HomeTerrorismoOs detalhes e a investigação dos EUA que reconhecem rede Al-Qaeda no...

Os detalhes e a investigação dos EUA que reconhecem rede Al-Qaeda no BRASIL como Terrorista Global

Rede no Brasil do mais temível grupo radical é identificado e membros diretos são penalizados.

A Al-Qaeda está ativa, embora talvez mais frágil desde o fim do saudita Bin Laden em 2011. Por outro lado, com ligações com o grupo, o ISIS liderou uma reconfiguração geopolítica do Oriente-Médio de 2014 a 2017, aproveitando as instabilidades originadas da intervenção dos EUA no Iraque, iniciado em 2003, e o conflito tempestuoso na Síria, em 2011.

Muitos acreditavam que a América Latina estava imune a qualquer influência ou movimento concreto de grupos jihadista pela forte presença de religiões cristãs, ausência de intervenção bélica de nações latinas no Oriente-médio, e o apego ao lado fraterno do povo latino-americano, mero engano, os tentáculos de grupos associados estão mais enraizados do que parece.

No início desta semana, o Departamento do Tesouro Americano classificou membros de uma rede brasileira de indivíduos afiliados à Al-Qaeda e destacou que tais empresas forneciam apoio ao grupo terrorista.

De acordo ao comunicado, “a Al-Qaeda e suas afiliadas regionais continuam a representar uma ameaça aos países ao redor do mundo e os Estados Unidos estão agindo hoje para conter o financiamento deste grupo designando membros de uma rede da Al-Qaeda baseada no Brasil, indivíduos afiliados e suas empresas como terroristas globais especialmente designados”.

As atividades americanas de identificação e classificação só foram possíveis após íntimo relacionamento entre governos americano e brasileiro forjadas no passado entre Jair Bolsonaro e Donald Trump.

Os EUA designaram Haytham Ahmad Shukri Ahmad Al-Maghrabi, que foi um dos primeiros membros de uma rede de apoio do grupo no Brasil, Mohamed Sherif Mohamed Awadd, que havia recebido transferências bancárias de outros associados da Al-Qaeda, e Ahmad Al -Khatib, que está baseado no Brasil; bem como as empresas de Awadd e Al-Khatib.

O comunicado oficial esclarece que as ações americanas visam conter “as atividades contínuas desta rede com base no Brasil que demonstram que o grupo continua sendo uma ameaça global e os Estados Unidos estão comprometidos em trabalhar com nossos parceiros, incluindo o Brasil, para interromper as redes de apoio financeiro”.

Como o governo americano incluiu os três indivíduos em uma lista de sanções econômicas, todos os eventuais bens, propriedades e investimentos dentro dos Estados Unidos serão bloqueados.

A medida faz parte da estratégia americana para combater a estrutura de financiamento do grupo terrorista. Segundo o governo dos Estados Unidos, eles teriam patrocinado ou fornecido apoio financeiro e tecnológico para a atuação da Al Qaeda.

Ainda de acordo com o governo norte-americano, Al-Maghrabi chegou ao Brasil em 2015, onde foi dos membros iniciais da rede. Ele tinha frequentes contatos e negócios para compra de moeda estrangeira de outro indivíduo ligado à rede no Brasil.

Mohamed Awadd chegou ao Brasil em meados de 2018. E, segundo o governo americano, recebeu transferências bancárias de outros associados do grupo no País. A partir daí Awadd teria tido papel significativo em um grupo ligado à Al Qaeda e se envolveu com a impressão de moeda falsa.

Haytham Ahmad Al-Maghrabi e Ahmad Al Khatib nega envolvimento com o grupo ou qualquer transação ilícita.

A polícia federal do Brasil se recusou a comentar a declaração dos EUA e disse que também não comenta se as investigações podem estar em andamento.

O Tesouro ligou os dois homens a Ahmad Al-Maghrabi, que afirmou ter chegado ao Brasil em 2015 e se tornado o contato do grupo no país.

Não deu mais detalhes sobre a residência ou sustento de Maghrabi e não informou nada sobre qualquer suposto conluio entre ele e os outros dois.

Desde o ataque contra o símbolo econômico americano em 11 do mês de setembro de 2001, o governo dos EUA impôs sanções financeiras em diferentes países, buscando limitar o financiamento de grupos terroristas.

Cerca de 300 cidadãos supostamente filiados ao grupo e outros grupos extremistas foram visados.

A designação de terrorismo anunciada na quarta-feira, 22 de dezembro, foi a terceira ação dos EUA envolvendo o Brasil na última semana.

As autoridades brasileiras e o Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA anunciaram que quatro indivíduos foram presos na quinta-feira passada por suposto envolvimento em ameaças online, crimes de ódio e planejamento de eventos em massa.

Ainda na semana passada, o Tesouro Americano impôs sanções a pessoas e empresas ligadas ao narco, incluindo a maior organização criminosa do Brasil, o PCC.

O objetivo foi atingir qualquer estrangeiro envolvido em atividades de tráfico de entorpecentes, independentemente de estarem vinculado a um chefão ou cartel específico.

Com informações de Article: Terror or Terrorism? Al-Qaeda and the Islamic State in Comparative Perspective, ABC News, Arab News, Felipe Moretti, via Redação Área Militar

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!