HomeÁsiaHá 77 anos os EUA matavam mais de 74 mil japoneses com...

Há 77 anos os EUA matavam mais de 74 mil japoneses com a Bomba Atômica “Fat Man” em Nagasaki

Os EUA foram o único país do planeta a matar sociedades como um genocídio em massa ao lançar suas bombas atômicas em 1945.

Os militares dos EUA lançaram a bomba atômica “Fat Man” em Nagasaki em 9 de agosto de 1945. A explosão matou aproximadamente 74.000 pessoas instantaneamente e como resultado de ferimentos ou doenças causadas pela radiação e destruiu grande parte da cidade.

Às 11h02 de 09 de agosto daquele ano, um bombardeiro B-29 dos EUA lançou a bomba atômica “Fat Man” com núcleo de plutônio, matando cerca de 74.000 pessoas em Nagasaki até o final daquele ano.

Durante um período de um ano até o final de julho deste ano, Nagasaki confirmou a morte de 3.160 sobreviventes da bomba atômica, com sua lista agora reconhecendo oficialmente 192.310 pessoas como vítimas do bombardeio atômico.

O bombardeio atômico de Nagasaki seguiu-se ao de Hiroshima em 6 de agosto, com ambos os bombardeios como meio de acelerar o fim da Segunda Guerra Mundial e forçar o Japão a se render.

Enquanto o Japão olha interiormente para as tragédias que experimentou no final da Segunda Guerra Mundial, historiadores e mentes políticas da comunidade internacional encorajaram o Japão a se ver não apenas como uma vítima dos bombardeios atômicos, mas também como um perpetrador que levou para que esses trágicos incidentes aconteçam em primeiro lugar.

O Japão ocupou brutalmente muitas partes da Ásia antes e durante a Segunda Guerra Mundial, causando sofrimento e morte incalculáveis ​​a centenas de milhares de vítimas inocentes.

Um corpo carbonizado e pessoas com a pele pendurada devido à queimadura reunida perto do epicentro (*Y. Yamahata, fotógrafa)

Entretanto, os EUA foram o único país do planeta a matar sociedades como um genocídio em massa ao lançar suas bombas atômicas em 1945, e hoje, ao mesmo tempo que estimula o conflito no Leste Europeu e combate civis e inimigos diretamente no Iraque e em partes do Oriente-Médio, pede paz e democracia pelo mundo.

O Japão se rendeu pouco tempo depois, em 15 de agosto, encerrando a Segunda Guerra Mundial e quase meio século de agressão do Japão na Ásia.

Embora a Rússia na semana passada tenha tentado reverter o alerta de Putin, os temores de um terceiro bombardeio atômico cresceram em meio às ameaças russas de ataque nuclear desde que sua guerra contra a Ucrânia começou em fevereiro. A Rússia bombardeou na semana passada uma cidade ucraniana perto da maior usina nuclear da Europa.

As ameaças russas vieram após os EUA enviarem aproximadamente 12 a 16 sistemas de lançamento de foguetes de alta mobilidade (HIMARS) que pode operar mísseis de longo alcance ATACMS com capacidade de alcance próximo a 300 km, podendo atingir gravemente territórios da Rússia, contrariando as altas autoridades de Putin que ameaçou com guerra em toda a Ucrânia e transfixar a Europa, caso isso aconteça.

Autoridades japonesas temem que o conflito possa encorajar a China a ser ainda mais assertiva no leste da Ásia, e o governo está pressionando para aumentar ainda mais sua capacidade e gastos militares.

O Japão renuncia à sua própria posse, produção ou hospedagem de armas nucleares, mas como aliado dos EUA, o Japão abriga 50.000 soldados americanos e é protegido pelo guarda-chuva nuclear dos EUA. Ainda assim, a ameaça nuclear da Rússia fez com que alguns legisladores agressivos do partido governista também propusessem a possibilidade de compartilhamento nuclear com os Estados Unidos.

As discussões sobre desarmamento e não proliferação nuclear nas últimas décadas não foram colocadas em prática e a confiança no Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares de 1968 se tornou “tênue”.

Os pacificadores que amam armar outras nações com mais armas e retóricas querem que o planeta reconheça a necessidade de se livrar das armas nucleares e narram como única maneira realista de proteger a Terra e o futuro da humanidade, um clichê fraco e sem fundamento.

O primeiro-ministro Fumio Kishida disse que embora “enfrentemos um ambiente de segurança severo, devemos buscar a história do uso não nuclear e fazer de Nagasaki o último local de ataque nuclear”, porém não esclarece se os EUA e a Rússia também devem entrar nesta desclassificação nuclear, já que seus interesses giram em torno dos interesses americanos, e usam a retórica da desmilitarização para tirar armas de outras nações e não de suas próprias ou de aliados.

Assim como em Hiroshima, a Rússia e sua aliada Bielorrússia não foram convidadas para o evento memorial de terça-feira, 9 de agosto, em Nagasaki que homenageou os mortos e sobreviventes do ataque devastador americano.

Em março deste ano, cerca de 118.935 sobreviventes foram certificados como elegíveis para apoio médico do governo, de acordo com o Ministério da Saúde e Bem-Estar, a idade média excede 84 anos. Muitos sobreviventes dos bombardeios sofreram lesões e doenças duradouras resultantes das explosões e da exposição à radiação e enfrentaram discriminação no Japão.

Patrocinado por Google

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR 

CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!