Pentágono pede ‘alternativas’ na reunião de Israel, com poucos detalhes

O secretário da Defesa, Lloyd Austin, disse ao seu homólogo israelita na terça-feira que o número de vítimas civis em Gaza tem sido “demasiado elevado” e que a faixa está “a sofrer uma catástrofe humanitária”.

Ele falou antes de uma reunião com o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, durante a qual Austin disse que Jerusalém precisa considerar outras opções para uma invasão terrestre de Rafah, onde mais de um milhão de civis palestinos estão abrigados.

Mas um alto funcionário da defesa, que depois falou com os repórteres sob condição de anonimato, não quis dizer quais são essas “alternativas”.

A invasão de Gaza começou no norte, quando Israel tentava destruir o grupo terrorista Hamas, que matou mais de 1.200 civis israelitas em Outubro passado. Desde então, as Forças de Defesa de Israel invadiram a Cidade de Gaza, mas não conseguiram matar os líderes mais importantes do grupo. Desde então, o governo de Israel tem-se preparado para invadir Rafah, uma importante cidade no sul de Gaza, para onde os batalhões do Hamas migraram.

Quase metade da população de Gaza fugiu para Rafah desde o início da guerra. Muitos civis já escaparam do conflito mais de uma vez, disse o funcionário. Uma invasão iria forçá-los a fazê-lo novamente e arriscaria mais vítimas civis. O Ministério da Saúde de Gaza estima que mais de 32 mil palestinos morreram durante a guerracerca de dois terços dos quais são mulheres e crianças.

Rafah fica perto da fronteira egípcia e é o maior ponto de entrada para apoio humanitário em Gaza. Uma invasão colocaria em risco a relação de Jerusalém com o Cairo, disse o responsável, ao mesmo tempo que sufocaria o fluxo de ajuda quando este precisa de ser alargado, disse o responsável. O presidente Joe Biden disse este mês que os EUA construiriam um cais na costa de Gaza para permitir mais assistência. Seis navios com pessoal chegarão nas próximas semanas e iniciarão a construção, disse o funcionário.

“A quantidade de ajuda humanitária [in Gaza] é muito baixo”, disse Austin em uma breve entrevista coletiva.

A reunião de terça-feira segue-se a uma briga pública entre os EUA e Israel no início desta semana. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu lembrou um grupo de conselheiros seniores que também planeavam visitar Washington em breve, depois de os EUA se terem abstido de uma resolução não vinculativa da ONU que apelava a um cessar-fogo. Os EUA já haviam vetado tais resoluções, embora um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional tenha insistido na segunda-feira que não houve mudança na política dos EUA.

Netanyahu também lembrou esta semana os negociadores de Israel em Doha, no Catar, que tentavam chegar a um acordo para a libertação dos reféns ainda detidos pelo Hamas.

Mesmo assim, Gallant viajou com uma lista de armas que seu país deseja de Washington. A administração ainda apoia essa ajuda, que o responsável da defesa norte-americano disse ter “fluído mais rapidamente do que nunca” desde Outubro passado, e não está a ponderar quaisquer restrições sobre a forma como Israel a utilizará.

Pouco antes da visita de Gallant, Israel apresentou garantias aos EUA de que cumpriria as leis de direitos humanos, conforme exigido pelo um memorando executivo que Biden assinou em fevereiro após crescente pressão dos democratas no Congresso. O memorando faz referência às leis dos EUA que cortam a assistência de segurança a unidades militares que violam os direitos humanos ou a países que bloqueiam a ajuda humanitária dos EUA.

Ex-funcionários do governo e muitos legisladores democratas dizem que há vários governos não mantiveram Israel dentro desses padrõesapesar de relatos credíveis de violações dos direitos humanos e das restrições israelitas aos camiões de ajuda que entram em Gaza.

“É difícil ver como a administração Biden poderia concluir com seriedade que o governo Netanyahu forneceu garantias credíveis e confiáveis ??de que facilitará e não restringirá arbitrariamente a assistência humanitária a Gaza quando neste exato momento eles estão fazendo isso”, disse o senador Chris Van Hollen, D-Md., ao Defense News na semana passada. “Obter garantias por escrito é apenas parte do requisito de [the memorandum]a outra parte é que sejam consideradas garantias credíveis e confiáveis.”

Nos termos do memorando de Biden, o Pentágono e o Departamento de Estado devem avaliar o cumprimento por Israel das suas garantias em matéria de direitos humanos em Maio, com o incumprimento possivelmente resultando na suspensão da ajuda militar, conforme estipulado pelas leis existentes dos EUA.

Em vez disso, os EUA estão a tentar mudar o comportamento de Israel em privado. Gallant e Austin conversaram por telefone cerca de 40 vezes, a maioria delas depois de outubro passado. Eles falaram em particular com mais detalhes sobre alternativas a uma invasão terrestre de Rafah, disse o oficial – que não quis explicar mais nada, a não ser dizer que Israel precisaria proteger os civis antes de qualquer combate e também usar ataques de precisão.

“Esta foi a primeira de uma série de conversas que creio que serão”, disse o funcionário.

Noah Robertson é o repórter do Pentágono no Defense News. Anteriormente, ele cobriu a segurança nacional para o Christian Science Monitor. Ele é bacharel em Inglês e Governo pelo College of William & Mary em sua cidade natal, Williamsburg, Virgínia.

Bryant Harris é o repórter do Congresso do Defense News. Ele cobre a política externa dos EUA, segurança nacional, assuntos internacionais e política em Washington desde 2014. Ele também escreveu para Foreign Policy, Al-Monitor, Al Jazeera English e IPS News.

Patrocinado por Google

Deixe uma resposta

Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading