Mundo – Irã envia à Rússia centenas de mísseis balísticos

Por Parisa Hafezi, John Irish, Tom Balmforth e Jonathan Landay Reuters

O Irã forneceu à Rússia um grande número de poderosos mísseis balísticos superfície-superfície, disseram seis fontes à Reuters, aprofundando a cooperação militar entre os dois países sancionados pelos EUA.

O fornecimento de cerca de 400 mísseis pelo Irã inclui muitos da família Fateh-110 de armas balísticas de curto alcance, como o Zolfaghar, disseram três fontes iranianas. Este míssil rodoviário móvel é capaz de atingir alvos a uma distância entre 300 e 700 km (186 e 435 milhas), dizem os especialistas.

O Ministério da Defesa do Irão e a Guarda Revolucionária – uma força de elite que supervisiona o programa de mísseis balísticos do Irão – recusaram-se a comentar. O Ministério da Defesa da Rússia não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Os embarques começaram no início de janeiro, depois que um acordo foi finalizado em reuniões no final do ano passado entre autoridades militares e de segurança iranianas e russas que ocorreram em Teerã e Moscou, disse uma das fontes iranianas.

Um oficial militar iraniano – que, tal como as outras fontes, pediu para não ser identificado devido à sensibilidade da informação – disse que houve pelo menos quatro carregamentos de mísseis e que haverá mais nas próximas semanas. Ele se recusou a fornecer mais detalhes.

Outro alto funcionário iraniano disse que alguns dos mísseis foram enviados à Rússia por navio através do Mar Cáspio, enquanto outros foram transportados por avião.00:27A aldeia ucraniana marcada por dois anos de guerra

“Haverá mais remessas”, disse a segunda autoridade iraniana. “Não há razão para esconder isso. Estamos autorizados a exportar armas para qualquer país que desejarmos.”

As restrições do Conselho de Segurança da ONU à exportação de alguns mísseis, drones e outras tecnologias pelo Irão expiraram em Outubro. No entanto, os Estados Unidos e a União Europeia sanções retidas sobre o programa de mísseis balísticos do Irão, no meio de preocupações sobre as exportações de armas para os seus representantes no Médio Oriente e para a Rússia.

Uma quarta fonte, familiarizada com o assunto, confirmou que a Rússia recebeu recentemente um grande número de mísseis do Irão, sem fornecer mais detalhes.

O porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse no início de janeiro que os Estados Unidos estavam preocupados com o facto de a Rússia estar perto de adquirir armas balísticas de curto alcance do Irão, além de mísseis já provenientes da Coreia do Norte.

Uma autoridade dos EUA disse à Reuters que Washington viu evidências de negociações avançando ativamente, mas nenhuma indicação ainda de entregas realizadas.

O Pentágono não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre as entregas de mísseis.

O principal promotor da Ucrânia disse na sexta-feira que os mísseis balísticos fornecidos pela Coreia do Norte à Rússia se mostraram pouco confiáveis ??no campo de batalha, com apenas dois dos 24 atingindo seus alvos. Moscovo e Pyongyang negaram que a Coreia do Norte tenha fornecido à Rússia munições usadas na Ucrânia.

Por outro lado, Jeffrey Lewis, especialista do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais em Monterey, disse que a família de mísseis Fateh-110 e o Zolfaghar eram armas de precisão.

“Eles são usados ??para apontar coisas de alto valor e que precisam de danos precisos”, disse Lewis, acrescentando que 400 munições poderiam causar danos consideráveis ??se usadas na Ucrânia. Ele observou, no entanto, que os bombardeios russos já eram “bastante brutais”.

ATRASO DA AJUDA DOS EUA ENFRAQUECE AS DEFESAS DA UCRÂNIA

Uma fonte militar ucraniana disse à Reuters que Kiev não registrou qualquer uso de mísseis balísticos iranianos pelas forças russas no conflito. O Ministério da Defesa ucraniano não respondeu imediatamente ao pedido de comentários da Reuters.

Após a publicação desta história, um porta-voz da Força Aérea da Ucrânia disse à televisão nacional que não tinha informações oficiais sobre a obtenção de tais mísseis pela Rússia. Ele disse que os mísseis balísticos representariam uma séria ameaça para a Ucrânia.

O ex-ministro da Defesa ucraniano Andriy Zagorodnyuk disse que a Rússia queria complementar o seu arsenal de mísseis num momento em que os atrasos na aprovação de um grande pacote de ajuda militar dos EUA no Congresso deixaram a Ucrânia com falta de munições e outros materiais.

“A falta de apoio dos EUA significa escassez de defesa aérea terrestre na Ucrânia. Então, eles querem acumular uma massa de foguetes e romper a defesa aérea ucraniana”, disse Zagorodnyuk, que preside o Centro de Estratégias de Defesa, com sede em Kiev, um grupo de reflexão sobre segurança, e aconselha o governo.

Kyiv tem repetidamente perguntado Teerã vai parar de fornecer drones Shahed à Rússia, que se tornaram um elemento básico dos ataques de longo alcance de Moscou às cidades e infraestruturas ucranianas, juntamente com uma série de mísseis.

A força aérea da Ucrânia disse em dezembro que a Rússia havia lançado 3.700 drones Shahed durante a guerra, que pode voar centenas de quilômetros e explodir com o impacto. Os ucranianos chamam-lhes “ciclomotores” devido ao som característico dos seus motores; as defesas aéreas derrubam dezenas deles a cada semana.

O Irã inicialmente negou fornecer drones à Rússia, mas meses mais tarde disse que forneceu um pequeno número antes de Moscou lançar a guerra contra a Ucrânia em 2022.

“Aqueles que acusam o Irão de fornecer armas a um dos lados da guerra na Ucrânia estão a fazê-lo para fins políticos”, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Nasser Kanaani, na segunda-feira, quando questionado sobre a entrega de drones por Teerão à Rússia. “Não demos nenhum drone para participar dessa guerra.”

Rob Lee, pesquisador sênior do Foreign Policy Research Institute, um think tank com sede na Filadélfia, disse que um fornecimento de mísseis Fateh-100 e Zolfaghar do Irã daria à Rússia uma vantagem ainda maior no campo de batalha.

“Eles poderiam ser usados ??para atacar alvos militares em profundidades operacionais, e os mísseis balísticos são mais difíceis de serem interceptados pelas defesas aéreas ucranianas”, disse Lee.

APROFUNDANDO LAÇOS COM MOSCOVO

Os governantes clericais linha-dura do Irão têm procurado constantemente aprofundar os laços com a Rússia e a China, apostando que isso ajudaria Teerão a resistir às sanções dos EUA e a acabar com o seu isolamento político.

A cooperação em defesa entre o Irão e a Rússia intensificou-se desde que Moscovo enviou dezenas de milhares de soldados para a Ucrânia em Fevereiro de 2022.

O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, encontrou-se com o chefe da Força Aeroespacial da Guarda Revolucionária do Irã, Amirali Hajizadeh, em Teerã, em setembro, quando drones, mísseis e sistemas de defesa aérea do Irã foram exibidos para ele, informou a mídia estatal iraniana.

E no mês passado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia disse esperar que o presidente Vladimir Putin e o seu homólogo iraniano, Ebrahim Raisi, assinassem em breve um novo tratado de cooperação amplo, após conversações em Moscovo, em Dezembro.

“Esta parceria militar com a Rússia mostrou ao mundo as capacidades de defesa do Irão”, disse o oficial militar. “Isso não significa que estamos tomando partido da Rússia no conflito na Ucrânia.”

Os riscos são elevados para os governantes clericais do Irão no meio da guerra entre Israel e o grupo islâmico palestiniano Hamas, que eclodiu depois de 7 de Outubro. Eles também enfrentam uma crescente dissidência interna devido a problemas económicos e restrições sociais.

Enquanto Teerão tenta evitar um confronto directo com Israel que poderia atrair os Estados Unidos, os seus aliados do Eixo da Resistência – incluindo o Hezbollah no Líbano e os Houthis no Iémen – atacaram alvos israelitas e norte-americanos.

Um diplomata ocidental informado sobre o assunto confirmou a entrega de mísseis balísticos iranianos à Rússia nas últimas semanas, sem fornecer mais detalhes.

Ele disse que as nações ocidentais estão preocupadas que a transferência recíproca de armas da Rússia para o Irão possa fortalecer a sua posição em qualquer possível conflito com os Estados Unidos e Israel.

O Irã disse em novembro que havia finalizado os acordos para que a Rússia lhe fornecesse caças Su-35, helicópteros de ataque Mi-28 e aeronaves de treinamento de pilotos Yak-130.

O analista Gregory Brew, do Eurasia Group, uma consultoria de risco político, disse que a Rússia é um aliado de conveniência para o Irã.

“A relação é transacional: em troca de drones, o Irão espera mais cooperação em segurança e armamento avançado, especialmente aeronaves modernas”, disse ele.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading