HomeLESTE EUROPEUUcrânia confirma a destruição de armas dos EUA no Porto de Odesa...

Ucrânia confirma a destruição de armas dos EUA no Porto de Odesa por ofensivas russas

Ofensiva ocorreu um dia após a assinatura de um acordo entre os países para desbloquear as exportações de grãos

Até 20 milhões de toneladas de trigo e outros grãos estão bloqueados nos portos ucranianos, especialmente em Odessa, por navios de guerra russos e minas colocadas por Kiev para evitar ataques.

O cenário segue uma só definição, o conflito no país do Leste Europeu trouxe ondas perigosas nas perspectivas econômicas globais com o aumento acentuado dos preços de alimentos, combustíveis e energia.

Os principais jornais e cientistas do assunto destacam que o bloqueio da Rússia nas rotas de saída para os grãos da Ucrânia, poderá criar um estado cada vez pior de insegurança alimentar e desnutrição, e 43 milhões de pessoas em todo o mundo estão na lista.

O conflito cortou o abastecimento dos portos da Ucrânia, que antes exportavam grandes quantidades de óleo de cozinha e cereais como milho e trigo.

Segundo a ONU, isso reduziu a oferta global e fez com que o preço das alternativas disparasse. Os preços globais dos alimentos estão quase 30% mais altos do que no mesmo período do ano passado.

Mas será que a União Europeia e o grupo G7 estão preocupados com a segurança alimentar do mundo, especialmente a África, ou somente com suas nações potências?

Para melhor destacar esta questão, observamos que nenhuma mídia destacou as consequências sérias da crise global de saúde, os altos investimentos autoritários do tranca tudo e a economia em segundo plano, o clima extremo, altos preços de energia e inflação, e a malha ferroviária atualmente ativa, presente e pouco discutida da Ucrânia que liga Kiev a todos os pontos possíveis do País, estritamente os portos de Odesa, ainda sob controle ucraniano, Mariupol, Kherson, Mykolaiv e Berdyansk, sendos esses quatros já dominados pelos russos.

A Rússia afirmou neste domingo (24) que, no dia anterior, seu ataque com mísseis ao porto de Odessa, no sul da Ucrânia, vital para a exportação de grãos ucranianos, destruiu armas ocidentais entregues ao seu inimigo, ao responder à indignação da Ucrânia e seus aliados.

O presidente ucraniano Volodmir Zelenski descreveu neste sábado (23) o ataque ao porto do sudoeste do país como “barbárie russa”, um dia após a assinatura em Istambul, na Turquia, de um acordo entre os dois países para desbloquear as exportações de grãos.

A Turquia, que intermediou o acordo, disse no sábado que recebeu garantias de que a Rússia “não tem absolutamente nada a ver com o ataque com mísseis de cruzeiro”. Mas o Ministério da Defesa russo se retratou neste domingo, dizendo que os mísseis destruíram um navio militar ucraniano e armas fornecidas pelos Estados Unidos.

“Mísseis de longa distância e de alta precisão lançados no mar destruíram um navio militar ucraniano ancorado no porto e caixas de mísseis antinavio entregues pelos Estados Unidos ao governo de Kiev”, afirmou.

O acordo negociado com a ajuda do presidente turco Recep Tayyip Erdogan e do secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, estipula que Odessa é um dos três centros de exportação de grãos designados para que os navios possam transitar por corredores seguros no mar Negro.

No entanto, o ataque põe em risco esse acordo histórico assinado após meses de negociações e que poderia aliviar a “crise alimentar mundial”.

Autoridades ucranianas disseram que havia grãos armazenados no porto no momento do ataque no sábado, embora os armazéns não pareçam ter sido afetados.

Segundo o governador regional Maksym Marchenko, o bombardeio deixou “várias pessoas feridas”, mas ele não forneceu números nem detalhou a gravidade dos feridos.

O pacto selado em Istambul é o primeiro grande acordo entre as partes do conflito desde a invasão russa, em 24 de fevereiro, e era aguardado com ansiedade para ajudar a aliviar a fome que, segundo a ONU, afeta mais de 47 milhões de pessoas devido à guerra.

Após o ataque, Zelenski afirmou que o diálogo com o Kremlin era cada vez mais insustentável e que a capacidade de Moscou de cumprir suas promessas não era confiável.

Veja também:

Com informações complementares de AFP via Redação Área Militar.

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!