O acordo judicial dos EUA para libertar o fundador do WikiLeaks, Julian Assange

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi libertado de uma prisão britânica e estava voltando para seu país natal, a Austrália, na última segunda-feira, 24 de junho, depois que sua batalha de 12 anos contra uma extradição para os Estados Unidos terminou em um acordo judicial.

A controversa figura passou os últimos 1.901 dias, ou cinco anos, numa prisão de segurança máxima no Reino Unido e quase sete anos antes disso escondido na embaixada do Equador em Londres, tentando evitar uma prisão que poderia ter o levado à prisão perpétua.

Na segunda-feira, Assange, 52 anos, concordou em se declarar culpado de uma acusação criminal relacionada ao seu suposto papel em uma das maiores violações de materiais confidenciais do governo dos EUA, depois que seu site de denúncias publicou quase meio milhão de documentos militares secretos relacionados às guerras dos EUA no Iraque e no Afeganistão.

O acordo judicial encerrou uma longa saga jurídica, permitindo a Assange evitar a prisão nos EUA e regressar à Austrália como um homem livre, mas não antes de comparecer ao tribunal num remoto território dos EUA no Pacífico.

O acordo judicial dos EUA

Nos termos do acordo, os procuradores do Departamento de Justiça dos EUA pedirão uma pena de 62 meses, que é igual ao tempo que Assange serviu no Reino Unido enquanto lutava contra a extradição.

O acordo judicial creditaria o tempo cumprido, permitindo que Assange retornasse imediatamente à Austrália. O acordo ainda precisa ser aprovado por um juiz federal.

Como Assange resistiu a pisar no território continental dos EUA para declarar a sua confissão de culpa, um juiz conduzirá a audiência e a sentença em conjunto na quarta-feira em Saipan, nas Ilhas Marianas do Norte, de acordo com uma carta apresentada pelos procuradores.

A cadeia de ilhas do Pacífico é um território dos EUA a cerca de 6.000 quilômetros a oeste do Havaí e um tribunal distrital federal dos EUA está sediado na capital Saipan. As ilhas também estão mais próximas da Austrália, onde Assange é cidadão e para onde deverá regressar após a audiência, disseram os procuradores.

Qual foi o crime que Assange cometeu?

Assange era procurado pelas autoridades dos EUA por acusações de espionagem relacionadas com a publicação pelo Wikileaks de centenas de milhares de documentos militares e governamentais confidenciais fornecidos pela ex-analista de inteligência do Exército, Chelsea Manning, em 2010 e 2011.

Os EUA acusaram Assange de pôr em perigo a vida de fontes confidenciais ao divulgar os docuemntos não filtrados e há anos que procuram a sua extradição. Ele enfrentou 18 acusações por seu suposto papel na violação e pode pegar no máximo 175 anos de prisão. As autoridades britânicas procuraram garantias dos EUA de que ele não receberia a pena de morte.

Em 2010, o WikiLeaks foi catapultado para a atenção global quando divulgou um vídeo que afirmava mostrar um ataque mortal de helicóptero dos EUA em 2007 em Bagdá, no Iraque, que resultou na morte e ferimento de vários civis, incluindo homens, mulheres e crianças.

Pouco depois, o WikiLeaks divulgou milhares de documentos militares confidenciais dos EUA relativos às guerras no Iraque e no Afeganistão, bem como uma série de documentos diplomáticos.

Durante seu tempo na embaixada, o WikiLeaks manteve seus despejos de dados, inclusive em 2016, quando divulgou milhares de e-mails aparentemente hackeados do Comitê Nacional Democrata e e-mails roubados da conta de e-mail privada do presidente da campanha de Hillary Clinton, John Podesta, na véspera. das eleições nos EUA.

Mas com o tempo, a sua relação com o seu anfitrião azedou e o presidente do Equador foi pressionado pelos EUA para expulsá-lo do buraco diplomático.

Em 2019, Assange foi retirado da embaixada pela Polícia Metropolitana de Londres com base num mandado de extradição do Departamento de Justiça dos EUA, e passou os cinco anos seguintes a viver praticamente isolado, numa cela de 3 por 2 metros na prisão de Belmarsh.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading