Soldado dos EUA condenado por roubo na Rússia condenado a quase 4 anos

MOSCOU (AP) – Um tribunal da cidade de Vladivostok, no extremo leste da Rússia, condenou na quarta-feira um soldado americano visitante por roubo e ameaças de assassinato, e o sentenciou a três anos e nove meses de prisão.

Sargento da equipe. Gordon Black, 34 anos, voou para a cidade portuária do Pacífico para ver sua namorada e foi preso no mês passado depois que ela o acusou de roubá-la, segundo autoridades americanas e russas.

As agências de notícias estatais russas Tass e RIA Novosti relataram que o juiz do Tribunal Distrital de Pervomaisky, em Vladivostok, também ordenou que Black pagasse 10.000 rublos (115 dólares) por danos. Os promotores pediram uma pena de quatro anos e oito meses de prisão.

O caso de Black ocorre em meio a tensões sobre as prisões de jornalistas americanos e outros cidadãos dos EUA pela Rússia, enquanto os combates na Ucrânia continuam.

Rússia prendeu vários americanosincluindo executivo de segurança corporativa Paulo Whelan e repórter do Wall Street Journal Evan Gershkovich. O governo dos EUA designou ambos os homens como detidos injustamente e tem tentado negociar a sua libertação.

Outros detidos incluem Travis Leake, um músico que vive na Rússia há anos e foi preso no ano passado por acusações relacionadas com drogas; Marc Fogel, um professor em Moscou que foi condenado a 14 anos de prisão, também por acusações de drogas; e dupla nacionalidade Alsou Kurmasheva e Ksenia Khavana.

O Departamento de Estado dos EUA aconselha fortemente os cidadãos americanos a não irem para a Rússia.

Black estava de licença e voltando para sua base em Fort Cavazos, Texas, vindo da Coreia do Sul, onde estava estacionado em Camp Humphreys com o Oitavo Exército.

Cynthia Smith, porta-voz do Exército, disse que Black assinou o acordo para sua mudança de volta para casa e, “em vez de retornar ao território continental dos Estados Unidos, Black voou de Incheon, na República da Coreia, através da China para Vladivostok, na Rússia, por motivos pessoais”.

De acordo com a política do Pentágono, os militares devem obter autorização de um gestor ou comandante de segurança para qualquer viagem internacional.

O Exército dos EUA disse no mês passado que Black não havia solicitado tal autorização de viagem e não foi autorizada pelo Departamento de Defesa. Dadas as hostilidades na Ucrânia e as ameaças aos EUA e aos seus militares, é extremamente improvável que lhe tivesse sido concedida aprovação.

A namorada de Black, Alexandra Vashchuk, disse aos repórteres no início deste mês que “foi uma simples disputa doméstica”, durante a qual Black “se tornou agressivo e a atacou”.

“Ele então roubou dinheiro da minha carteira e eu não lhe dei permissão para fazer isso”, disse Vashchuk.

Na quarta-feira, ela disse à agência de notícias russa Gazeta.ru que ela considera a sentença “bastante humana” e descreveu Black como “violento e incapaz de se controlar”.

Autoridades americanas disseram que Black, que é casado, conheceu Vashchuk na Coreia do Sul.

De acordo com autoridades americanas, ela morou na Coreia do Sul e, no outono passado, ela e Black entraram em algum tipo de disputa ou altercação doméstica. Depois disso, ela deixou a Coreia do Sul. Não está claro se ela foi forçada a sair ou qual o papel que as autoridades sul-coreanas tiveram no assunto, se é que tiveram algum.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading