Mundo – Presidente da Namíbia, Hage Geingob, 82 anos, morre após diagnóstico de câncer

Por Tim Cocks Reuters

Presidente da Namíbia Hage Geingobde 82 anos, morreu no hospital na manhã de domingo, disse a presidência, semanas depois de ter sido diagnosticado com câncer.

Geingob estava no comando do país pouco povoado e maioritariamente árido da África Austral desde 2015, ano em que anunciou ter sobrevivido ao cancro da próstata.

O Vice-Presidente Nangolo Mbumba assume o comando da Namíbia – um centro mineiro com depósitos significativos de diamantes e do lítio, ingrediente para baterias de automóveis eléctricos – até às eleições presidenciais e parlamentares no final do ano.

Uma postagem da presidência na plataforma de mídia social X não deu a causa da morte, mas no final do mês passado a presidência disse que ele havia viajado para os Estados Unidos para “um novo tratamento de dois dias para células cancerígenas”, depois de ser diagnosticado após um exame médico regular. checar.

Nascido em 1941, Geingob era um político proeminente desde antes de a Namíbia alcançar a independência da África do Sul governada por uma minoria branca em 1990.

Ele presidiu o órgão que redigiu a constituição da Namíbia, tornando-se então o seu primeiro primeiro-ministro na independência, em 21 de março daquele ano, cargo que manteve até 2002.

‘CADEIAS DE INJUSTIÇA’

Em 2007, Geingob tornou-se vice-presidente da Organização Popular do Sudoeste Africano (SWAPO), à qual se juntou como agitador pela independência quando a Namíbia ainda era conhecida como Sudoeste Africano.

A SWAPO permaneceu no poder na Namíbia incontestada desde a independência. A antiga colónia alemã é tecnicamente um país de rendimento médio-alto, mas com enormes disparidades de riqueza.

“Não havia manuais que nos preparassem para cumprir a tarefa de desenvolvimento e prosperidade partilhada após a independência”, disse ele num discurso para assinalar o dia de 2018. “Precisávamos construir uma Namíbia em que as cadeias das injustiças do passado estaria quebrado.”

Geingob serviu como ministro do Comércio e da Indústria antes de se tornar primeiro-ministro novamente em 2012.

Ele venceu as eleições de 2014 com 87% dos votos, mas evitou por pouco um segundo turno com pouco mais da metade dos votos em uma votação subsequente em novembro de 2019.

Essas eleições seguiram-se a um escândalo de suborno governamental, no qual as autoridades teriam atribuído quotas de carapau à maior empresa de pesca da Islândia, a Samherji, em troca de propinas, segundo relatos dos meios de comunicação locais. O clamor resultante levou à renúncia de dois ministros.

No ano seguinte, Geingob lamentou que a riqueza da Namíbia ainda permanecesse concentrada nas mãos da sua minoria branca.

“A distribuição é um problema, mas como fazemos isso?” Geingob disse em sessão virtual em evento organizado pela organização internacional Horasis.

“Temos aqui uma questão racial, uma divisão racial histórica. Agora você diz que devemos pegar dos brancos e dar aos negros, não vai funcionar”, disse ele.

Os seus comentários foram feitos depois de o governo ter rescindido, por considerar impraticável, uma política que tornaria obrigatória para as empresas pertencentes a brancos a venda de uma participação de 25% a negros namibianos.

Geingob morreu no Hospital Lady Pohamba, em Windhoek, onde recebia tratamento da sua equipa médica, disse a presidência.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading