‘Inconcebível’: esforços desesperados de resgate em Kiev após míssil russo atingir hospital infantil

QUIIV, Ucrânia — “Não é seguro, não é seguro. Precisamos ir agora”, gritou uma mulher para as pessoas que corriam para se abrigar em Maidan Nezalezhnosti, no coração da capital ucraniana, enquanto os sons das defesas aéreas trovejavam no alto.

Quando as primeiras sirenes soaram em Kiev às 9h52, muitos residentes mudaram-se para abrigos, estações de metro e caves. Outros continuaram com suas rotinas, cansados ??dos porões de concreto e dos barulhentos corredores subterrâneos – e das interrupções em suas vidas diárias.

Ao longo de dois anos de invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, estas sirenes são uma ocorrência regular. Segunda-feira seria muito diferente, com pelo menos 22 pessoas mortas só na capital e outras 14 vítimas noutros locais da Ucrânia, juntamente com 136 feridos.

Cerca de meia hora depois das primeiras sirenes, os primeiros sons dos sistemas antimísseis de saída ecoaram no centro da cidade – indicando a gravidade da situação.

Os que ainda estavam nas ruas correram para o abrigo mais próximo, percebendo a gravidade da ameaça. Faixas brancas dos sistemas de defesa aérea de Kiev cruzaram o céu, seguidas por estrondosos estrondosos.

Na estação de metrô Maidan, centenas de pessoas se amontoaram no chão, esperando o fim do ataque. As crianças brincavam nos telefones dos pais enquanto os adultos conversavam ansiosamente, tentando passar o tempo.

Acima do solo, dezenas de mísseis russos atingiram o centro de Kiev.

Quando uma jovem saiu do subsolo para atravessar a rua, várias explosões eclodiram. Aterrorizada, ela voltou correndo em lágrimas. Uma nuvem de fumaça negra subiu atrás do Maidan.

A dois quilómetros do centro da cidade, um míssil russo atingiu Okhmatdyt, o principal hospital infantil da Ucrânia. As sirenes estridentes de ambulâncias e caminhões de bombeiros enchiam as ruas enquanto a fumaça subia sobre a cidade.

No hospital, centenas de funcionários, civis e equipes de emergência começaram a cavar nos escombros, tentando desesperadamente resgatar médicos e crianças presos sob os escombros.

Valentina, uma médica ucraniana, estava operando uma menina quando ocorreu a primeira explosão. Ela explicou que era impossível interromper a cirurgia.

Como o hospital estava sendo evacuado, os cirurgiões tiveram que continuar as operações ou fechar os pacientes o mais rápido possível.

A unidade de cardiologia de Valentina, localizada a cerca de 50 metros do local da explosão, sofreu danos significativos.

A maioria das janelas e a fachada do edifício foram destruídas, mas o número de vítimas foi surpreendentemente baixo.

“Muitas pessoas tiveram reações agudas de estresse”, disse ela, “e precisávamos ajudar todos aqui antes da chegada da equipe de resgate”.

Valentina e sua equipe conseguiram concluir a cirurgia e evacuar para um local seguro antes da segunda explosão. Seu paciente sobreviveu à cirurgia e ao trauma.

A unidade de terapia intensiva sofreu o impacto da explosão. Enquanto a fumaça saía dos restos do telhado, dezenas de voluntários formaram uma corrente humana, passando por tijolos, escombros e móveis quebrados. Os bombeiros trabalharam incansavelmente para extinguir as chamas.

Dezenas de civis feridos, muitos cobertos de sangue, vagavam atordoados, bebendo água engarrafada fornecida por voluntários. Os médicos lutaram em meio ao caos para atender os feridos, enquanto muitos voluntários mais próximos do local da explosão sofreram com a inalação de fumaça.

Dinara, uma voluntária de cerca de 20 anos que trabalhava na remoção de escombros, disse que, embora não conhecesse ninguém no hospital, deixou o trabalho no outro lado da cidade imediatamente ao saber da explosão.

“Um ataque a um hospital infantil é impensável”, disse ela, explicando a sua compulsão por ajudar.

Voluntários inundaram a área de todas as direções, carregando garrafas de água, suprimentos de primeiros socorros e alimentos. Alguns chegaram com carros cheios de itens que haviam acabado de comprar nos supermercados locais. Dois adolescentes arrastaram um carrinho de compras cheio de garrafas de água escada abaixo. Além do complexo hospitalar, centenas de pessoas correram em direção ao hospital com suprimentos essenciais.

Equipes de emergência no local da explosão trabalharam incansavelmente para evacuar o prédio, retirando sobreviventes e falecidos.

Os sobreviventes receberam atenção médica imediata, enquanto os mortos – crianças, funcionários do hospital e pais – foram deitados na grama sob escolta policial.

Perto dali, funcionários do hospital resgataram dos destroços equipamentos médicos vitais, incluindo incubadoras infantis e camas hospitalares.

A cena estava repleta de móveis quebrados e jalecos manchados de sangue. Os funcionários do hospital, alguns fumando e outros chorando, ficaram em estado de choque. Uma mulher estava sentada no chão, com o rosto entre as mãos, soluçando incontrolavelmente.

Quando outra sirene de ataque aéreo soou pouco antes das 13h, as equipes de emergência começaram a evacuar os voluntários, a equipe médica e a imprensa, temendo um segundo ataque direcionado aos que estavam no local. Embora tenham sido ouvidos mais dois foguetes de defesa aérea, um segundo ataque não ocorreu.

À medida que o número de mortos foi divulgado, ficou claro que o ataque a Okhmatdyt foi um dos ataques mais mortíferos a Kiev desde o início da invasão em grande escala da Rússia em Fevereiro de 2022. Um major do exército no local relatou pelo menos 20 mortes, com o número de mortos espera-se que suba.

“O mundo inteiro deve agir tão decisivamente quanto possível para pôr fim aos ataques aéreos russos. Assassinato – isto é o que Putin traz. Só juntos podemos alcançar a verdadeira paz e segurança”, escreveu o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, no seu canal Telegram.

Moscovo, entretanto, afirmou que os danos dos mísseis em Kiev foram causados ??pelos próprios sistemas de defesa aérea da Ucrânia, dizendo que as suas forças atingiram os “alvos pretendidos” da indústria de defesa e das instalações militares.

Mas para Kiev e os seus residentes, o dia 8 de Julho será provavelmente lembrado como um dos dias mais dolorosos e solenes da guerra.

… temos um pequeno favor a pedir. Como já deve ter ouvido, o The Moscow Times, uma fonte de notícias independente há mais de 30 anos, foi injustamente rotulado como um “agente estrangeiro” pelo governo russo. Esta tentativa flagrante de silenciar a nossa voz é um ataque direto à integridade do jornalismo e aos valores que prezamos.

Nós, os jornalistas do The Moscow Times, recusamo-nos a ser silenciados. O nosso compromisso de fornecer relatórios precisos e imparciais sobre a Rússia permanece inabalável. Mas precisamos da sua ajuda para continuar a nossa missão crítica.

Seu apoio, por menor que seja, faz toda a diferença. Se você puder, por favor, apoie-nos mensalmente a partir de apenas $2. É rápido de configurar e você pode ter certeza de que está causando um impacto significativo todos os meses ao apoiar o jornalismo aberto e independente. Obrigado.

Continuar

métodos de pagamento

Não está pronto para oferecer suporte hoje?
Lembre-me mais tarde.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading