HomeCrise DiplomáticaSurge nova crise diplomática entre Israel e Emirados Árabes Unidos por causa...

Surge nova crise diplomática entre Israel e Emirados Árabes Unidos por causa do Petróleo

A decisão ambiental de suspender o acordo de transporte de combustível com os Emirados criou a primeira crise diplomática real entre os países desde a assinatura dos acordos de Abraão, em 2020

Em 23 de julho, o primeiro-ministro Naftali Bennett ligou para o príncipe herdeiro dos Emirados, Mohammed bin Zayed, para parabenizá-lo por ocasião do feriado muçulmano de Eid al-Adha.

Foi o primeiro telefonema entre os dois líderes. Ambos os lados relataram que foi uma boa conversa, enfocando a importância do acordo de normalização entre seus dois países.

Os Emirados também informaram que as duas autoridades discutiram a cooperação futura, os desenvolvimentos e desafios mais recentes no Oriente-Médio e seu compromisso em alcançar a paz e a prosperidade na região.

Tia Dufour / White House / Anadolu Agency / Getty

Mas o que os porta-vozes oficiais não informaram foi que, apesar desse apelo amigável, uma crise diplomática significativa estava fervendo sob a superfície e que tem o potencial de arruinar a relação entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, que assinaram o acordo de normalização histórico na Casa Branca em setembro do ano passado, o Acordo de Abraão.

A razão para esta crise é que o novo governo israelense tem sinalizado planos para reavaliar um acordo para transportar petróleo do Golfo Pérsico para a Europa através de Israel. O acordo foi formalizado em março pela Europe Asia Pipeline Company (EAPC), uma transportadora nacional de petróleo bruto de propriedade do governo israelense, e pelos Emirados Árabes Unidos.

Antes de prosseguir com o acordo, Israel deseja conduzir uma investigação aprofundada do impacto que o projeto teria sobre a poluição no Golfo de Eilat. Segundo o acordo original, os Emirados teriam permissão para transportar petróleo para a Europa por meio do oleoduto de Eilat a Ashkelon.

Gasoduto de Eilat para Ashkelon. EPA

Mas no domingo, o novo ministro do Meio Ambiente, Tamar Zandberg, ordenou que o acordo fosse suspenso até que todas as suas implicações ambientais pudessem ser investigadas.

O acordo, celebrado pelos dois países como o alvorecer de uma nova era, que teria colocado centenas de milhões de dólares nos cofres de Israel. Dois meses depois da formalização do negócio, o petróleo dos Emirados já estava fluindo pelo oleoduto.

Mas nem todos ficaram felizes com isso. Grupos ambientalistas israelenses ficaram alarmados com o que alegaram que poderia resultar em um desastre ambiental e ecológico e lançaram uma campanha contra o acordo.

Eles começaram peticionando a Suprema Corte para ordenar que Israel revogasse o acordo, citando vários argumentos sérios de que o acordo levaria a um aumento significativo na quantidade de óleo que chega a Eilat, e que isso poderia resultar em um derramamento de óleo devastador, que poluiria as águas costeiras.

Marc Israel Sellem/Jerusalem Post/POOL

Além disso, eles argumentaram que o acordo intensificaria o envolvimento de Israel na indústria do petróleo, apesar da crise climática. Ressaltaram que os termos do acordo eram sigilosos e que foi firmado sem ser levado ao governo para aprovação e sem consulta aos técnicos do Ministério do Meio Ambiente, que estão entre os que alertam para o potencial impacto do negócio.

A princípio, os Emirados não deram importância a esses protestos. Eles presumiram que a assinatura de um acordo legalmente respaldado com uma empresa do governo, especialmente um promovido pelo governo de Netanyahu, garantia que seria honrado.

Nas últimas semanas, no entanto, eles começaram a perceber que há uma chance real de que o acordo seja revogado por causa da mudança de governo em Israel.

Os problemas começaram com os comentários de Zandberg, membro do partido Meretz, que se manifestou contra o acordo assim que assumiu o cargo, em junho.

Em seu primeiro dia como ministra, ela disse: “O Golfo de Eilat está em perigo real por causa do oleoduto EAPC. Israel não precisa servir como ponte de petróleo para outros países ”. Altos funcionários dos Emirados Árabes Unidos recorreram imediatamente ao Ministério das Relações Exteriores de Israel para esclarecer o que o ministro queria dizer.

Zandberg é um ambientalista comprometido. Como membro do Knesset, ela trabalhou em estreita colaboração com grupos ambientais em suas campanhas contra a poluição na região. Ser ministra do Meio Ambiente era o emprego dos seus sonhos.

Não deveria ter surpreendido ninguém que ela chegou ao ministério com planos de ação totalmente formulados e uma equipe que compartilha sua paixão por questões ambientais.

Quando se tratava do pipeline (questão petroleira), simplesmente fazer declarações sobre o problema não era suficiente para ela, que começou a pressionar outros ministros para apoiar a retirada de Israel do acordo. Estava começando a funcionar.

Mas o EAPC respondeu com estudos e dados próprios apoiando a ideia de que a quantidade de petróleo que passaria por Israel não representaria um risco ambiental. A empresa então citou a importância do acordo para a segurança energética de Israel.

Quando o estado respondeu à Suprema Corte em 21 de julho em uma tentativa de defender o acordo, tornou-se evidente que os esforços de Zandberg haviam sido eficazes.

Embora o governo não tenha rejeitado o acordo de imediato, o primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid “solicitaram uma investigação abrangente de todas as implicações da questão que está no cerne do caso. Como tal, não teve tempo para investigar o assunto em profundidade e de forma independente, especialmente porque é um assunto tão sensível e complexo”.

O que isso significa é que o governo planeja investigar o próprio acordo, a maneira pela qual foi aprovado e se ele representa uma ameaça ambiental para Israel. Tudo isso deixa a porta aberta para sua possível revogação.

As autoridades dos Emirados ficaram genuinamente chocadas com os acontecimentos mais recentes na Suprema Corte e enviaram uma enxurrada de mensagens preocupadas a Israel em busca de esclarecimentos.

Um alto funcionário do Ministério das Relações Exteriores de Israel disse ao Al-Monitor: “Esta é uma crise que pode ganhar força. No que diz respeito aos Emirados, eles assinaram um acordo com uma agência oficial do governo. Quando viram como Bennett e Lapid responderam ao Supremo Tribunal, interpretaram que significava que o Estado de Israel era contra eles.”

O jornal Israel HaYom relatou: “Abu Dhabi está avisando que isso pode se transformar em uma séria crise diplomática. O temor de que o acordo possa ser revogado pode manchar a relação entre os Emirados Árabes Unidos e Israel”.

O artigo prossegue citando funcionários de Abu Dhabi que afirmam que, com a posse do novo governo, Israel enviou uma mensagem inequívoca aos Emirados Árabes Unidos de que o Ministério de Assuntos Ambientais pretende intensificar seus esforços para revogar o acordo até recrutando o apoio de todos os ministérios relevantes.

Manufacturers Association of Israel

Não há dúvida de que a mudança de governo em Israel está começando a ser sentida em todos os tipos de áreas. O fato de Bennett ser politicamente fraco significa que ele não pode fazer tudo o que deseja.

O fato de que um único partido pode promover sua visão de mundo ideológica é evidente na crise do oleoduto. É bem possível que, se pudesse, Bennett apoiasse o acordo, pelo menos por causa das consequências diplomáticas de seu fracasso. Agora, porém, ele é obrigado a fazer seu parceiro de coalizão Meretz se sentir confortável na coalizão.

Alegadamente, em conversas que Bennett teve com o contingente parlamentar do Meretz, ele prometeu que sua porta estaria sempre aberta para o grupo, apesar de suas diferenças ideológicas.

Com a onda ambientalista atropelando tradições e estabilidade de nações, o alvo da vez é o acordo do gasoduto Emires-Israelense.

Com informações complementares de Al-Monitor, via Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!