Guerra na Ucrânia – Rússia coloca presidente ucraniano Zelensky na lista de procurados

A Rússia colocou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na sua lista de procurados, informou a mídia estatal.

Na tarde de sábado, tanto Zelensky como o seu antecessor, Petro Poroshenko, figuravam na lista do ministério de pessoas procuradas por acusações criminais não especificadas.

As autoridades russas não esclareceram imediatamente as acusações contra Zelensky e Poroshenko, e o meio de comunicação independente russo Mediazona afirmou que os dois estavam na lista há meses.

Numa declaração online publicada no mesmo dia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia rejeitou os relatos da inclusão de Zelensky como prova do “desespero da máquina estatal russa e da propaganda”.

A lista de procurados da Rússia também inclui dezenas de funcionários e legisladores da Ucrânia e de países da OTAN.

Entre eles está Kaja Kallas, a primeira-ministra da NATO e da Estónia, membro da UE, que tem defendido veementemente o aumento da ajuda militar a Kiev e sanções mais fortes contra Moscovo.

Autoridades russas disseram em fevereiro que Kallas é procurada por causa dos esforços de Tallinn para remover monumentos da era soviética aos soldados do Exército Vermelho na nação báltica, em um expurgo tardio do que muitos consideram símbolos da opressão passada.

Outros membros da NATO, a Letónia, a Lituânia e a Polónia, também demoliram monumentos que são amplamente vistos como um legado indesejado da ocupação soviética desses países.

A Rússia tem leis que criminalizam a “reabilitação do nazismo” que incluem a punição da “profanação” de memoriais de guerra.

A primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, também foi nomeada (AP)

Também na lista da Rússia estão ministros da Estónia e da Lituânia, bem como o procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), que no ano passado preparou um mandado para o Presidente Vladimir Putin sob acusações de crimes de guerra.

Moscovo também acusou o chefe da inteligência militar da Ucrânia, Kyrylo Budanov, do que considera actividades “terroristas”, incluindo ataques de drones ucranianos contra infra-estruturas russas.

O Kremlin tem repetidamente procurado ligar os líderes da Ucrânia ao nazismo, apesar de o país ter um presidente judeu democraticamente eleito que perdeu familiares no Holocausto, e apesar do objectivo de muitos ucranianos de fortalecer a democracia do país, reduzir a corrupção e aproximar-se do Ocidente. .

Moscovo nomeou a “desnazificação, a desmilitarização e um estatuto neutro” da Ucrânia como os principais objectivos daquilo que insiste em chamar de “operação militar especial” contra o seu vizinho do sul.

A alegação de “desnazificação” refere-se às falsas afirmações da Rússia de que o governo da Ucrânia é fortemente influenciado por grupos nacionalistas radicais e neonazis – uma alegação ridicularizada por Kiev e pelos seus aliados ocidentais.

O Holocausto, a Segunda Guerra Mundial e o nazismo foram ferramentas importantes para Putin na sua tentativa de legitimar a guerra da Rússia na Ucrânia.

A Segunda Guerra Mundial, na qual a União Soviética perdeu cerca de 27 milhões de pessoas, é uma parte fundamental da identidade nacional da Rússia, e as autoridades irritam-se com qualquer questionamento do papel da ex-URSS.

Alguns historiadores dizem que isto está associado a uma tentativa da Rússia de reformular certas verdades históricas da guerra.

Dizem que a Rússia tentou ampliar o papel soviético na derrota dos nazis, ao mesmo tempo que minimizou qualquer colaboração dos cidadãos soviéticos na perseguição dos judeus, juntamente com alegações de crimes cometidos por soldados do Exército Vermelho contra civis na Europa de Leste.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS