HomeMundoRaúl Castro renuncia à presidência do Partido Comunista de Cuba

Raúl Castro renuncia à presidência do Partido Comunista de Cuba

O movimento marca uma mudança de guarda e a primeira vez em 62 anos que Cuba não terá um líder que se chama Castro

Na segunda-feira, Cuba estará prestes a ficar sem um Fidel no comando pela primeira vez desde que Raúl e seu irmão Fidel caíram das montanhas da Sierra Maestra em 1959, forçando o ditador Fulgencio Batista ao exílio.

Um dos últimos sobreviventes dessa “geração histórica”, Raúl disse que renunciará ao cargo de primeiro-secretário supremamente poderoso durante o 8º Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC), que começou nesta sexta-feira, 16 de abril, em Havana.

O homem de 89 anos deixa um país na fila de espera por comida, destruído pelos efeitos econômicos do coronavírus e das sanções dos EUA, e mostrando sinais crescentes de dissidência.

Uma nova música, Patria y Vida (Pátria e Vida), reproduz o velho slogan Patria o Muerte (Pátria ou Morte) e pode ser ouvida nos táxis e nas ruas, o rap: “Acabou, são 62 [anos] doendo. ” Sua mensagem – basta – enfureceu as autoridades a ponto de responderem com o seu próprio slogan.

Mesmo assim, Raúl sai por conta própria, em meio a um Congresso que se reúne sob o lema “continuidade e unidade”. Ele sai tendo iniciado reformas econômicas e políticas que – até a catástrofe do coronavírus – começaram, pelo menos de acordo com economistas locais, a virar o enferrujado navio do Estado.

Acredita-se que ele será substituído por Miguel Díaz-Canel, de 60 anos, que em 2018 o sucedeu no cargo.

Raúl e seu irmão, Fidel Castro.

“Ninguém sabe o que está por vir”, diz a historiadora cubana Ada Ferrer, autora do “Cuba: Uma História Americana”. “Ninguém sabe o que será não ter esta dinâmica da família Castro no coração de Cuba depois de 60 anos.”

Raúl Castro assumiu o poder em 2008 quando a saúde de seu irmão Fidel piorou, primeiro como presidente e depois em 2011 como primeiro-secretário do partido comunista. Até então, ele liderou o exército, o mais leal e confiável executor e conselheiro de seu irmão.

Surpreendentemente para um homem que, nas palavras de Jorge Duany, diretor do Instituto de Pesquisa Cubano da Universidade Internacional da Flórida, “primeiro se moveu para radicalizar a revolução cubana, talvez até mesmo para influenciar Fidel a abraçar o leninismo-marxista”, ele estaria muito mais interessado em reformas de mercado do que seu irmão.

Já na década de 1980, de acordo com o desertor Jesus Renzoli, secretário de Raúl por 20 anos, Raúl estava pressionando reformas pró-mercado em discussões com Fidel.

Essas crenças se concretizaram no 6º Congresso do partido em 2011, quando 311 reformas econômicas foram introduzidas, criando uma nova classe de autônomos para preencher o vazio quando Raul começou a encolher o estado.

“A saída de Raul Castro da vida política é esperada há muito tempo”, disse o especialista cubano Stéphane Witkowski, do Instituto de Ensino Superior na América Latina (IHEAL) em Paris, à FRANCE 24. “Representa um passo no processo transição de geração entre aqueles que viveram a revolução de 1959 e a nova geração. “

Mais de 60 anos depois que Fidel Castro entrou em Havana e assumiu o poder, Cuba está pronta para a vida pública sem um membro do clã de Castro.

Aljazeera, france24 adaptados, Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!