da Ucrânia deve ser a base do acordo de paz

Quase 80 países apelaram conjuntamente para que a “integridade territorial” da Ucrânia fosse a base de qualquer acordo de paz para pôr fim à guerra da Rússia, embora algumas das principais nações em desenvolvimento numa conferência suíça não tenham assinado.

O comunicado conjunto de domingo encerrou uma conferência de dois dias no resort Burgenstock, na Suíça, marcada pela ausência da Rússia, que não foi convidada, mas que muitos participantes esperavam poder juntar-se num roteiro para a paz.

Cerca de 100 delegações, na sua maioria países ocidentais, mas também algumas nações em desenvolvimento importantes, participaram na conferência – e os especialistas estavam atentos para ver como e se é que poderiam alinhar-se em torno do documento final.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, é visto na tela durante a sessão plenária da cúpula da paz na Suíça (Urs Flueeler/Keystone/AP)

Os participantes Índia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos estiveram entre os que não assinaram o documento final, que se concentrou em questões de segurança nuclear, segurança alimentar e troca de prisioneiros.

O documento final, acordado por 78 nações, afirma que a Carta da ONU e “o respeito pela integridade territorial e pela soberania… podem e servirão de base para alcançar uma paz abrangente, justa e duradoura na Ucrânia”.

Analistas dizem que a conferência de dois dias provavelmente terá pouco impacto concreto no sentido de acabar com a guerra porque o país que a lidera e dá continuidade, a Rússia, não foi convidado – por enquanto.

O seu principal aliado, a China, que não participou, e o Brasil, que esteve presente na reunião como observador, procuraram em conjunto traçar rotas alternativas para a paz.

A reunião também procurou devolver a atenção à guerra, numa altura em que o conflito em Gaza, as eleições nacionais e outras preocupações atraíram a atenção mundial.

Os três temas da segurança nuclear, segurança alimentar e troca de prisioneiros foram apresentados na declaração final.

Suíça Rússia Ucrânia Guerra
A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, disse que os três temas de segurança nuclear, segurança alimentar e troca de prisioneiros equivalem a “condições mínimas” para negociações com a Rússia (Alessandro Della Valle/Keystone/AP)

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, disse que se trata de “condições mínimas” para negociações com a Rússia, aludindo a quantas outras áreas de desacordo entre Kiev e Moscovo serão mais difíceis de superar.

O primeiro-ministro do Qatar, Xeque Mohammed bin Abdulrahman Al Thani, observou um dia antes que o seu rico país do Golfo organizou conversações com delegações ucranianas e russas sobre a reunificação de crianças ucranianas com as suas famílias, que até agora resultaram no reencontro de 34 crianças.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, falando a repórteres no resort no sábado, disse que “vai exigir trabalho” e que os países se empenhem para aproveitar os esforços de nações como o Catar.

“Vai chamar a atenção da comunidade internacional, não apenas das vozes dos Estados Unidos ou da Europa, mas também de vozes incomuns, para dizer que o que a Rússia fez aqui é mais do que repreensível e deve ser revertido”, disse ele.

Guerra Rússia Ucrânia
O conselheiro de segurança dos EUA, Jake Sullivan, um acordo de paz ‘vai dar trabalho’ (Alessandro della Valle/Keystone/AP)

O governo ucraniano acredita que 19.546 crianças foram deportadas ou deslocadas à força, e a Comissária Russa para os Direitos da Criança, Maria Lvova-Belova, confirmou anteriormente que pelo menos 2.000 foram retiradas de orfanatos ucranianos.

O primeiro-ministro de Montenegro, Milojko Spajic, disse na reunião no domingo: “Como pai de três filhos, estou profundamente preocupado com milhares de crianças ucranianas transferidas à força para a Rússia ou para os territórios da Ucrânia ocupados pela Rússia”.

“Todos nós nesta mesa precisamos fazer mais para que as crianças da Ucrânia voltem à Ucrânia”, acrescentou.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading