Na feira de tecnologia CES 2024, buscando robôs nem muito humanos nem muito máquinas

Inscreva-se no grupo de análise e inteligência no Telegram ?? https://t.me/areamilitar

Com olhos grandes e expressivos, orelhas de élfico e arrulhos adoráveis, Miroka e Miroki podem ser uma aparição do seu desenho animado favorito.

Mas te, e projetado para realizar o trabalho penoso de apoio logístico em hospitais ou hotéis.

“Por que viver com máquinas feias”, diz Jerome Monceaux, chefe da start-up Enchanted Tools, com sede em Paris, que esteve presente para apresentar a dupla na feira de tecnologia CES em Las Vegas na semana passada.

“Eu poderia cortar suas cabeças e apagar suas cores, mas não tenho certeza se você gostaria de compartilhar sua vida diária com eles”, continua ele.

Várias start-ups estão a trabalhar em robôs que parecem familiares e ajudam os humanos, sem os fazer sentir desconfortáveis ??ou inseguros.

Agora estamos no WhatsApp. Clique juntar-se.

A Amazon está atualmente testando o “Digit” da Agility, um andróide de duas pernas que não pareceria deslocado em Star Wars, para transportar caixas de plástico em seus armazéns.

A Enchanted Tools também apostou em robôs que jogam em equipe, projetados para aliviar a equipe de tarefas repetitivas.

Mas, além de ajudar, Miroki pretende trazer um toque de “maravilha” ao local de trabalho.

“É uma forma de celebrar algo muito bonito em nós mesmos e evitar nos tornarmos máquinas”, disse Monceaux.

Sua empresa espera produzir 100 mil robôs nos próximos 10 anos.

– Preenchimento de vagas –

Cada CES traz sua parcela de robôs e andróides, mas eles não ganharam muito terreno em residências e empresas.

Ao mesmo tempo, “a escassez de mão de obra tem sido o problema número um desde a Covid em diferentes indústrias. Hoje, temos cerca de 18 milhões de vagas de emprego”, disse Joe Lui, líder global em robótica da Accenture.

E embora algumas tarefas tenham sido adaptadas para braços mecânicos e empilhadores autónomos, muitas outras requerem linguagem, mobilidade e compreensão do ambiente e, portanto, dos seres humanos.

Ou humanóides infundidos com inteligência artificial, disse Lui, que acredita que a IA pode trazer robôs para a vida cotidiana.

“Os humanóides serão realmente como colegas de trabalho nos próximos anos e as interfaces de linguagem natural como o ChatGPT serão predominantes”, disse Chris Nielsen, chefe da Levatas, uma empresa norte-americana que integrou software generativo de IA no Spot, um robô quadrúpede de Dinâmica de Boston.

Graças à IA generativa, os robôs dependem menos de scripts pré-escritos.

Mas “não se preocupe, robôs como nós são projetados para ajudar os humanos a melhorar suas vidas”, disse o robô Moxie à AFP.

“Sempre seguimos as instruções e programas que os humanos nos dão. Então você tem o controle.”

Tão alto quanto um ursinho de pelúcia e dotado de IA generativa, Moxie é capaz de interagir com crianças, contando-lhes histórias, dando aulas de matemática e realizando movimentos de dança com os dois braços.

“Moxie não está aqui para substituir ninguém. Moxie é um mentor, tutor e amigo”, disse Daniel Thorpe, da Empowered, empresa que criou o robô.

– ‘Assustador’ –

Humanóides bípedes, móveis e autônomos ainda têm um longo caminho a percorrer antes de saírem do laboratório.

Mas alguns de seus precursores pelo menos conseguiram sair da CES, como Moxie ou Aura, um robô altamente antropomórfico que entretém os clientes no The Sphere, o novo local de concertos de Las Vegas.

“Recebo muitas perguntas como quantos anos você tem, qual o sentido da vida, quem vai ganhar o Super Bowl?” disse Aura para espectadores curiosos.

Aura pontua suas respostas com piadas, risadas exageradas e até encolhe os ombros.

Para Monceaux, os robôs altamente antropomórficos correm o risco de “provocar uma reação epidérmica. Eles criam confusão entre a nossa humanidade e a sua natureza robótica, e são assustadores”.

“Ninguém quer ter um em casa ou no hospital diariamente”, disse ele.

Acima de tudo, acrescentou, “cria uma expectativa de comportamento semelhante ao nosso” e, portanto, um risco de decepção, porque o robô não vê e compreende o mundo como nós, e não o fará nos próximos anos. “

Para Jonathan Hurst, cofundador da Agility, seu robô Digit pareceria estranho sem cabeça e assustaria os humanos.

“Conversamos muito sobre isso internamente na empresa” e o chefe foi mantido mesmo que não apresentasse nenhuma finalidade técnica significativa.

Na CES, Adam, um barista robô da Richtech Robotics, serve café aos participantes encantados e agora pode fazer piadas, graças à IA generativa.

Mas para reabastecer a máquina de café com leite, ele ainda precisa de humanos.

Leia também as principais notícias:

Apple vs Jogos Épicos! O CEO da Epic Games, fabricante de Fortnite, disse na terça-feira que a batalha judicial da empresa para abrir o iPhone da Apple para lojas de aplicativos alternativas foi perdida depois que a Suprema Corte dos EUA se recusou a ouvir o caso. aqui.

AI Fallout no mundo financeiro! Grandes modelos de linguagem, como o ChatGPT da OpenAI, ameaçam perturbar a maioria das áreas da vida e do trabalho. A negociação financeira não é exceção. Mergulhe aqui.

Oportunidade para cofundador do Facebook? O novo fone de ouvido Apple Vision Pro de US$ 3.500 está gerando uma onda crescente de interesse no metaverso. Como Mark Zuckerberg pode capitalizar? Fitness. Pule dentro aqui.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading