Guerra na Ucrânia – Zelenskiy vê ‘história sendo feita’ na conferência de paz na Ucrânia, sediada na Suíça

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, previu no sábado que “a história está sendo feita” na conferência organizada pela Suíça que visa planejar os primeiros passos para a paz na Ucrânia.

Especialistas e críticos dizem que se espera pouca substância ou poucos grandes avanços porque a Rússia não está presente.

Os presidentes do Equador, Costa do Marfim, Quénia e Somália juntaram-se a dezenas de chefes de estado e de governo ocidentais e outros líderes e enviados de alto nível na reunião, na esperança de que a Rússia, que está a travar uma guerra contra a Ucrânia, possa juntar-se um dia.

Numa breve declaração aos jornalistas, juntamente com a presidente suíça, Viola Amherd, Zelenskiy procurou considerar o encontro um sucesso, dizendo: “Conseguimos trazer de volta ao mundo a ideia de que esforços conjuntos podem parar a guerra e estabelecer uma paz justa.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, participa de uma coletiva de imprensa como parte da cúpula de paz (Laurent Cipriani/AP)

“Acredito que testemunharemos a história sendo feita aqui na cúpula.”

As autoridades suíças que organizam a conferência dizem que mais de 50 chefes de estado e de governo se juntarão à reunião no resort Burgenstock, com vista para o Lago Lucerna.

Cerca de 100 delegações, incluindo organismos europeus e as Nações Unidas, estarão presentes.

Quem comparecerá e quem não comparecerá tornou-se uma das principais questões de uma reunião que os críticos dizem que será inútil sem a presença do governo do presidente russo Vladimir Putin, que invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022 e está avançando com a guerra.

Quando a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, chegou ao local, ônibus circularam por uma estrada montanhosa que serpenteava até o local, às vezes com engarrafamentos, com a polícia ao longo do trajeto verificando a identidade dos jornalistas e helicópteros transportando VIPs zumbindo no alto.

A Turquia e a Arábia Saudita enviaram os seus ministros dos Negócios Estrangeiros, enquanto os principais países em desenvolvimento como o Brasil, um observador no evento, a Índia e a África do Sul estarão representados em níveis mais baixos.

A China, que apoia a Rússia, junta-se a vários países que estão de fora da conferência, muitos dos quais têm questões mais prementes do que o conflito mais sangrento na longínqua Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Pequim diz que qualquer processo de paz precisa de ter a participação da Rússia e da Ucrânia e apresentou as suas próprias ideias para a paz.

No mês passado, a China e o Brasil concordaram em seis “entendimentos comuns” sobre uma solução política para a crise da Ucrânia, pedindo a outros países que os apoiassem e desempenhassem um papel na promoção de conversações de paz.

Os seis pontos incluem um acordo para “apoiar uma conferência internacional de paz realizada num momento adequado que seja reconhecida tanto pela Rússia como pela Ucrânia, com participação igual de todas as partes, bem como uma discussão justa de todos os planos de paz”.

Zelenskiy liderou recentemente um esforço diplomático para atrair participantes para a cimeira suíça.

As tropas russas, que controlam agora quase um quarto das terras ucranianas no leste e no sul, obtiveram alguns ganhos territoriais nos últimos meses.

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, sai de um carro no resort Burgenstock
A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, chega ao resort Burgenstock (Keystone/Michael Buholzer/AP)

Quando começaram a falar de uma iniciativa de paz organizada pela Suíça no Verão passado, as forças ucranianas tinham recentemente recuperado grandes áreas de território, nomeadamente perto das cidades do sul de Kherson e do norte de Kharkiv.

Tendo como pano de fundo o campo de batalha e a estratégia diplomática, os organizadores da cimeira apresentaram três pontos da agenda: segurança nuclear, como na central eléctrica de Zaporizhzhia, controlada pela Rússia; assistência humanitária e troca de prisioneiros de guerra; e a segurança alimentar global, que foi por vezes perturbada devido a impedimentos nas remessas através do Mar Negro.

Essa lista de tarefas, que engloba algumas das questões menos controversas, está muito aquém das propostas e esperanças apresentadas por Zelenskiy numa fórmula de paz de 10 pontos no final de 2022.

O plano inclui apelos ambiciosos, incluindo a retirada das tropas russas do território ucraniano ocupado, a cessação das hostilidades e a restauração das fronteiras estatais da Ucrânia com a Rússia, incluindo a Crimeia.

O governo de Putin, entretanto, quer que qualquer acordo de paz seja construído em torno de um projecto de acordo negociado nas fases iniciais da guerra que incluía disposições para o estatuto neutro da Ucrânia e limites às suas forças armadas, ao mesmo tempo que adia as conversações sobre as áreas ocupadas pela Rússia.

A pressão da Ucrânia ao longo dos anos para aderir à aliança militar da NATO irritou Moscovo.

Andrzej Duda, presidente da Polónia, sai de um carro na cimeira
O presidente polonês Andrzej Duda chega para a cúpula (Urs Flueeler/Keystone/AP)

A Ucrânia não consegue negociar numa posição de força, dizem os analistas.

“A situação no campo de batalha mudou dramaticamente”, disse Alexander Gabuev, diretor do Carnegie Russia Eurasia Centre, afirmando que embora a Rússia “não consiga atingir rapidamente os seus objetivos maximalistas através de meios militares, está a ganhar impulso e a pressionar muito a Ucrânia”. .

“Portanto, muitos países que vêm para a cimeira questionarão se a fórmula de paz de Zelenskiy ainda tem pernas”, disse ele na quarta-feira.

Com grande parte do foco do mundo recentemente na guerra em Gaza e nas eleições nacionais de 2024, os apoiantes da Ucrânia querem voltar a concentrar-se na violação do direito internacional pela Rússia e na restauração da integridade territorial da Ucrânia.

Na sexta-feira, Putin chamou a conferência de “apenas mais uma manobra para desviar a atenção de todos”.

O International Crisis Group, uma empresa de consultoria que trabalha para acabar com conflitos, escreveu esta semana que “na ausência de uma grande surpresa no Burgenstock”, o evento “é pouco provável que tenha muitas consequências”.

“No entanto, a cimeira suíça é uma oportunidade para a Ucrânia e os seus aliados sublinharem o que a Assembleia Geral da ONU reconheceu em 2022 e repetiu na sua resolução de fevereiro de 2023 sobre uma paz justa na Ucrânia: a agressão total da Rússia é uma violação flagrante do direito internacional. ”, dizia.

Os especialistas dizem que analisarão o texto de qualquer documento final e os planos para o futuro.

As autoridades suíças, conscientes das reticências da Rússia em relação à conferência, disseram repetidamente que esperam que a Rússia possa um dia juntar-se ao processo, tal como as autoridades ucranianas.

Enquanto os líderes se dirigiam para o local da conferência, a guerra continuava.

O governador Vyacheslav Gladkov, da região de Belgorod, no sul da Rússia, escreveu nas redes sociais, culpou a Ucrânia pelo bombardeio de sexta-feira que atingiu um prédio de apartamentos de cinco andares na cidade de Shebekino, matando cinco pessoas.

Na Ucrânia, os bombardeamentos mataram pelo menos três civis e feriram outros 15 na sexta-feira e durante a noite, disseram autoridades regionais.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading