HomeMundoOs "pacíficos manifestantes" pró-democracia do Kazaquistão

Os “pacíficos manifestantes” pró-democracia do Kazaquistão

A operação antiterrorista no Kazaquistão continua pelo quarto dia consecutivo. De acordo com oficiais militares do Cazaquistão, durará até “a completa eliminação dos terroristas e a restauração da segurança no Cazaquistão”.

A operação antiterrorista foi lançada em 6 de janeiro, após os violentos confrontos entre os desordeiros armados e as forças de segurança. Mais cedo, no mesmo dia, os desordeiros armados tomaram o aeroporto de Almaty, bem como o edifício do Comitê de Segurança Nacional, incluindo o depósito de armas.

Depois de reprimir as multidões armadas nas ruas, as forças de segurança do Cazaquistão estão agora detendo militantes em todo o país.

De acordo com o serviço de imprensa do presidente Kassym-Jomart Tokayev, cerca de 6.000 pessoas foram detidas durante os distúrbios, 125 processos criminais foram abertos até agora.

Ressaltou-se que grande parte dos detidos, pelo menos 2/3 (dois terços) são estrangeiros comprovados de origem azerbaijana, e também afegãos e  turcos.

No início do ano, um grande número de “manifestantes pacíficos” foi trazido para o Cazaquistão de países vizinhos. Eles receberam “presentes de Ano Novo” – US$ 200 – por participarem dos distúrbios.

Muitos deles tentaram cruzar a fronteira com armas e saques para evitar serem presos no Kazaquistão.

Em 9 de janeiro, foi revelado pelo ministro do Interior do Kazaquistão que cerca de 300 homens armados com dinheiro em tenge e moedas estrangeiras foram detidos enquanto tentavam atravessar a fronteira do estado.

Os vídeos que mostram as confissões dos militantes estrangeiros são compartilhados pela mídia local:

Transcrição traduzida do vídeo:

“Em 1º de janeiro, recebi um telefonema de desconhecidos que me ofereceram para participar dos protestos. Eles ofereceram 90.000 tenge (cerca de US$ 200). Como estou desempregada no Quirguistão, concordei. Eles me compraram uma passagem. No dia 2 de janeiro, cheguei a Almaty e fui levado para um apartamento. Havia também cidadãos do Tajiquistão e do Uzbequistão. Eu não entendi o que eles estavam falando. Quando os protestos começaram, eu me assustei e voltei para o apartamento, passei a noite lá. No dia seguinte, decidi ir para casa e fui detido”.

Enquanto a oposição kazaque, apoiada pelas autoridades ocidentais e pelos MSM, tenta culpar o “cruel regime de Tokayev”, os “manifestantes pacíficos” revelam sua verdadeira face.

Enquanto as forças de segurança do Kazaquistão continuam lutando contra os terroristas, as forças coletivas de manutenção da paz da CSTO concluíram a fase inicial de sua implantação. As forças da CSTO estão guardando instalações militares, estaduais e sociais em Almaty e nas áreas adjacentes à cidade. Apesar das notícias falsas sobre seu envolvimento na operação antiterrorista, eles não participam de nenhuma detenção ou confronto.

As tropas da CSTO permanecerão no Kazaquistão até a plena estabilização da situação no país.

Ao mesmo tempo, o Kazaquistão está de luto pelas vítimas. O dia 10 de janeiro foi declarado dia de luto nacional para aqueles que morreram nos distúrbios.

Em 9 de janeiro, o Ministério da Saúde afirmou que 164 pessoas foram mortas durante os distúrbios: 103 em Almaty, 21 na região de Kyzylorda, 10 na região de Zhambyl, 8 na região de Almaty, incluindo três crianças. Os números foram posteriormente negados. O relatório foi alegado ser o erro técnico. O número real de mortos ainda não foi revelado, enquanto o número de vítimas, incluindo os feridos nos distúrbios, chegou a 2.265 pessoas.

De acordo com as recentes alegações do Ministério da Administração Interna, 16 policiais, militares da Guarda Nacional e do Ministério da Defesa foram mortos e mais de 1.300 ficaram feridos. Anteriormente, foi relatado que o número de baixas entre as forças de segurança era de 18 militares.

Enquanto isso, os Estados Unidos querem ouvir do Cazaquistão uma explicação sobre por que as autoridades decidiram buscar ajuda do CSTO para estabilizar a situação no país, disse o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, à CNN.

“Temos dúvidas reais sobre por que eles foram forçados a recorrer a essa organização, que é dominada pela Rússia. Solicitamos esclarecimentos sobre este assunto. Mas o mais importante agora é que tudo agora seja resolvido pacificamente e com respeito aos direitos daqueles que querem que suas vozes sejam ouvidas”.

Blinken considera que tem o direito de exigir “explicações” do estado soberano do Kazaquistão, negando assim sua soberania.

A declaração de Blinken parece particularmente cínica e insultante, dado que os Estados Unidos não têm um único metro de fronteira conjunta com o Kazaquistão, os Estados Unidos não estão em nenhuma aliança militar ou política com o Kazaquistão.

  • Com informações STFH Analysis & Intelligence e Kazakhstan Ministry of Foreing Affairs e redes sociais, via redação Orbis Defense Europe.

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

1 COMMENT

Deixe uma resposta

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!