HomeAmérica do SulVenezuela promove caçada militar e prende Coronel do Exército

Venezuela promove caçada militar e prende Coronel do Exército

Há um mês, oficiais da contra-espionagem militar vêm tentando determinar quem pode ter sido o militar que fez comentários críticos contra o regime e o Alto Comando Militar, bem como quem se recusou a lutar contra os guerrilheiros das FARC e desferiu fortes golpes contra os militares venezuelanos, dos quais pelo menos 17 morreram e 8 continuam sequestrados.

O alto comando de Maduro, liderado por Vladimir Padrino López, autorizou em abril o complemento da força na fronteira com Fuzileiros Navais bolivarianos para reprimir a violência e as atividades ilegais que estavam assumindo posição suburbana e rural nas regiões mais ao extremo de Apure, fronteira com a Colômbia.

De acordo com as jornalistas Carola Briceño y Beatriz Galindo, o regime de Nicolás Maduro mantém sob custódia o coronel do Exército Pedro Daniel Peñaloza Madrid desde 1º de maio, após ter realizado uma fiscalização dos fatos ocorridos em Apure, onde as bolivarianas de Maduro colidiram com a Décima Frente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) .

O caso do coronel Peñaloza, fontes de inteligência reveladas com exclusividade à Aliança Informacional do The Latam Post, Cima 360 e El Nacional, foi tratado com total sigilo pelo regime, que investiga se houve vazamento de informações e mensagens privadas enviadas por militares diretamente de suas contas privadas criticando as ações e os fracassos da organização nas operações em Apure que deixaram dezenas de venezuelanos ceifados.

Peñaloza Madrid, da turma de 1991, foi designado provisoriamente para La Victoria, epicentro do conflito com a guerrilha, onde permaneceu apenas alguns dias; então ele recebeu uma licença e quatro dias depois foi chamado para fazer uma inspeção de emergência.

A convocação foi apenas uma armadilha para detê-lo em Guasdualito.

O Coronel foi apresentado ao Segundo Tribunal Especial de Controle contra o terrorismo e foi acusado de suposta prática de crimes de terrorismo e associação criminosa.

O mais espantoso desta caçada é que, até o momento, não foi permitido a ele um advogado de confiança, segundo as fontes, que apontam que o estado de saúde dos militares não foi atendido desde a prisão.

O governo de Maduro permanece em pé mesmo diante da crise profunda que assola a nação.

Segundo a organização Intersos, mais de 5.000 indivíduos da região de Apure fugiram após os confrontos na fronteira com a Colômbia e agora estão em assentamentos.

As operações na região mostraram lados sombrios e tristes. As forças de segurança venezuelanas cometeram algumas atividades flagrantes contra residentes locais.

As forças de segurança venezuelanas iniciaram a ofensiva no estado de Apure em 21 de março de 2021, com o suposto propósito de combater grupos armados e, como de costume, vêm adotando atividades ilegais como tortura e prisão sem credenciais de justiça para tentar levantar informações e chegar a um destino.

Com informações El Nacional, Área Militar

Patrocinado por Google

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR CONTRA A CENSURA DO YT

OU USE A CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

Deixe uma resposta


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade. Siga nosso Twitter https://twitter.com/areamilitarof
ARTIGOS RELACIONADOS

FAÇA UM PIX E AJUDE O ÁREA MILITAR 

CHAVE-PIX:  canalareamilitarof@gmail.com

AGORA!