Orbán, da Hungria, pede cessar-fogo na Ucrânia para acelerar negociações de paz

O primeiro-ministro da Hungria, amigo de Moscovo, Viktor Orban, instou Kiev na terça-feira a trabalhar para um “cessar-fogo rápido” na Ucrânia que poderia abrir caminho para negociações com a Rússia para pôr fim a mais de dois anos de guerra.

Orban fez o apelo ao lado do presidente Volodymyr Zelensky durante uma visita surpresa à Ucrânia, a primeira do crítico vocal do apoio ocidental a Kiev.

“Pedi ao presidente que considerasse se… um cessar-fogo rápido poderia acelerar as conversações de paz”, disse Orbán aos jornalistas, acrescentando que o cessar-fogo que ele prevê seria “limitado no tempo”.

A Ucrânia rejeitou repetidamente os apelos para uma pausa nos combates, o que, segundo ela, apenas daria à Rússia tempo para se reagrupar para um novo ataque.

Enquanto isso, os Estados Unidos anunciaram na terça-feira uma nova ajuda de segurança para a Ucrânia no valor de US$ 2,3 bilhões.

Ao contrário de muitos outros líderes europeus, Orbán não visitou Kiev desde a invasão russa em fevereiro de 2022 e é amplamente visto como o líder mais pró-Rússia do bloco de 27 membros.

Em outubro de 2023, encontrou-se com o presidente russo, Vladimir Putin, numa cimeira em Pequim, tornando-se o primeiro líder da UE a fazê-lo desde o início da guerra.

O líder populista, no poder desde 2010, critica regularmente o apoio financeiro e militar da Europa a Kiev, bloqueando temporariamente um pacote de ajuda de 50 mil milhões de euros (53 mil milhões de dólares) durante semanas.

E opõe-se abertamente à realização de conversações de adesão à UE com Kiev, bem como às sanções de Bruxelas a Moscovo – embora Budapeste não tenha usado o seu veto para bloquear as medidas.

Uma ‘paz justa’

A visita ocorre um dia depois de a Hungria assumir a presidência rotativa da UE, uma posição que dá ao Estado da Europa Central influência sobre a agenda e as prioridades do bloco para os próximos seis meses.

Orban disse que apresentaria um relatório sobre as suas conversações com Zelensky aos primeiros-ministros da UE “para que as decisões europeias necessárias possam ser tomadas”.

Zelensky disse que o momento da visita foi simbólico.

“Esta é uma indicação clara das nossas prioridades europeias comuns, de quão importante é trazer uma paz justa à Ucrânia”, disse ele, instando os países europeus a manterem o apoio militar.

Enquanto os dois líderes conversavam em Kiev, ainda mais civis foram mortos em bombardeamentos russos.

As forças de Moscou mataram duas mulheres idosas e feriram nove em Nikopol, uma cidade no sul da Ucrânia, disse o governador local.

E um ataque russo matou uma pessoa e feriu outras sete na região sul de Kherson, que está parcialmente ocupada pelas forças russas.

Questionado sobre a visita de Orban na terça-feira, o Kremlin disse que esperava pouco resultado, mas descreveu-o como um político “duro” que defendeu vigorosamente os interesses do seu país.

Horas depois das negociações em Kiev, Moscou disse que o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, manteve um telefonema com seu homólogo húngaro, Peter Szijjarto, no qual a “crise ucraniana” foi discutida.

‘Melhores relações’

As relações têm sido frias entre Orban e Zelensky desde o início da guerra.

Depois de vencer a reeleição em abril de 2022, Orban disse que o líder ucraniano era um “oponente” que conseguiu derrotar na campanha, depois de Zelensky o ter criticado pessoalmente pela falta de apoio nos primeiros dias da invasão russa.

Em dezembro, Zelensky procurou o líder húngaro na posse do presidente argentino, Javier Milei, para o que chamou de uma conversa “franca”.

Vídeos circularam online mostrando a dupla travada em uma troca tensa.

Foram novamente filmados numa conversa curta e animada, na semana passada, à margem de uma reunião do Conselho da UE em Bruxelas.

Falando em Kiev na terça-feira, Orban disse querer “ver relações muito melhores” entre a Hungria e a Ucrânia, acrescentando que estava “tentando deixar as discussões do passado para trás”.

A Hungria exerce uma influência considerável sobre o apoio do Ocidente à Ucrânia, dada a sua adesão à UE e à NATO, dando-lhe a capacidade de frustrar, atrasar, diluir ou bloquear completamente iniciativas e financiamento.

Mas o apelo de Orbán a um cessar-fogo antes do início de conversações de paz substantivas provavelmente não será um bom começo.

No mês passado, Putin exigiu que as tropas ucranianas abandonassem ainda mais território no sul e no leste se quisessem que os combates parassem – exigências rejeitadas por Zelensky como um “ultimato” reminiscente de Adolf Hitler.

O líder ucraniano também procura reunir apoio internacional para o seu plano para acabar com a guerra – um plano que prevê a retirada total das tropas russas do país, incluindo a península da Crimeia, anexada por Moscovo em 2014, e pagar pela destruição causada desde a invasão de Fevereiro de 2022.

Numa importante cimeira de paz na Suíça, no mês passado, a Hungria concordou com um documento que apelava ao respeito da “integridade territorial” da Ucrânia em qualquer acordo de paz final.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading