Ministério de TI exclusivo da Índia teme perder para China e Vietnã na corrida às exportações de smartphones

A Índia corre o risco de perder para a China e o Vietname, à medida que procura tornar-se um importante centro de exportação de smartphones e deve “agir rapidamente” para atrair empresas globais com tarifas mais baixas, disse o vice-ministro de TI em documentos governamentais vistos pela Reuters.

A fabricação de smartphones é um pilar fundamental das ambições do primeiro-ministro Narendra Modi de impulsionar a economia e criar empregos, atraindo empresas como Apple, Foxconn e Samsung para a Índia, o segundo maior mercado móvel do mundo, onde a produção cresceu 16% ano a ano para US$ 44 bilhões no ano passado.

Esse sucesso, diz o governo de Modi, deve-se principalmente aos incentivos financeiros dados às empresas para produzirem mais. Mas legisladores e grupos de lobby da Apple e de outras empresas argumentam que as altas tarifas da Índia são um impedimento para as empresas que reduzem o risco das suas cadeias de abastecimento fora da China, e países como o Vietname, a Tailândia e o México avançaram nas exportações de telefones, oferecendo tarifas mais baixas sobre componentes.

Estamos nos canais do WhatsApp. Clique juntar-se.

Uma carta de 3 de Janeiro e uma apresentação confidencial redigida pelo vice-ministro indiano de TI, Rajeev Chandrasekhar, e enviada ao Ministro das Finanças, mostram a extensão das preocupações do seu ministério em perder devido às tarifas não competitivas.

“A Índia tem custos de produção elevados devido às tarifas mais elevadas entre os principais destinos industriais”, escreveu Chandrasekhar nos documentos, que foram vistos pela Reuters.

“O realinhamento geopolítico está a forçar as cadeias de abastecimento a sair da China… Temos de agir agora, ou elas mudarão para o Vietname, o México e a Tailândia.”

Chandrasekhar e o ministério de TI da Índia não responderam aos pedidos de comentários da Reuters.

Tarifas mais baixas sobre componentes são fundamentais para as ambições da Índia de atrair fabricantes de smartphones.

Os telefones “Made in India” usam muitas peças fabricadas localmente, mas as empresas importam muitas peças de alta qualidade da China e de outros lugares devido a limitações da cadeia de abastecimento. Estas peças ficam então sujeitas às elevadas tarifas que o governo instituiu para proteger os fabricantes locais, aumentando os custos globais.

O Embaixador dos EUA, Eric Garcetti, disse recentemente que os investimentos estrangeiros não estavam a fluir para a Índia ao ritmo que deveriam e, em vez disso, estavam a ir para países como o Vietname, por causa das tarifas. “Se você tributa insumos… você não está protegendo um mercado. O que você está fazendo é limitando um mercado”, disse ele.

Chandrasekhar, nos seus documentos, destacou como a redução dos impostos na China e no Vietname ajudou a impulsionar as suas exportações. As exportações representaram apenas 25% da produção de smartphones da Índia no ano passado, em comparação com 63% da produção de 270 mil milhões de dólares da China e 95% dos 40 mil milhões de dólares do Vietname, disse ele.

“COMBINAR COM A CHINA, VENCER O VIETNÔ

A Índia pretende ser responsável por 25% da produção mundial de eletrónica até 2029, mas os documentos oficiais mostram que a sua participação é atualmente de apenas 4%, apesar de a Apple, a Foxconn e a Xiaomi terem aumentado a produção recentemente.

Os documentos de Chandrasekhar foram endereçados à ministra das Finanças da Índia, Nirmala Sitharaman, no mês passado, para fazer lobby por tarifas mais baixas no orçamento anual. O Ministério das Finanças reduziu os impostos sobre alguns componentes, incluindo as coberturas das baterias, de 15% para 10%, mas não concordou com muitos outros pedidos de redução tarifária.

O ministério das finanças e o gabinete de Sitharaman não responderam aos pedidos de comentários.

A Índia ainda impõe um imposto de 20% sobre peças, incluindo carregadores, algumas placas de circuito e telefones totalmente montados. O ministro de TI queria que esses impostos fossem reduzidos para 15% este ano.

Chandrasekhar também argumentou que o Vietname e a China não cobram tarifas superiores a 10% sobre componentes dos seus parceiros comerciais de “nação mais favorecida” ou de nações com as quais tenham acordos de comércio livre. A Índia não faz isso e impõe tarifas “altas” sobre muitos componentes, disse ele.

“Temos de igualar a China e vencer o Vietname nas tarifas para atrair” cadeias de abastecimento globais, escreveu Chandrasekhar. “Nenhum país com tarifas elevadas tem ou pode atraí-los”.

SATURAÇÃO DO MERCADO LOCAL, FOCO NAS EXPORTAÇÕES

Na semana passada, a Xiaomi pediu privadamente a Nova Deli que reduzisse as tarifas sobre mais componentes utilizados em câmaras e cabos USB, dizendo que isso ajudaria a “alinhar-se com as economias industriais competitivas como a China e o Vietname”.

Embora o aumento da demanda local tenha ajudado a manter a lucratividade da indústria manufatureira local, Chandrasekhar disse em sua carta que este “mercado interno de smartphones estará em breve perto da saturação” e que os usuários não trocam de telefone com tanta frequência.

O objectivo da Índia de elevar a produção de telemóveis para mais de 100 mil milhões de dólares por ano – com 50% desse valor exportado – necessita de uma nova estratégia, disse o ministro.

“As tarifas estão a tornar-se um obstáculo”, disse o ministro na sua apresentação. “Precisamos mudar a política tarifária para se adequar às nossas novas ambições. Exportações, não internas.”

Além disso, leia outras notícias importantes de hoje:

Sam Altman diz que não gosta do nome ChatGPT! Chama isso de horrível. Portanto, se você está entrando no mundo da IA, certifique-se de nomear seu chatbot corretamente. Alguns detalhes interessantes neste artigo. Confira aqui.

Grande repressão tecnológica evitada! O iMessage da Apple e o mecanismo de busca Bing da Microsoft, o navegador Edge e o serviço de publicidade evitarão que novas regras estritas da União Europeia controlem as plataformas de Big Tech. Leia mais sobre isso aqui.

Amor baseado na situação financeira? Um dos poucos movimentos de namoro online que ainda deixa as pessoas enjoadas é filtrar possíveis parceiros com base na situação financeira, e sites como o Millionaire Match enfatizam a priorização do dinheiro. Saiba tudo sobre isso aqui.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading