HomeOriente-médioOs bastidores dos tiros da Marinha dos EUA contra embarcação do Irã

Os bastidores dos tiros da Marinha dos EUA contra embarcação do Irã

Um navio de guerra americano disparou tiros de alerta quando os navios da Guarda Revolucionária paramilitar do Irã chegaram perto demais de uma patrulha no Golfo Pérsico, disse a Marinha dos EUA na quarta-feira. Foi o primeiro tiroteio em quase quatro anos.

Jon Gambrell discorre ao Stars and Stripes que a Marinha Americana havia divulgado novas imagens em preto e branco do encontro tenso na noite de segunda-feira, 26 de abril, em águas internacionais do norte do Golfo Pérsico, perto do Kuwait, Irã, Iraque e Arábia Saudita.

Nele, luzes podem ser vistas à distância e o que parece um único tiro pode ser ouvido, com um projétil traçador cruzando a superfície da água.

O Irã não reconheceu imediatamente o incidente.

USS Firebolt em Manama, no Bahrain. CODY RICH/U.S. ARMY

A Marinha disse que o navio-patrulha da classe Cyclone, o USS Firebolt, disparou os tiros de advertência depois que três navios da Guarda de ataque rápido, com lanchas de atuação rápida, chegaram a 62 metros de distância e da embarcação de patrulha USCGC Baranoff da Guarda Costeira dos EU.

“As tripulações dos EUA emitiram vários avisos via rádio ponte a ponte e dispositivos de alto-falante, mas as embarcações (da Guarda) continuaram suas manobras de curto alcance”, disse a porta-voz da 5ª Frota do Oriente Médio, a comandante Rebecca Rebarich. “A tripulação do USS Firebolt então disparou tiros de advertência, e as embarcações (da Guarda) se afastaram para uma distância segura das embarcações dos EUA.”

Ela apelou à Guarda para “operar com o devido respeito pela segurança de todas as embarcações, conforme exigido pelo direito internacional.”

“As forças navais americanas continuam vigilantes e são treinadas para agir de maneira profissional, enquanto nossos comandantes mantêm o direito inerente de agir em legítima defesa”, esclareceu Rebarich.

https://i1.wp.com/ynet-images1.yit.co.il/picserver5/crop_images/2020/04/22/B1VUkDTOL/B1VUkDTOL_0_0_800_533_0_x-large.jpg?resize=696%2C464&ssl=1

A última vez que um navio da Marinha disparou tiros de alerta no Golfo Pérsico em um incidente envolvendo o Irã foi em julho de 2017, quando o USS Thunderbolt, mesma classe do USS Firebolt, disparou para alertar um navio da Guarda.

Regulamentações emitidas no ano passado dão aos comandantes da Marinha autoridade para tomar “medidas defensivas legais” contra navios no Oriente Médio que se aproximem de 100 metros (jardas) de seus navios de guerra.

Embora 100 metros possam parecer distantes para alguém que esteja distante, é incrivelmente próximo para grandes navios de guerra que têm dificuldade em virar rapidamente, como porta-aviões. Mesmo os navios menores podem colidir uns com os outros no mar, arriscando os navios.

O incidente de segunda-feira marcou a segunda vez que a Marinha acusou a Guarda Iraniana de operar de maneira “insegura e pouco profissional” somente neste mês, depois que os encontros tensos entre as forças diminuíram nos últimos anos.

Imagens divulgadas na terça-feira pela Marinha mostraram uma embarcação comandado pela Guarda cortando a frente do USCGC Monomoy, fazendo com que o navio da Guarda Costeira parasse abruptamente com seu motor soltando fumaça em 2 de abril.

A Guarda também fez o mesmo com outro navio da Guarda Costeira, o USCGC Wrangell, disse Rebarich.

O incidente ocorreu enquanto o Irã negocia com potências mundiais em Viena sobre o retorno de Teerã e Washington ao acordo nuclear de 2015. Ele também segue uma série de incidentes em todo o Oriente Médio atribuídos a uma guerra sombria entre Irã e Israel, que inclui ataques a navios regionais e sabotagem na instalação nuclear iraniana de Natanz.

Rota no Mar Vermelho em verde, onde se localiza o Porto de Yanbu

As tensões locais não se limitaram apenas nos mares do Golfo Pérsico, a Arábia Saudita localizou e destruiu um navio não tripulado carregado de bombas no início da manhã de 27 de abril, evitando um possível ataque a navios comerciais que saiam e entravam do importante porto de Yanbu, no Mar Vermelho, isso revela a expansão de possíveis laços do Irã que demonstraram no passado possuir tais coordenações navais deste porte.

Reuters, Stars and Stripes, Homeland Security Digital Library, Independent, AP, TRT World


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!