HomeExercícios MilitaresRússia e China deslocam 10.000 militares para mega exercício na China

Rússia e China deslocam 10.000 militares para mega exercício na China

China e Rússia avançam na Cooperação Militar com mais de 10.000 militares no oeste da China, o que preocupa os EUA

A ascensão de uma Rússia mais política e militarmente assertiva e de uma China econômica e institucionalmente ascendente podem ser caracterizadas como as duas principais forças que desafiam os Estados Unidos na formulação de políticas globais.

As estratégias da China e da Rússia para a expansão internacional, em cada uma de suas respectivas áreas de especialização política, não são necessariamente exclusivas. Indiscutivelmente, o envolvimento intensificado de ambos os países no cenário mundial não é apenas complementar, mas em uma extensão crescente, direta e indiretamente, de apoio aos interesses cada vez mais comumente definidos um do outro.

Com base na intrínseca relação de cooperação militar entre as duas nações, o que inclui a participação da China em exercícios russos na área euro-atlântica, as forças armadas russas deslocaram milhares de soldados de diversas armas e comandos que somarão mais de 10.000 militares russos e chineses, bem como equipamentos, blindados, artilharia pesadas e aeronaves no oeste da China.

Segundo o Ministério da Defesa Nacional chinês, os dois exércitos se reunirão para o mega exercício ZAPAD/INTERACTION-2021, que contam com exercícios militares conjuntos focados em guerra cibernética e “ataque e eliminação conjuntos” em meio às contínuas tensões globais com os Estados Unidos.

Oficiais do Distrito Militar Oriental da Rússia e do Comando do Teatro Ocidental do Exército de Libertação do Povo estabeleceram exercícios de supervisão de comando conjunto onde as duas nações trabalharão contra um inimigo em comum.

Observadores do evento militar sugerem que Pequim e Moscou estão intensificando os esforços para aprender um com o outro no trato com os EUA.

De acordo com a Defesa chinesa, “as tropas participantes dos dois lados serão misturadas em equipes para fazer planos em conjunto e conduzir o treinamento em conjunto, em uma tentativa de verificar e melhorar as capacidades de ambas as tropas de reconhecimento, busca e alerta precoce, ataque eletrônico de informação e ataque conjunto e eliminação”.

Os mais de 10.000 soldados chineses e russos devem iniciar o exercício a partir desta segunda-feira, 09 de agosto, que terá duração de cinco dias em uma base de treinamento tático combinado na região autônoma de Ningxia Hui, no interior da China, no que Pequim descreveu como parte do aprofundamento da cooperação pragmática entre os dois militares.

Embora o ministério da defesa chinês tenha dito que o exercício se concentraria no contraterrorismo e segurança, também envolveria o estabelecimento de um centro de comando conjunto.

Ainda no final deste mês, após o mega exercício ZAPAD, será a vez da região noroeste de Xinjiang sediar três competições dos Jogos do Exército Internacional liderados pela Rússia, anunciou o Ministério da Defesa chinês anteriormente.

Espera-se que os militares chineses se juntem a seus camaradas da Rússia, Bielo-Rússia, Egito, Irã, Venezuela e Vietnã para aprimorar suas habilidades na operação de veículos de combate, lançamentos de mísseis antiaéreos portáteis e reconhecimento nuclear, biológico e químico.

Os exercícios também se concentrarão na “cooperação prática” entre os dois militares, destaque para a determinação e capacidade de lutar contra as forças terroristas e, em conjunto, salvaguardar a paz e a segurança regional.

A cooperação militar sino-russa aumentou na última década, com ambos os lados se comprometendo com o envolvimento contínuo ao longo das linhas diplomáticas e das forças armadas.

Uma audiência da Comissão de Revisão de Economia e Segurança EUA-China em 2019 revelou que os laços militares aprofundados de Pequim e Moscou surgiram de forma desenfreada nos últimos anos.

Segundo os americanos, os militares chineses e russos realizam exercícios conjuntos há mais de uma década, um exercício de 2015 foi o primeiro no Mediterrâneo, seguido do primeiro no Báltico em 2017, inclusive a própria China realizou exercícios com membros da OTAN, como o Canadá.

A combinação de tensões militares bilaterais reduzidas, preocupações de segurança externa sobrepostas, percepções de liderança convergentes e condições econômicas de defesa harmoniosas impulsionaram a crescente colaboração militar russo-chinesa que vimos nos últimos anos.

Ao contrário do que o Área Militar e os principais analistas militares pensam, os EUA, na figura de Biden, enxergam o mega exercício e os próximos eventos bélicos agendados entre as partes como provocação.

Segundo o presidente norte-americano, Vladimir Putin esta “em apuros” por causa da relativa fraqueza econômica de seu país.

Em discurso recente, Biden argumentou: “Eu estava com Putin, que tem um problema real, ele está no topo de uma economia que tem armas nucleares e poços de petróleo e nada mais, nada mais”.

Os últimos exercícios entre as duas potências vêm depois de um período em que Pequim e Moscou rebaixaram as atividades militares conjuntas por causa do microrganismo vermelho desestabilizador de economia, e o rearranjo simboliza o retorno de uma nação russa cada vez fortalecida em meios de artilharias hipersônicas e navais furtivas, e uma China que busca atenuar suas dificuldades em experiências de combate para suprir seu viés catalisador de se tornar a maior força bélica do planeta até 2030.

Com informações complementares Sky News, BI, SCMP, The Diplomat


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!