HomeÁfricaTensões entre o Marrocos e a Argélia pelo Saara Ocidental

Tensões entre o Marrocos e a Argélia pelo Saara Ocidental

Argélia e Marrocos sempre tiveram relações tensas devido à competição pela liderança regional, além de diferenças históricas e ideológicas que datam de sua independência da França.

O atrito mais recente ocorreu em 24 de agosto, quando o chanceler argelino Ramtane Lamamra anunciou que seu país estava cortando relações diplomáticas com o Marrocos. Ele citou a espionagem deste último sobre as autoridades argelinas, o apoio a um grupo separatista e o fracasso em questões bilaterais, especialmente a do Saara Ocidental.

No passado, a Argélia e o Marrocos entraram em confronto militar direto duas vezes: as tropas argelinas e marroquinas entraram em confronto pela primeira vez por causa de uma disputa de fronteira na chamada Guerra de Areia, que começou em setembro de 1963; então, os dois exércitos lutaram no oásis de Amgala em janeiro de 1976, após o Acordo de Madri de 1975, no qual a Espanha cedeu o Saara Ocidental ao Marrocos e à Mauritânia.

Por causa dessas tensões, Marrocos rompeu relações diplomáticas com a Argélia, levando os dois estados a expulsar milhares de cidadãos de seus países. Além disso, as esperanças de resolver definitivamente as tensões suscitadas pela assinatura do Tratado da União do Magrebe Árabe em 1989 desapareceram; isso ocorreu quando a Argélia fechou suas fronteiras com o Marrocos em 1994, depois que o Marrocos impôs regulamentos de visto aos argelinos e implicou a Argélia em um ataque terrorista ao Hotel Atlas Asni em Marrakesh, no qual dois espanhóis morreram.

As fronteiras permaneceram fechadas desde então, apesar dos novos apelos do Marrocos para normalizar as relações. Ao mesmo tempo, os dois estados têm feito esforços para evitar grandes escaladas que podem desencadear conflitos armados diretos e ameaçar a estabilidade regional.

Até agora, tem havido um frágil apaziguamento consolidado em 1991 pela retirada de Marrocos do conflito armado em favor de um acordo diplomático pacífico. No entanto, os desenvolvimentos recentes levaram a uma nova escalada.

Marrocos explorou a crise interna da Argélia e a inércia da sua diplomacia para conseguir avanços importantes nos últimos quatro anos na questão do Saara Ocidental e para fortalecer a sua posição na região.

Mudanças de política em alguns estados africanos e árabes a favor do Marrocos, como Gâmbia, Gabão, Senegal, Jordânia, Bahrein e Emirados Árabes Unidos, a abertura do consulados no disputado território do Saara Ocidental e, em seguida, o reconhecimento da soberania marroquina sobre o território pelo presidente Donald Trump exacerbaram a frustração das autoridades argelinas.

Além disso, a normalização do Marrocos com Israel aprofundou a cisão entre os dois países. Essa normalização trouxe uma nova dinâmica para a região e colocou pressão adicional sobre a Argélia, como evidenciado por seu ativismo diplomático contra os esforços de Israel para estender a influência no continente africano.

Além dessas tensões regionais, os argelinos consideraram uma série de decisões e declarações do Marrocos nos últimos meses como “ações hostis”, intensificando ainda mais o conflito. Em 15 de julho, Omar Hilal, representante permanente do Marrocos nas Nações Unidas, pediu a autodeterminação do povo cabila argelino.

Isso indignou as autoridades argelinas, que consideram um absurdo e uma violação da soberania argelina. Além disso, revelações alegando que o Marrocos usou o software Pegasus produzido pelo Grupo NSO, uma empresa israelense, para espionar altos funcionários políticos e militares argelinos – como o chefe do Estado-Maior Said Chengriha e o ex-embaixador argelino em Paris, Abdelkader Mesdoua – acirrou ainda mais as tensões.

Em resposta, as autoridades argelinas romperam as relações diplomáticas e fecharam o espaço aéreo do país para aeronaves civis e militares marroquinas. A Argélia também decidiu cortar o fornecimento de gás a Marrocos e, em vez disso, apenas fornecer gás natural à Espanha através do gasoduto Medgaz a partir do início de novembro.

Tal ação adiciona uma dimensão econômica à disputa, que pode impactar seriamente o desenvolvimento de Marrocos. As atuais tensões diplomáticas entre a Argélia e o Marrocos podem durar décadas. A nova configuração geopolítica desencadeada pela normalização do reino com Israel e a presença israelense na política regional, inclusive na União Africana, levou a uma nova e carregada dinâmica nas relações entre os dois estados.

As tensões crescentes podem ter consequências terríveis; na verdade, é muito improvável que um conflito armado direto entre a Argélia e o Marrocos estourará. Após anos de isolamento, a Argélia demonstra vontade de retornar à diplomacia internacional e, portanto, espera ser visto como um ator respeitado na região. Ainda assim, a história das crises mostra que a abordagem linha-dura sempre vence.

Nas atuais circunstâncias, a contenção provavelmente aumentará como resultado de três elementos: a ambiguidade da posição da França, que é vista pela Argélia como pró-Marrocos; a intrusão de Israel no Magrebe e a desestabilização que isso traz; e a chegada da Rússia à vizinha região do Sahel, o que preocupa Marrocos e França. É por isso que o retorno da diplomacia ao Norte da África é agora mais necessário do que nunca.

ArabCenter.org – via Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!