Leste Europeu – A ameaça de uma nova rebelião na Federação Russa: o Kremlin e as forças de segurança estão tentando impedir novas “atuações” – mídia

Segundo jornalistas, Prigozhin deixou um legado na forma de unidades com experiência em combate na Ucrânia, na África e no Oriente Médio. Os serviços especiais da Rússia já estão a tentar impedir protestos como o PMC Wagner em Junho.

A liderança do Kremlin admite que, apesar da eliminação física do líder dos mercenários, Yevgeny Prigozhin, a ameaça de uma nova rebelião militar na Federação Russa não desapareceu. Sobre isso escreve The Moscow Times, citando fontes próximas ao Kremlin nas Forças Armadas de RF.

Observa-se que os serviços especiais da Federação Russa já estão trabalhando para evitar a repetição de discursos semelhantes aos proferidos pelos mercenários do PMC Wagner em junho.

Os veículos blindados, que pararam a apenas 200 km de Moscovo, causaram uma impressão indelével no presidente russo, Vladimir Putin, que permanece no poder há mais de duas décadas. Prigozhin, além de desafiar a liderança do Exército, desobedeceu pessoalmente às ordens do presidente. Ele foi reconhecido como uma ameaça ao regime, segundo quatro fontes de jornalistas próximos às autoridades do Kremlin.

Eliminação do PMC “Wagner”

Prigozhin deixou um legado na forma de unidades militares com experiência de combate na Ucrânia, no continente africano e nos países do Médio Oriente. A isto se somam recursos de mídia, canais de telegramas e tecnólogos políticos. A existência do PMC de Prigozhin nesta forma não é do interesse do Kremlin: a formação paramilitar será dissolvida.

Segundo Oleg Ignatov, analista do International Crisis Group, muitos mercenários estão convencidos de que as autoridades estiveram envolvidas no assassinato de Prigozhin e a liderança do regime do Kremlin não pode ignorar tais riscos.

Dois dias após o assassinato de Prigozhin, o chefe do Kremlin emitiu um decreto determinando que os “wagneristas” deveriam jurar lealdade – jurar diante da bandeira do estado para defender o atual “sistema constitucional”.

Putin está a tentar reforçar o controlo sobre as PMC para que a crise não se repita, disse Natia Seskuria, investigadora do Royal United Services Institute, com sede em Londres.

Entre os apoiadores de Prigozhin pode haver quem não jure lealdade, acredita o interlocutor.

“Isto poderia potencialmente criar problemas para Putin a longo prazo”, explicou.

Lembre-se que Lukashenka alertou Prigozhin sobre a tentativa de assassinato, tentando parecer independente do Kremlin. Esta opinião foi expressa pelos analistas da ISW num resumo datado de 25 de agosto.

Também foi relatado que um representante da Duma Estatal da Federação Russa disse que o PMC Wagner deixaria de existir. O deputado russo e general Viktor Sobolev sugeriram que os mercenários assinassem um contrato com o Ministério da Defesa ou renunciassem.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading