HomeÁsiaPentágono Treinará Guerrilheiros Taiwaneses Para Conter A China

Pentágono Treinará Guerrilheiros Taiwaneses Para Conter A China

O gigante asiático vermelho tem planejado diversas formas de invadir a ilha de Taiwan há anos por meio do Estreito de 180 Km que separam as duas áreas.

China Shenhua

Em 2019, a Marinha de Libertação da China praticou um dos maiores eventos simulados de invasão anfíbia no Mar de Bohai, que contou com helicópteros, tropas terrestres, frotas navais de escolta e de ataque, e navios de desembarque anfíbio, um teatro intenso de operação que simulou a invasão pelas características muito similares em profundidade, região costeira e clima.

Preocupado com esta corrente desordeira rumo a um conflito de grande dimensão na Ásia, os americanos correm contra o tempo na busca de subsídios próprios e fortalecimento bélico de Taiwan visando minimizar qualquer tratativa militar chinesa sem precedente, para assim dar à nação a possibilidade de responder por si própria e aguardar as potências aliadas socorrer.

UPI

O presidente dos EUA Joe Biden nomeou Christopher Maier como secretário assistente de defesa para Operações Especiais e Conflitos de Baixa Intensidade para supervisionar as Forças Especiais Americanas, e durante seu contato com os legisladores americanos afirmou que operadores especiais e Comandos americanos poderiam ser enviados à ilha para instruir as forças taiwanesas sobre a guerra irregular e resistir a um “desembarque anfíbio” pelos chineses.

UPI

Durante sua audiência no Comitê das Forças Armadas do Senado, Maier salientou que o treinamento de guerrilha taiwanesa pelos americanos é imprescindível quando se está diante da ameaça entre as diferentes capacidades de resposta da China, e os Comandos americanos se tornam os contribuidores-chave para isso.

Analisando a estratégia a ser utilizada no respaldo de treinamento de guerrilhas, ou forças militares taiwaneses responsáveis por guerras assimétricas ou irregulares, o Pentágono estaria atuando em algumas das áreas que os chineses podem não estar pensando ou se preparando para responder, caso houver um avanço militar, pode haver algumas oportunidades para redes de resistência ou outras capacidades contra um possível desembarque anfíbio inimigo.

Alguns podem pensar que anunciar esse tipo de treinamento é dar brecha ao inimigo se preparar, mas como se preparar diante de algo novo e com métodos únicos?

China Shenhua

Uma pergunta que Li Zuocheng, chefe das Forças Armadas Chinesas, não possui resposta.

A estratégia de Maier muito bem aceita no Pentágono ocorre no momento em que o governo Biden embarca em uma ofensiva retórica e política contra a República Popular da China, intensifica assim as operações militares dos EUA no quintal chinês e emite um fluxo constante de preocupações.

Biden continuou implementando as políticas do ex-presidente Donald Trump que buscavam fortalecer os laços diretos com Taipei, mas Pequim denunciou repetidamente esses esforços, pois considera Taiwan uma província chinesa renegada.

Carter e Deng Xiaoping

O crescimento intenso marítimo e territorial da China se deve muito aos próprios americanos nas décadas correntes de 70, 80 e 90 que abriram mercado global aos produtos industriais e manufaturados dos vermelhos que passaram a reciclar os prejuízos e as experiências positivas do trabalho de formiga na economia até se tornar vice-líder mundial econômico e bélico no presente.

Avanço do investimento chinês e de empresas estrangeiras na China

Durante uma entrevista coletiva na segunda-feira, 24 de maio, o Ministério das Relações Exteriores da China criticou autoridades americanas e sul-coreanas depois que expressaram preocupações sobre a estabilidade de Taiwan, dizendo que Pequim não iria “tolerar interferência externa” em seus assuntos, seria “inaceitável”, ameaçando Washington e Seul para “não brincar com fogo”.

Da última vez que a comunidade internacional ouviu esse tipo de relato ameaçador veio com Donald Trump que colocou ordens nos planos chineses, norte-coreanos e iranianos na Ásia de se fazer geopolítica com planos bélicos mirabolantes e ameaçadores.

As intenções de treinar guerrilheiros taiwaneses serão fundamentais em quebrar o avanço pós-cabeça dagua de tropas anfíbias chinesas pelas costas da ilha ao longo do estreito, e o SOCOM terá mais uma vez a árdua tarefa junto com suas forças de comandos, sejam Ranger, Navy Seals, Marine Raider, unidades Guerra Naval e entre outras, como assim fizeram no Iraque e Afeganistão com as forças armadas locais.

China Shenhua

Embora a China considere Taiwan como parte de seu território, a ilha foi governada por décadas pelos remanescentes do Kuomintang, o partido político nacionalista derrotado pelas forças vermelhas na Guerra Civil de 1949.

Xi Jinping espera alcançar seu objetivo de uma única China o mais rápido possível, além de chegar em 2030 com a maior força bélica do planeta, vale salientar que parte desta compulsão já fora alcançada, na atualidade, Pequim possui a maior Força Naval, cerca de 355 navios, entretanto, perde para EUA e Rússia em Poder Naval qualitativo.

RT News, Reuters, US Senate, SCMP, Business Insider, Felipe Moretti

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!