NASA se prepara para tempestade solar enquanto novas pesquisas desvendam a complexidade dos fenômenos solares

Antecipando uma tempestade solar iminente com pico em 2025, a NASA está a intensificar os seus preparativos para mitigar potenciais impactos na Terra. Previsões recentes da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) indicam uma previsão revisada para o Ciclo Solar 25, sugerindo um pico mais forte do que o esperado entre janeiro e outubro de 2024.

Ciclos solares, que ocorrem aproximadamente a cada 11 anos, marcam flutuações na atividade do Sol, notavelmente evidentes através das manchas solares, áreas onde o campo magnético é excepcionalmente forte. Com o pico que se aproxima, aumentam as preocupações relativamente às potenciais consequências para o nosso planeta.

Leia também: 5 coisas sobre IA que você pode ter perdido hoje: a demanda por cursos GenAI aumenta, as empresas europeias ficam atrasadas em habilidades de IA, mais

Sondando a explosão solar de 17 de abril de 2021

Historicamente, as tempestades solares mostraram as suas capacidades disruptivas. Em 17 de abril de 2021, uma extraordinária erupção solar enviou uma enorme nuvem de material solar para o espaço, atingindo velocidades próximas à da luz. Este evento, observado por múltiplas naves espaciais em vários locais entre o Sol e a Terra, destacou a natureza diversa das partículas energéticas solares (SEPs) libertadas durante tais fenómenos.

Liderada por Nina Dresing, da Universidade de Turku, uma equipe de cientistas estudou as características e origens das partículas. A análise, Publicados em Astronomia e Astrofísica, revelou que os SEPs podem representar uma ameaça à tecnologia, incluindo satélites e sistemas GPS, enquanto os humanos no espaço ou em rotas de voo polares podem ser expostos a radiações prejudiciais.

Leia também: O Telescópio Espacial James Webb da NASA captura NGC 604 e desvenda alguns mistérios da formação estelar

Mistérios Solares

Crucialmente, a pesquisa demonstrou que os SEPs deste evento originaram-se de múltiplas fontes e foram impulsionados em diferentes direções e em velocidades variadas. O estudo sugeriu que elétrons e prótons, constituindo os SEPs, podem ter origens e acelerações distintas, lançando luz sobre a complexidade dos eventos solares.

Esta descoberta ressalta a importância de adotar uma abordagem multiperspectiva para a exploração espacial. À medida que a NASA se prepara para futuras missões heliofísicas, incluindo a Geospace Dynamics Constellation, SunRISE, PUNCH e HelioSwarm, o foco estará na implantação de múltiplas naves espaciais para obter uma compreensão mais abrangente dos fenómenos solares generalizados.

As próximas missões, como MUSE, IMAP e ESCAPADE, estão preparadas para aprofundar eventos solares explosivos e aceleração de partículas no sistema solar. À medida que a Terra se prepara para o pico solar que se aproxima, o compromisso da NASA em avançar a nossa compreensão destes eventos celestes continua a ser fundamental na salvaguarda da tecnologia e dos esforços humanos.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading