HomeOriente-médioUSAF utiliza caças de combate como "cargueiros" no Oriente-Médio

USAF utiliza caças de combate como “cargueiros” no Oriente-Médio

A última tentativa da Força Aérea Americana em implantar uma força mais flexível, conhecida como emprego de combate ágil – Agile Combat Employment (ACE) -, poderia ajudar os aviadores a permanecerem por mais tempo em suas casas e permitir o pronto emprego das aeronaves.

Mas os desdobramentos podem se tornar mais intensos para os aviadores quando eles forem para o exterior.

A adoção do Emprego de Combate Ágil em operações regulares em toda a força provavelmente aumentaria o ritmo e a frequência das missões, disse o Brig. Gen. Larry Broadwell, comandante da 380ª Ala Expedicionária Aérea na Base Aérea Al Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos.

Mas essa não é a única medida de destreza militar, é também uma questão de eficiência. O serviço quer ser mais esperto, rápido e seguro que seus adversários e limitar as fraquezas geográficas sem enviar mais pessoas além do necessário ao exterior.

Small-diameter bomb makes F-15E squadron more lethal > U.S. Air Force >  Article Display
U.S. Air Force photo/Master Sgt. Lance Cheung

Na semana passada, o 494º Esquadrão Expedicionário de Caças da RAF Lakenheath, Inglaterra, divulgou sua primeira tentativa de usar vários caças como caminhões de munição em 25 de abril, durante a rota de um local não revelado para Al Dhafra, nos Emirados.

F-15E Fighter Jets First Mission in New Bomb Truck Configuration

Cerca de seis F-15E Strike Eagles carregavam 12 Munições Guiadas de Ataque Direto Conjuntas, o dobro de sua carga normal. O esquadrão chama isso de configuração “Tem Bombas, Vai Viajar”.

O Esquadrão Expedicionário foi solicitado a apoiar missões de combate com uma recuperação muito curta e com as bombas não sendo acondicionadas à unidade.

“Ao carregar mais bombas do que realmente carregaríamos para lançar, estamos preparando os primeiros dias de combate”, salientou capitã Jessica Niswonger, oficial do sistema de armas e planejadora de missões do esquadrão.

Prototype F-15E in flight with a full load of bombs . (U.S. Air Force photo)
U.S. Air Force

Embora o excesso de armas não deva ser disparado em uma operação de combate, o uso de um caça a jato como um avião de transporte pode diminuir a dependência de uma unidade de aviões de transporte ocupados.

Depois de transportar munições para seu destino, as armas podem ser carregadas em outras aeronaves que estão prontas para ir para o campo de batalha.

Os desdobramentos ágeis são mais rápidos quando os aviadores são treinados em várias habilidades fora de seu trabalho normal. Demora cerca de três horas para preparar um caça a jato para partir novamente depois de retornar de uma missão ACE, afirma o sargento chefe. Timothy Mackey, da 494ª Unidade Expedicionária de Manutenção de Aeronaves.

The 494th Expeditionary Fighter Squadron arrives at an undisclosed location to assume responsibility for combat operations in support of Operation Inherent Resolve April 20. (Tech. Sgt. Jamie Spaulding/Air Force)
Tech. Sgt. Jamie Spaulding/Air Force)

Quanto mais pessoas puderem fazer o trabalho de um chefe de tripulação, por exemplo, mais rápido um jato poderá voltar ao ar e abastecer outras unidades.

As unidades ainda estão refinando o tipo de treinamento cruzado que desejam realizar para apoiar o Emprego Rápido sem sobrecarregar as pessoas – por exemplo, se um mantenedor deve estar trabalhando em dobro com as forças de segurança quando necessário, ou se o mantenedor deve saber como cuidar de vários tipos de aviões.

Essa flexibilidade pode ajudar os Estados Unidos a cumprir seus objetivos militares no Oriente Médio e em outros lugares, à medida que as tropas americanas se retirem do Afeganistão e as necessidades de combate mudem em todo o mundo, passando para o Golfo Pérsico ou região do Mar Meridional.

A dificuldade de preparar os aviadores para assumir os voos conforme necessário dependerá de quão bem eles foram treinados para implantações rápidas e do que são solicitados a fazer.

Às vezes é uma missão de dois dias, ida e volta; outras vezes, está viajando para algum lugar não desenvolvido e novo por pelo menos um mês de operações de combate contínuas.

Airmen with the 332nd Expeditionary Maintenance Squadron out of RAF Lakenheath, England, work on an F-15E Strike Eagle in April 2018 at an undisclosed location in Southwest Asia. The aircraft are with the 494th Expeditionary Fighter Squadron and support Operation Inherent Resolve.. (Senior Airman Krystal Wright/Air Force)
Senior Airman Krystal Wright/Air Force

Outro problema que a Força Aérea enfrenta ao tentar descentralizar as operações de combate é como direcionar unidades que estão se movendo mais do que no passado, provavelmente as Alas Aéreas terão que assumir mais responsabilidades de comando e controle para se manter em dia.

As Alas Expedicionárias são essenciais no combate simplificado e ágil aos aviadores que precisam acatar as necessidades do comando em operações aéreas vitais na estabilidade de tropas terrestres ou durante incursões isoladas em solo inimigo.

Air Force Times, US Air Force, via Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!