Por dentro do julgamento de um ex-chefe condenado por tentativa de espionagem

Um ex-chefe da Marinha condenado por tentativa de espionagem em abril, após compartilhar informações confidenciais com um agente estrangeiro, tinha uma “necessidade financeira do dinheiro” que o agente lhe pagou, argumentaram os promotores nos registros do julgamento obtidos pelo Navy Times.

Esses registros também mostram como os agentes do Serviço de Investigação Criminal Naval estragaram uma gravação de sua entrevista com ex-chefe de controle de incêndio (Aegis) Bryce Steven Pedicini por não garantir que sua câmera de vídeo tivesse baterias suficientes.

Além de tentativa de espionagemPedicini foi condenado por descumprimento de uma ordem legal e tentativa de violação das especificações de cobrança de uma ordem geral legal, após uma corte marcial geral de uma semana, apenas com juízes.

Anteriormente designado para o contratorpedeiro Higgins, baseado no Japão, Pedicini foi condenado a 18 anos de prisão e recebeu uma dispensa desonrosa e redução de classificação para E-1 no final do mês passado.

Pedicini inicialmente enfrentou múltiplas acusações de espionagem, em vez das especificações da acusação de tentativa de espionagem pelas quais foi condenado, mas o juiz de primeira instância optou por condená-lo por esse delito menos incluído.

A Marinha se recusou a explicar completamente o caso ou o julgamento de Pedicini, citando a natureza confidencial da situação, mas os pedidos de moção do início deste ano fornecem uma visão mais profunda – embora incompleta – dos eventos que levaram um ex-chefe a oferecer segredos de Estado em troca de um dia de pagamento.

Os registros não incluem as decisões do juiz militar sobre as moções da acusação e da defesa, solicitadas pelo Navy Times.

Ainda assim, os registos oferecem mais informações sobre o que aconteceu naquele que foi o primeiro caso de espionagem da Marinha, pelo menos nos últimos cinco anos.

Pedicini não foi encontrado para comentar.

Um agente estrangeiro não identificado contatou Pedicini pela primeira vez no Facebook em outubro de 2022 e alegou que era um “pesquisador de defesa” do Japão, mostram os documentos.

O agente estrangeiro ofereceu a Pedicini “dinheiro em troca de informações sobre as capacidades e estratégias militares dos Estados Unidos”.

O agente disse a Pedicini que poderia receber “mais dinheiro com base no valor e na sensibilidade da informação [Pedicini] poderia fornecer e solicitou especificamente informações confidenciais”, afirmam os documentos judiciais.

Pedicini passou a enviar vários documentos ao agente de novembro de 2022 a maio de 2023, de acordo com os autos do tribunal, e enviou ao agente fotos de material acessado no roteador de protocolo de internet seguro dos militares, ou SIPR, em 8 de maio de 2023.

Os documentos judiciais também sugerem que ninguém envolvido no julgamento conhecia a identidade do agente estrangeiro que contactou Pedicini, incluindo os procuradores.

Um processo observa como a promotoria tentou obter as informações de contato do agente de “agências comunitárias de inteligência” a pedido da defesa, mas essas agências não forneceram essas informações de contato.

A certa altura, durante a comunicação através do aplicativo de mensagens Telegram, o agente estrangeiro observou que Pedicini apenas fornecia “informações que estão à disposição do público” e que o agente então solicitou documentos “com marcações de classificação”.

Ainda não está claro como o serviço marítimo tomou conhecimento das ações de Pedicini, mas os registros mostram que agentes do Serviço de Investigação Criminal Naval interrogaram Pedicini em 19 de maio de 2023, e ele foi detido a partir desse momento.

Pedicini “afirmou que nunca conheceu esse indivíduo pessoalmente e fez suposições sobre quem era essa pessoa”, afirmam os documentos judiciais.

“Ele também disse aos investigadores que depois de fornecer artigos de opinião ao indivíduo, o indivíduo estava pedindo-lhe que fornecesse informações mais detalhadas, incluindo informações não disponíveis publicamente e informações classificadas”, afirmam os documentos.

Os arquivos também revelam que, durante a entrevista do NCIS, o gravador do agente “falhou” e uma parte significativa da entrevista não foi gravada.

A certa altura, antes de o gravador falhar, Pedicini disse ao NCIS que “ele estava criando artigos de pesquisa para alguém que afirmava ser de uma empresa de pesquisa japonesa” e que usou a Wikipedia e o Google para escrever esses artigos.

Ele também disse aos agentes que tinha fotos “da primeira página de dois documentos confidenciais em seu telefone”, de acordo com os autos.

Aproximadamente 80 minutos de interrogatório, a gravação do vídeo terminou, e o agente do NCIS responsável lembrou mais tarde que “eles descobriram que as baterias haviam falhado, mas não perceberam até revisar a gravação após o término do interrogatório”, de acordo com os autos do tribunal.

De acordo com o resumo de um agente sobre o restante da entrevista que não foi capturado em vídeo, “Pedicini concordou com as informações contidas nos manuais e possivelmente as informações que ele forneceu poderiam ser usadas para prejudicar o governo dos Estados Unidos”.

Pedicini acrescentou que o agente “deu-lhe instruções para não utilizar o Wi-Fi da base ou o Wi-Fi da área da base para envio de documentos ou fotografias”, afirmam os autos.

“Pedicini afirmou que não tinha certeza da nacionalidade ou afiliação do indivíduo/grupo com quem estava se comunicando, mas tinha certeza de que eles não eram quem diziam ser e presumiu que poderiam ser japoneses trabalhando para os chineses”, relata um processo judicial. afirma o relatório da entrevista do NCIS. “Quando questionado se ele achava que as informações que forneceu poderiam ser usadas em detrimento do governo dos EUA [Pedicini] respondeu ‘absolutamente’”.

A equipe de defesa de Pedicini argumentou que ele não recebeu adequadamente os direitos do Artigo 31b contra a autoincriminação nas acusações de espionagem.

Em vez disso, Pedicini foi apenas inicialmente informado de que era suspeito de remoção e retenção de material confidencial, “um ato distinto de espionagem”, argumentam os autos.

A defesa também questionou o fato de o NCIS não ter garantido que sua câmera de vídeo tivesse bateria suficiente para toda a entrevista.

“O Governo tem o dever de preservar e produzir provas para a Defesa, no entanto, neste caso, o NCIS não conseguiu verificar e manter adequadamente o seu equipamento de gravação para garantir que um interrogatório foi devidamente capturado”, argumentaram os advogados de defesa num processo.

Os promotores também forneceram cópias dos registros bancários de Pedicini para mostrar que ele “tinha necessidade financeira do dinheiro” que o agente estrangeiro lhe forneceu via PayPal depois que ele enviou certos documentos, de acordo com um processo judicial.

Esses registos bancários mostram que a necessidade de Pedicini era evidente nos meses que antecederam as suas primeiras interacções com o agente estrangeiro, e que o antigo chefe tinha contraído vários empréstimos nos meses que antecederam as suas primeiras mensagens, argumentaram os procuradores.

Os militares têm alertado regularmente que as tropas que enfrentam dificuldades financeiras são mais suscetíveis a agentes estrangeiros.

“Ao atacar pessoas, os adversários empregam uma ampla gama de métodos e podem até procurar fraquezas exploráveis ??– como problemas financeiros, questões de drogas e álcool, adultério e problemas de jogo”, disse o Pentágono. Agência de Contrainteligência e Segurança de Defesa alerta.

“Os documentos do empréstimo e as imagens dos cheques contextualizam as grandes somas de dinheiro que são esporadicamente depositadas na conta do acusado”, afirma o documento. “Os documentos do empréstimo estabelecem ainda a necessidade financeira do acusado pelo dinheiro [the foreign agent] enviado porque mostra o valor e a frequência dos empréstimos que o acusado recebeu e nos quais confiou.”

Como qualquer militar condenado, Pedicini tem direito à revisão de seu caso por um tribunal superior, neste caso, o Tribunal de Apelações Criminais da Marinha-Corpo de Fuzileiros Navais.

Ainda não está claro quando o tribunal de apelações emitirá seu parecer sobre o julgamento de Pedicini.

Geoff é editor do Navy Times, mas ainda adora escrever histórias. Ele cobriu extensivamente o Iraque e o Afeganistão e foi repórter do Chicago Tribune. Ele aceita todo e qualquer tipo de dica em geoffz@militarytimes.com.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading